A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
192 pág.
Representação Temática -Classificação

Pré-visualização | Página 1 de 38

RepResentação temática- 
classificação
Prof.a Miriam de Cassia do Carmo Mascarenhas Mattos
Indaial – 2019
1a Edição
Copyright © UNIASSELVI 2019
Elaboração:
Prof.a Miriam de Cassia do Carmo Mascarenhas Mattos
Revisão, Diagramação e Produção:
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
Ficha catalográfica elaborada na fonte pela Biblioteca Dante Alighieri 
UNIASSELVI – Indaial.
Impresso por:
M444r
 Mattos, Miriam de Cassia do Carmo Mascarenhas
 Representação temática - classificação. / Miriam de Cassia do Carmo 
Mascarenhas Mattos. – Indaial: UNIASSELVI, 2019.
 182 p.; il.
 ISBN 978-85-515-0328-7
1. Classificação - Livros. - Brasil. II. Centro Universitário Leonardo Da 
Vinci.
CDD 025.43
III
apResentação
A representação temática, também conhecida como classificação, 
juntamente com a representação descritiva, ou catalogação, fazem parte das 
disciplinas técnicas da área de biblioteconomia, do campo da organização 
da informação e do conhecimento. Estas, somadas ao processo de indexação, 
formam as linguagens documentárias, ou seja, linguagens construídas 
artificialmente que possibilitam a recuperação da informação e o acesso do 
acervo por parte dos usuários.
Recuperação 
da informação
catalogação indexaçãoclassificação
FIGURA 1 – LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS
FONTE: A autora
Para Guimarães e Sales (2010, p. 3), a análise documentária é 
uma “operação de decomposição (análise) e representação do conteúdo 
informacional dos documentos. Pressupõe um conjunto sistemático e 
sequencial de procedimentos que podem ser explicitados”, sendo, portanto, 
crucial em relação à questão da explicitação dos procedimentos e para 
a contribuição interdisciplinar de áreas como a Linguística e a Lógica, 
“necessitando, para tal, de um conjunto de ferramentas, denominadas 
linguagens documentais”.
O objetivo principal da análise documentária é “expressar o conteúdo 
de documentos sob formas destinadas a facilitar a recuperação da informação 
através de uma operação semântica. A análise, embora não obedeça a 
nenhuma regra precisa, varia em função de cada organismo e do analista” — 
pessoa que executa a operação (DIAS; NAVES, 2007, p. 6).
Nesse processo são importantes algumas considerações apontadas 
por Guinchat e Menou (1994, p. 121), como:
IV
• conhecer o conteúdo para informar os usuários;
• operar escolhas para eliminar ou conservar um documento;
• armazenar os documentos;
• armazenar para recuperar facilmente os documentos.
Os entendimentos dos conceitos acerca das análises documentárias 
divergem um pouco de acordo com a corrente teórica. Vejamos algumas de 
suas diferenças: 
• Corrente francesa: a análise documentária é um macrouniverso no qual 
a indexação está inserida. A indexação é, então, o resultado da fase de 
representação, fase final da análise documentária, em que se utilizam as 
linguagens documentárias para a geração de produtos documentários.
• Corrente espanhola: a análise documentária comporta dois níveis de 
divisão: 
ᵒ o da forma: análise descritiva ou bibliográfica — o tratamento físico da 
informação ligado com o suporte; 
ᵒ o do conteúdo: tratamento temático da informação, e destina-se à 
representação condensada do assunto intrínseco ou extrínseco tratado 
em um determinado documento.
• Corrente inglesa: a análise documentária e a indexação compreendem 
processos idênticos, incluindo a análise de assuntos como etapa inicial da 
indexação. Indexação, entendendo-a como um processo.
Segundo os estudos de Guimarães e Sales (2010), as correntes teóricas 
demonstram ter mais influências, no contexto brasileiro, em configurações 
enquanto: geração de produtos (corrente norte-americana), na concepção 
instrumental (corrente inglesa) e no processo propriamente dito (corrente 
francesa).
Dadas as explicações iniciais necessárias para o entendimento do 
conteúdo e dinâmica da disciplina, observamos que nosso foco neste livro 
didático será a representação temática, ou seja, a classificação. 
Na primeira unidade, veremos os aspectos históricos da classificação 
do conhecimento, perpassando a longa jornada até a utilização dos processos 
de classificação atuais. Nesta etapa apresentaremos alguns conceitos do 
conteúdo, bem como abordagens iniciais da representação temática. 
Nas segunda e terceira unidades, apresentaremos as duas principais 
formas de classificação mais utilizadas em todo o mundo, a Classificação 
Decimal de Dewey (CDD) e a Classificação Decimal Universal (CDU). Estas 
serão aprofundadas para que você consiga diferenciá-las, bem como utilizar 
suas ferramentas de forma completa.
Prova 
Questão 2
V
Você já me conhece das outras disciplinas? Não? É calouro? Enfim, tanto para 
você que está chegando agora à UNIASSELVI quanto para você que já é veterano, há 
novidades em nosso material.
Na Educação a Distância, o livro impresso, entregue a todos os acadêmicos desde 2005, é 
o material base da disciplina. A partir de 2017, nossos livros estão de visual novo, com um 
formato mais prático, que cabe na bolsa e facilita a leitura. 
O conteúdo continua na íntegra, mas a estrutura interna foi aperfeiçoada com nova 
diagramação no texto, aproveitando ao máximo o espaço da página, o que também 
contribui para diminuir a extração de árvores para produção de folhas de papel, por exemplo.
Assim, a UNIASSELVI, preocupando-se com o impacto de nossas ações sobre o ambiente, 
apresenta também este livro no formato digital. Assim, você, acadêmico, tem a possibilidade 
de estudá-lo com versatilidade nas telas do celular, tablet ou computador. 
 
Eu mesmo, UNI, ganhei um novo layout, você me verá frequentemente e surgirei para 
apresentar dicas de vídeos e outras fontes de conhecimento que complementam o assunto 
em questão. 
Todos esses ajustes foram pensados a partir de relatos que recebemos nas pesquisas 
institucionais sobre os materiais impressos, para que você, nossa maior prioridade, possa 
continuar seus estudos com um material de qualidade.
Aproveito o momento para convidá-lo para um bate-papo sobre o Exame Nacional de 
Desempenho de Estudantes – ENADE. 
 
Bons estudos!
É importante observar que é somente com a prática que você 
realmente aprenderá os recursos dos instrumentos de classificação. Para isso 
é recomendado que além dos exercícios propostos ao longo da disciplina, 
seu primeiro estágio obrigatório tenha como foco aspectos técnicos dos 
processos de linguagens documentárias. Seja nos sistemas de classificação 
e catalogação da informação. Isso mostrará a realidade profissional bem 
como sua importância para a recuperação da informação. 
Bons estudos!
Prof.ª Miriam Mattos
NOTA
VI
VII
UNIDADE 1 – HISTÓRIA DA CLASSIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO ............................... 1
TÓPICO 1 – REPRESENTAÇÃO TEMÁTICA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECONOMIA ....... 3
1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................... 3
2 CONCEITOS DE CLASSIFICAÇÃO ................................................................................................ 5
2.1 CLASSIFICAÇÃO BIBLIOGRAFICA ........................................................................................... 7
2.2 NOTAÇÃO ....................................................................................................................................... 8
2.3 ALGUMAS DICAS DE CLASSIFICAÇÃO ................................................................................. 9
RESUMO DO TÓPICO 1........................................................................................................................ 11
AUTOATIVIDADE .................................................................................................................................

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.