DIREITO CONSTITUCIONAL AVANÇADO -2
2 pág.

DIREITO CONSTITUCIONAL AVANÇADO -2


Disciplina<strong>constitucional Avançado</strong>67 materiais73 seguidores
Pré-visualização1 página
1a Questão (Ref.:201604821573) Pontos: 0,1 / 0,1 
(OAB/FGV - Exame de Ordem Unificado - XXIV - (Adaptada)
Considere a seguinte situação hipotética: Decreto Legislativo do Congresso Nacional susta Ato Normativo do Presidente da
República que exorbita dos limites da delegação legislativa concedida. Insatisfeito com tal Iniciativa do Congresso Nacional e
levando em consideração o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, o Presidente da República pode:
Deflagrar o controle repressivo político mediante uma representação de inconstitucionalidade, pois se trata de um ato
do Poder Legislativo.
Recorrer ao controle preventivo jurisdicional mediante o ajuizamento de um Mandado de Segurança perante o
Supremo Tribunal Federal.
 Deflagrar o controle repressivo concentrado mediante uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), uma vez que o
decreto legislativo é ato normativo primário.
Deflagrar o controle repressivo concentrado mediante uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental
(ADPF), pois não cabe Ação Direta de Inconstitucionalidade de decreto legislativo.
Recorrer ao controle judicial repressivo incidental por meio de Ação Declaratória de Constitucionalidade.
Respondido em 06/11/2019 23:12:47
Compare com a sua resposta:
2a Questão (Ref.:201604797695) Pontos: 0,1 / 0,1 
Nao pode ser objeto de ADI perante o STF:
Resolução do CNJ
Decreto Legislativo.
 Súmula Vinculante.
Decreto Autônomo
Emendas Constitucionais.
Respondido em 06/11/2019 23:13:18
Compare com a sua resposta:
3a Questão (Ref.:201604827994) Pontos: 0,1 / 0,1 
Ano: 2016 Banca: VUNESP 
Com fundamento na Constituição, podemos afirmar em relação aos efeitos das decisões de mérito proferidas pelo
Supremo Tribunal Federal, nas ações diretas de inconstitucionalidade, que
 não há impeditivo constitucional para que o Poder Legislativo edite nova lei com idêntico conteúdo normativo ao
do texto objeto da ação.
o efeito erga omnes e vinculante não alcança os demais órgãos do Poder Judiciário.
produzirão eficácia contra todos e efeito vinculante relativamente aos demais órgãos do Poder Judiciário,
Legislativo e Executivo.
o Supremo Tribunal Federal está vinculado às suas próprias decisões.
produzirão eficácia contra todos e efeito vinculante aos órgãos do Poder Legislativo e Executivo.
Respondido em 06/11/2019 23:14:04
Compare com a sua resposta:
4a Questão (Ref.:201604820830) Pontos: 0,1 / 0,1 
Se um município de determinado estado da Federação editasse lei que restringisse a competência investigativa do MP ao
âmbito daquele estado, e se, em consequência, os membros do parquet resolvessem questionar a lei em sede de controle
concentrado, então, nesse caso hipotético, seria cabível
 a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público propor ADPF no STF, alegando violação de prerrogativas
constitucionais do MP pela lei municipal.
o procurador-geral de justiça ajuizar representação de inconstitucionalidade no âmbito do tribunal de justiça
estadual, alegando violação à CF.
o procurador-geral da República ajuizar intervenção federal no STF, alegando violação a princípio constitucional
sensível.
Todas as opções estão corretas.
 
o governador do estado ajuizar ADI no STF, alegando violação à CF.
Respondido em 06/11/2019 23:14:58
Compare com a sua resposta:
5a Questão (Ref.:201604821858) Pontos: 0,1 / 0,1 
Imagine que o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício de controle difuso de constitucionalidade, pelo
voto da maioria absoluta dos membros de órgão fracionário, afaste a incidência em parte da legislação estadual
1234/2018, sem, contudo, declarar expressamente a inconstitucionalidade de tal lei. Nessa hipótese, é correto afirmar
que tal decisão
é constitucional, pois apenas haveria violação da cláusula de reserva de plenário se a decisão do Tribunal tivesse
declarado expressamente a inconstitucionalidade da lei.
 é inconstitucional, pois violou a cláusula de reserva de plenário em função do afastamento da incidência da norma,
ainda que de forma parcial.
é inconstitucional, ainda que a declaração de inconstitucionalidade da lei já tenha sido declarada pelo Supremo
Tribunal Federal em decisão plenária.
é constitucional, pois no controle difuso de inconstitucionalidade também é permitido às Turmas e Câmaras dos
Tribunais declarar expressamente a inconstitucionalidade de uma lei ou ato normativo, bem como afastar a
incidência no todo ou em parte de sua aplicação. 
é constitucional, uma vez que apenas haveria violação da cláusula de reserva de plenário caso fosse afastada a
incidência total da legislação estadual e não parcial.