Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
80 pág.
ESTUDO DA VIABILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE RCCS EM CONCRETO ATRAVÉS DE ENSAIOS FÍSICOS E QUÍMICOS

Pré-visualização | Página 11 de 15

A solução padrão consiste em 2g de ácido tânico diluído em 10 ml de álcool e 
90 ml de água. Ambas as soluções são armazenadas por 24 h. 
Após esse período a solução de hidróxido de sódio com agregado é filtrada em 
um frasco para a comparação da coloração com a solução padrão. 
Caso a solução do agregado atinja coloração mais escura que a solução 
padrão, o agregado é considerado impróprio para uso. 
 
5.4 CONFECÇÃO DOS TRAÇOS 
 
 Para a confecção dos traços foi utilizado o método de dosagem ABCP 
(Associação Brasileira de cimento Portland), que consiste na utilização da relação 
água/cimento dada pela curva de Abram para obtenção dos níveis de resistência a 
compressão desejados. 
53 
 
Foram selecionadas 3 faixas de resistência, sendo elas de 17,5 MPa, 20 MPa 
e 28 MPa aos 28 dias. Para confecção e correção dos traços foi utilizado o método de 
dosagem da ABCP normatizado pela ABNT NBR 12655/2006. 
Este método de dosagem visa calcular a quantidade de matérias necessárias 
para confecção de 1m³ de concreto bastando multiplicar ou dividir a quantidade para 
o preparo da quantidade necessária para diversas utilizações, conforme desejado. 
A seguir é descrito o roteiro para a dosagem segundo o método ABCP: 
 
Em primeiro lugar precisou-se encontrar a resistência prevista para dosagem 
“Fcj” utilizando a equação fornecida pela ABNT NBR 12655/2006. 
Para encontrar a resistência da dosagem utilizamos a equação 5. 
 
Em que: 
Fcj= Resistencia prevista para dosagem. 
Fck= Resistencia estimada pela curva de Abrams. 
Sd= Desvio padrão determinado pelo grau de precisão da dosagem determinado na 
Tabela 8. 
 
Tabela 8. Desvio-Padrão a ser adotado em função da condição de preparo. 
Condição de 
preparo do 
concreto 
SD=Desvio-
padrão em 
 MPa 
Condição 
A 4 
O cimento e os agregados são medidos em massa, a água de 
amassamento é medida em massa ou volume com dispositivo 
dosador e corrigida em função da umidade dos agregados. 
 
B 5,5 
O cimento é medido em massa, a água de amassamento é 
medida em volume mediante dispositivo dosador e os agregados 
medidos em massa combinada com volume. 
 
C 7 
O cimento é medido em massa, os agregados são medidos em 
volume, a água de amassamento é medida em volume e a sua 
quantidade é corrigida em função da estimativa da umidade dos 
agregados da determinação da consistência do concreto. 
 𝐹𝑐𝑗 = 𝐹𝑐𝑘 + 1,65𝑥𝑆𝑑 (5) 
54 
 
 
Fonte: NBR 12655 
Para o cálculo da quantidade de água: a cada m³ de agregado se utiliza a Tabela 
9, que determina o consumo de água em função do diâmetro máximo do agregado 
graúdo. 
 
Tabela 9. Determinação do Consumo de água em relação ao abatimento e diâmetro 
máximo do agregado graúdo. 
Abatimento 
(mm) 
Diâmetro máximo do agregado graúdo (mm) 
9,5 19 25 32 38 
40 a 60 220 195 190 185 180 
60 a 80 225 200 195 190 185 
80 a 100 230 205 200 195 190 
 
Fonte: Rodrigues, 1998. 
 
A quantidade de cimento é determinada a partir da diferença da quantidade de 
água pelo fator água/cimento encontrado pela curva de Abram. 
 
Para encontrar a quantidade de cimento necessária, se utilizou a equação 6: 
 
 Cc =
Ca
a/c
 (6) 
 
Em que: 
Cc= quantidade de cimento Kg. 
Ca= quantidade de água L ou Kg. 
a/c= fator água/cimento. 
Para se determinar a quantidade de brita utilizou-se a equação 7: 
 
55 
 
 Cg = ρ. V (7) 
 
Em que: 
Cg= quantidade de agregado graúdo em Kg 
P= massa unitária em Kg/m³ 
V= volume obtido na tabela 9 em m³ 
 
Para utilizar esta tabela se considera o módulo de finura MF do agregado miúdo 
encontrado e o diâmetro máximo do agregado graúdo. Considerando que o agregado 
miúdo preenche os espaços vazios da brita, a dosagem deve respeitar os parâmetros 
da Tabela 10. 
 
 
Tabela 10. Determinação do volume de agregado graúdo em relação ao MF da areia 
e DM do agregado graúdo (ABCP). 
MF 
Diâmetro Máximo Agregado Graúdo (mm) 
9,5 19 25 32 38 
1,8 0,645 0,77 0,795 0,82 0,845 
2 0,625 0,75 0,775 0,8 0,825 
2,2 0,605 0,73 0,755 0,78 0,805 
2,4 0,585 0,71 0,735 0,76 0,785 
2,6 0,565 0,69 0,715 0,74 0,765 
2,8 0,545 0,67 0,695 0,72 0,745 
3 0,525 0,65 0,675 0,7 0,725 
3,2 0,505 0,63 0,655 0,68 0,705 
3,4 0,485 0,61 0,635 0,66 0,685 
3,6 0,465 0,59 0,615 0,64 0,665 
 
Fonte: Rodrigues, 1998. 
 
O volume de areia necessário foi definido utilizando a equação 8: 
 
56 
 
 Vm = 1 − (
𝐶𝑐
𝑦𝑐
+
𝐶𝑔
𝑦𝑔
+
𝐶a
𝑦𝑎
) (8) 
 
Em que: 
 
Vm= volume da areia em m³. 
Cc= quantidade de cimento em m³. 
Cg= quantidade de Pedra/brita em m³. 
 
Ca= quantidade de agua em m³/L. 
Yc= massa especifica do cimento 
Yg= massa especifica da pedra/brita. 
Ya= massa especifica da agua. 
 
Para determinar a quantidade de areia em massa utilizou-se a equação 9: 
 
 Cm = ρm. V (9) 
 
Em que: 
Cm= quantidade do agregado miúdo em Kg 
Pm= massa unitária do agregado miúdo em Kg/m³ 
V= volume do traço em m³ 
 
Traço: 
 A representação do traço para confecção de 1m³ foi realizada dividindo a 
quantidade de matérias pela quantidade de cimento utilizando a equação 10: 
 
 
Cc
Cc
:
Cm
Cc
:
Cg
Cc
:
Ca
Cc
 (10) 
 
 
 
 
57 
 
Em que: 
Cc= quantidade de cimento. 
Cm= quantidade de areia. 
Cg= quantidade de brita. 
Ca= quantidade de agua. 
 
O traço unitário é representado da seguinte forma: Cimento: Areia: Brita: água. 
 
Correção do traço: 
A correção das quantidades de areia e pedra se deve pelo fato do traço obtido 
para agregados totalmente secos e em condições normais os traços possuem alguma 
umidade que deve ser considerada, essa quantidade de água presentada nos 
agregados devem ser descontados da quantidade de água total do traço para 
obtenção de um traço com maior precisão de materiais. 
Com os dados obtidos podemos fazer a correção do traço em função do teor 
de umidade já presente nos agregados miúdos e graúdos. Para a correção utiliza-se 
a seguinte equação: 
Para determinar a correção da quantidade de areia, utilizou-se a equação 11: 
 
 Cmc = Cm + (Cm. h%) (11) 
 
Em que: 
Cmc= quantidade de areia corrigida 
Cm= quantidade de areia 
H%= teor de umidade da areia 
 
Para a correção da quantidade de brita, utilizou-se a equação 12: 
 
 𝐶𝑏𝑐 = 𝐶𝑏 + (Cb. h%) (12) 
Em que: 
Cbc= quantidade de brita corrigida 
Cb= quantidade de brita 
H%= teor de umidade da brit 
58 
 
 Para Correção da quantidade de água do traço do concreto de referência, 
utilizou-se a equação 13: 
 
 Cac = Ca − [(Cmc − Cm) + (cbc − cb)] (13) 
 
Em que: 
Cac= quantidade de água corrigida 
Ca= quantidade de água 
Cmc= quantidade de areia corrigida 
Cm= quantidade de areia 
Cbc= quantidade de brita corrigida 
Cb= quantidade de brita 
 
Para a Correção da quantidade de água do traço
Página1...789101112131415