Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
195 pág.
CAPELANIA MISSÃO INTEGRAL

Pré-visualização | Página 29 de 50

nesse momento 
especial”, às vezes diante de um óbito junto com os familiares que é uma situação 
bastante pesada e difícil. 
Pe: Qual é para você o objetivo da capelania hospitalar? 
Ca: Bem, não são todos os hospitais que tem, mas para mim a capelania 
dentro de um hospital é fundamental. Tanto quanto o serviço de enfermagem e os 
outros serviços assistenciais como médico, fisioterapia, nutrição, tudo contribui para 
a qualificação de vida ou do que resta da vida daquele paciente. Mas a capelania 
hospitalar é importante porque ela chega ou pode chegar de uma maneira tão 
93 
 
próxima que pode aliviar a dor interna daquele paciente, não só a dor física, mas dor 
espiritual que não tem remédio que cura, a não ser uma sedação completa como 
nos casos de pacientes oncológicos terminais que são sedados alguns dias antes de 
vir a óbito. O paciente vem a óbito sem saber, não vou dizer que é uma eutanásia, 
mas é uma coisa induzida também, que a gente sabe que acontece. Mas creio que o 
nosso papel como ministros e ministras ordenadas pela igreja e outras pessoas 
também que querem se colocar ao lado paciente na sua dor e no seu sofrimento é 
fundamental, porque é um momento de grande fragilidade de questionamento, de 
perguntas, retrospectiva da vida e é um privilegio para nós estarmos juntos com 
estes pacientes. Não é uma carga, mas para mim é um privilégio e eu agradeço a 
Deus por ter essa oportunidade. Eu estou há dezesseis anos aqui e muitas vezes na 
faculdade os meus colegas perguntam “como você aguenta trabalhar com pacientes 
que estão falecendo?” Claro, a gente precisa de um suporte, agora fazendo o curso 
de psicologia eu tenho um acompanhamento psicoterápico, precisamos ter alguém 
para discutir questões, mas acho que o nosso caminho mais direto é Deus, colocar 
para ele as nossas questões, isso me ajuda muito: as orações, os momentos de 
reflexões, meditações, momentos comigo mesma. 
Pe: Na sua atividade como capelã você acredita que transmite conforto e 
esperança para as pessoas? Explique. 
Ca: Espero que sim. Um exemplo bem concreto, uma paciente da minha 
idade, está em estado terminal e está sempre acompanhada, sempre tem uma filha 
ou um filho ou amiga, e essa semana eu cheguei um dia e ela estava sozinha e ela 
estava com dor, já tinha sido medicada para dor e segurou minha mão e disse “irmã 
como gosto quando você vem aqui no meu quarto, eu me sinto aliviada como se o 
câncer fosse uma experiência de aprendizado para mim, mas eu sei que estou na 
fase final, todo mundo omite, esconde ou ameniza, mas eu sei porque sou estudada 
nessa área, mas eu me sinto tranquila. Então como me faz bem essas visitas diárias, 
eu sei que quando o quarto está cheio de gente [...]”, porque agora a gente liberou 
as visitas e as visitas entram a hora que querem, o que dificulta o nosso trabalho; 
porque quando a gente encontra o paciente sozinho é melhor porque ele se coloca 
junto com a gente, nós estamos no mesmo nível, eu não estou acima nem abaixo 
dele, nós ficamos olho a olho, frente a frente e aí ele pode dizer o que quiser para 
mim. Então eu quero acreditar que faz bem para o paciente. Agora a gente sabe que 
os pacientes oncológicos terminais passam por fases, como negação, raiva, revolta, 
94 
 
tudo isso precisa ser contornado porque são fases, elas passam e você vai 
assistindo o paciente em todas elas, e vai chegar o momento aonde ele vai se sentir 
confortável com a sua presença, muitas vezes desde o início, muitas vezes no meio 
ou no final. 
Pe: Como se dá a relação entre a pastoral e os demais profissionais da 
instituição? 
Ca: No começo a gente sentia que a pastoral ficava mais separada, mas 
hoje, e eu estou aqui há dezesseis anos, nós estamos no organograma do hospital, 
em vários documentos normativos do hospital, nós fazemos parte da assistência 
integral do paciente, tanto quanto os outros profissionais, nem mais e nem menos. 
Tanto é que temos a liberdade de escrever no prontuário do paciente, assim como 
um médico, uma enfermeira, fisioterapeuta, nutricionista, cada um de nós faz SOC 
do paciente, onde o S é o que você vê como subjetivo como se o paciente está triste 
ou acamado, ou seja, o teu olhar subjetivo. A letra O é o objetivo, o que o paciente te 
fala, tipo “estou com dor” ou “estou triste”, “estou revoltado”, “não veio isso”. A letra 
C é o que você faz com aquelas informações, o que você vai fazer através daquilo 
que você viu e o paciente não disse e através daquilo que ele expressou e descrever 
a sua conduta. Então você escreve a sua conduta, tipo “esse paciente hoje precisou 
de um momento especial de oração, solicitou uma bênção”, isto vai no prontuário, 
onde todos os profissionais leem e vai carimbado com o meu nome e serviço de 
pastoral. Então é um serviço reconhecido pelo hospital como um todo, os 
profissionais nos tratam com respeito e nos solicitam quando algo acontece, tipo a 
enfermeira me chama e diz “irmã naquele quarto a paciente chorou na hora do 
banho ou não quer se alimentar, será que você poderia ir lá conversar com ela?”, 
então os colaboradores nos procuram. 
Pe: Existe algo mais que você gostaria de contar ou acrescentar? 
Ca: Eu passei por um processo e para trabalhar em uma pastoral a gente 
precisa passar por um processo. Eu passei por um processo difícil de doença 
também, aonde eu necessitei de cuidados intensivos, depois me dediquei a uma 
faculdade de enfermagem e achei que seria um coisa muito boa para mim e foi, 
durante um período da minha vida foi, mas depois eu vim fazer um curso aqui 
oferecido pelo pastor Ivo, há dezessete anos atrás. Depois de concluir esse curso, 
ele me convidou para trabalhar aqui. E o pastor Ivo eu conheço desde a minha 
infância porque ele trabalhou na minha comunidade no começo do ministério dele, 
95 
 
ele me confirmou, batizou os meus irmãos, casou meu irmão, enfim, eu já tinha um 
vínculo com ele. Eu vim trabalhar aqui sem ter a dimensão real do que significaria 
trabalhar aqui, hoje eu acho que já tenho um pouco mais de clareza do que significa 
trabalhar em um serviço pastoral e sinto que eu ainda tenho muito que aprender. Eu 
fiz uma cirurgia intracraniana para retirar um tumor do cérebro há vinte e sete anos 
atrás e essa experiência me aproximou de um hospital, assim como eu fui cuidada 
eu senti necessidade de cuidar. Então, eu respiro hospital e não me vejo 
trabalhando fora de um hospital. Mesmo quando eu me formar em psicologia eu 
pretendo agregar ao meu trabalho aqui no hospital para assistir melhor o paciente. 
Mas nunca sem a orientação divina para minha caminhada, pois sem ela eu não vou 
conseguir me colocar ao lado da pessoa doente. Com a iluminação de Deus na 
minha vida, me colocando à disposição como um instrumento nas mãos dele, a 
seara é grande e pouco os trabalhadores, e ele como um oleiro molda o seu vaso, 
ele vai me moldando para esse trabalho que eu me dispus a fazer, porque agora 
com a minha idade eu sinto que eu escolhi, no começo talvez eu fui direcionada, 
mas agora estou aqui porque escolhi. 
Pe: Belas palavras! Eu agradeço muito pela sua participação e que Deus 
continue abençoando seu trabalho e sua vida. 
 
3.3.2 Entrevista com MVCA2 
 
Pe: Bem, te agradeço por se dispor a participar desta pesquisa e a primeira 
pergunta que gostaria de fazer é qual sua confessionalidade religiosa e a sua 
formação teológica? 
Ca: Eu sou formada em bacharel em teologia desde o ano passado, 
pertenço também a Irmandade Evangélica de Confissão Luterana (Casa Matriz das 
Diaconisas de São Leopoldo) e membro da IECLB. 
Pe: Na sua visão como que as pessoas enfermas respondem às 
intervenções da Pastoral? 
Ca: O nosso perfil
Página1...252627282930313233...50