Diário de Campo
8 pág.

Diário de Campo


DisciplinaPraticas Intregativas34 materiais49 seguidores
Pré-visualização2 páginas
INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA PARAÍBA 
CURSO DE PSICOLOGIA 
PRÁTICAS INTEGRATIVAS SUPERVISIONADAS II 
 
 
 
 
 
ARLEN AQUINO TOMAZ 
 
 
 
Diário de Campo: Visita Técnica ao CRAS 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Cabedelo 
2019 
 
Arlen Aquino Tomaz 
 
 
 
 
 
 
Diário de Campo: Visita Técnica ao CRAS 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Cabedelo 
2019 
Diário de Campo apresentado à disciplina 
Práticas Integrativas Supervisionadas II do 
Curso de Graduação em Psicologia do Instituto 
Superior da Paraíba \u2013 IESP/FATEC, ministrada 
pela Ms Denise Reinaldo Pereira Ramos. 
 
Diário de Campo 
Dados de Identificação 
Data: 24 de set de 2019 - Hora de Início: 09h 30min - Hora Término: 10h e 30min. 
Local: Centro de Referência de Assistência Social \u2013 CRAS - Rua Comerciante Alfredo 
Ferreira da Rocha, 1188 - Mangabeira, João Pessoa \u2013 PB 
Atividades/Situações Vivenciadas. 
 Visita técnica ao Centro de Referência de Assistência Social \u2013 CRAS \u2013 A fim de 
conhecer a atuação do psicólogo neste campo de atuação 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
. 
1. RELATO DA EXPERIÊNCIA 
 
No dia 24 de setembro de 2019 no turno diurno , um grupo de alunos do 3° 
período do curso de graduação em Psicologia do Instituto de Educação Superior da 
Paraíba \u2013 IESP/FATEC-PB, realizaram uma visita técnica ao Centro de Referência de 
Assistência Social \u2013 CRAS \u2013 localizado no bairro de Mangabeira, no município de João 
Pessoa-PB com a finalidade de conhecer a atuação do psicólogo nesta área de atuação. 
Tal visita faz parte da disciplina de Práticas Integrativas Supervisionada II ministrada pela 
Professora Ms. Denise Reinaldo Pereira Ramos. 
Na data da visita, a coordenadora do CRAS visitado não estava presente, visto 
que estava realizando uma atividade externa, ficando disponível a Psicóloga Bernadete, 
que também é a coordenadora do serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família 
(PAIF). No início da conversa ela falou a respeito do trabalho desenvolvido pelo CRAS 
com grupos da terceira idade que compõe cerca de 100 idosos. Em seguida ela apresentou 
toda a equipe que compõe o CRAS, sendo duas psicólogas, duas assistentes sociais, uma 
coordenadora bem como todos os serviços ali realizados. Durante a apresentação dos 
serviços ofertados pelo CRAS, a psicóloga Bernadete nos relatou que poucas crianças e 
adolescentes são assistidas devido a pouca procura, visto que o CRAS se encontra em 
uma região de difícil acesso e também por a maioria dessas crianças e adolescentes 
estudarem em escolas de período integral, mesmo sendo um direito garantido por lei, 
como aponta o Art. 1º da Lei Orgânica da Assistência Social \u2013 LOAS, a Assistência Social 
é \u2018\u2019Direito do cidadão e dever do Estado, é Política de Seguridade Social não contributiva, 
que provê os mínimos sociais, realizada através de um conjunto integrado de iniciativa 
pública e da sociedade, para garantir o atendimento às necessidades básicas\u2019\u2019(BRASIL, 
1993). 
 A atuação da equipe do CRAS é interdisciplinar, onde os perfis dos 
profissionais devem convergir de forma a favorecer o desenvolvimento das funções do 
CRAS. A atuação do psicólogo na assistência social, está voltada para a escuta qualificada 
de acordo com a demanda, podendo encaminhar os casos para outra rede como o CREAS, 
visto que o psicólogo do CRAS não realiza um trabalho clínico. Além de toda a 
assistência social que é prestada no CRAS, como auxílio aluguel, cesta básica por 3 meses 
para família comprovadamente sem renda, kit enxoval e emissão do CAD Único, que é 
Um dos serviços mais procurados por toda a comunidade. 
Cadastro Único é um instrumento que identifica e caracteriza as famílias de 
baixa renda, permitindo que o governo conheça melhor a realidade 
socioeconômica dessa população. Nele são registradas informações como: 
características da residência, identificação de cada pessoa, escolaridade, 
situação de trabalho e renda, entre outras. (BRASIL. 2015.) 
Há ainda a realização de diversas oficinas para crianças, adolescentes e 
idosos, sendo os idosos os maiores frequentadores dessas oficias. No âmbito da 
assistência social há ainda a visitação as famílias, que ocorre uma vez por semana, devido 
a indisponibilidade do carro fornecido pela prefeitura do município. Um dos serviços 
mais procurados por toda a comunidade é a realização do Cadastro Único. 
 
1.1 DESCRIÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO 
 
No quesito localização, encontramos uma relativa dificuldade de encontrar o 
CRAS de Mangabeira, mesmo sendo próximo à sua principal avenida, a Josefa Taveira, 
visto que aos arredores não existe placas de sinalização informando a existência de tal 
serviço na região, além do CRAS possuir um singelo banner1em sua fechada. Durante a 
visita, tivemos a oportunidade de conhecer a espaço físico do CRAS, onde ficou explícito 
a precariedade do espaço físico mesmo que possua uma organização lógica o espaço e 
materiais utilizados. 
A unidade possui um terraço que serve como sala de espera, onde ficam 
cartazes com informações acerca dos programas existentes no CRAS, distribuídas de 
maneira estratégica, acessível a todos que chegam para o atendimento. Possui também 
uma sala para a realização das oficinas, porém a sala é pequena e não comporta mais de 
20 (vinte) crianças, além desta sala, ele tem a recepção, a cozinha e apenas uma sala para 
a psicóloga, a assistente social e a coordenadora. 
 
1 Banner: Painel publicitário com o formato de uma bandeira e produzido com os mais variados 
materiais, geralmente em papel ou pano, para ser pendurado, expondo um produto ou serviço ao 
público. 
A recepção comporta apenas uma mesa de escritório com algumas cadeiras 
para atender os usuários e diversos armários onde estão alguns dados dos mesmos. 
1.2 NOTAS ANALÍTICAS DO AMBIENTE OU FENÔMENO ESTUDADO 
No decorrer da visita, pudemos perceber a imensa importância que o CRAS 
de Mangabeira possui no município de João Pessoa, visto que ele comporta diversos 
bairros da cidade. Mesmo com sua estrutura precária, ele não deixa de atender seus 
usuários. Pudemos perceber que a maior dificuldade encontrada pelos profissionais que 
ali atuam é a falta de respaldo dos órgãos responsáveis para que se possa desenvolver os 
serviços vigentes e os novos projetos que ali são criados, além de não poderem intervir 
em algumas situações por receio de serem denunciados pela população, visto que todos 
os profissionais que ali atuam são de cargo comissionado, já que nunca houve concurso 
para a área. 
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 
Desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, a Assistência Social 
é um direito do cidadão e dever do Estado. Mas foi a partir de 1993, com a publicação da 
Lei Orgânica da Assistência Social \u2013 LOAS, que ela passou a ser de fato definida como 
política de seguridade social. A Assistência Social, diferentemente da previdência social, 
não é contributiva2, ou seja, deve atender a todos os cidadãos que dela necessitarem. Em 
2005, é instituído o Sistema Único de Assistência Social \u2013 SUAS, descentralizado e 
participativo, que tem por principal função a gestão do conteúdo específico da Assistência 
Social (SÃO PAULO, 20-). 
O Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) é a porta de entrada da 
assistência social. Trata-se de uma unidade pública municipal, integrante do SUAS, 
localizado em áreas com maiores índices de vulnerabilidade e risco social, destinado à 
prestação de serviços socioassistenciais de proteção social básica às famílias e indivíduos, 
e à articulação destes serviços no seu território de abrangência,