aula6 obras hidraulicas
11 pág.

aula6 obras hidraulicas


DisciplinaMecânica Geral14.715 materiais515.259 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Disciplina: Obras Hidráulicas
Aula 6: Macrodrenagem e medidas de controle de cheias
Apresentação
O município de Lauro de Freitas, na Bahia, bem como muitos outros municípios no Brasil vivem a
mesma realidade \u2014 alagamentos em épocas de chuva. Mas, essa realidade não precisa ser um
grande pesadelo.
Atualmente, os sistemas de drenagem urbana são projetados de modo a aliar o conceito
urbanístico da cidade com a necessidade das obras de infraestrutura relacionadas ao
saneamento básico.
O uso de reservatórios para controle de cheias e o alargamento de canais têm sido soluções
inteligentes e congregam uma sinergia com o desenvolvimento das cidades, pois as
intervenções estruturais não devem alterar signi\ufb01cativamente o dia a dia da população, mas
evitar que essas mudanças ocorram em forma de desastres ocasionados pelas enchentes e
inundações.
Objetivos
Discutir os aspectos ligados ao projeto e dimensionamento hidráulico de macrodrenagem;
Descrever os aspectos técnicos para a utilização de reservatórios para controle de cheias
em ambientes urbanos.
Análise dos sistemas de drenagem
A macrodrenagem é tão importante quanto a microdrenagem, que estudamos na aula
anterior, para a prevenção no controle de cheias de qualquer região. Ainda que a
microdrenagem seja e\ufb01ciente, se o sistema de macrodrenagem não estiver alinhado
com esse objetivo, haverá danos diretos à sociedade, pois a presença dos grandes
volumes de água concentrados nas cidades é um contraponto ao seu desenvolvimento
urbano.
Atualmente, a integração dos sistemas de drenagem com as questões de
sustentabilidade têm permitido uma releitura das condições naturais de escoamento
das bacias hidrográ\ufb01cas. O aumento na velocidade de escoamento e aumento na vazão
são maus indicadores em um projeto de drenagem, pois sobrecarregam os corpos
hídricos e não impedem que as enchentes e inundações ocorram.
A análise criteriosa do dimensionamento dos sistemas de drenagem,
assim como sua integração com o projeto urbanístico e o meio ambiente,
se apresenta como o modo mais e\ufffdciente de lidar com um tema tão atual
e de grande importância no cenário nacional.
Macrodrenagem
A macrodrenagem inclui, além da microdrenagem, as galerias de grande porte (D >1,5m)
e os corpos receptores, como canais. As obras de macrodrenagem reti\ufb01cam os cursos
de água natural, de modo que se obedeça, sempre que possível, o caminhamento natural
dos corpos hídricos, reduzindo o percurso a ser vencido pelo escoamento super\ufb01cial e
drenam áreas superiores a 2 km .
A macrodrenagem não compreende apenas obras estruturais, mas também as não
estruturais, já que a ideia principal é preservar as características das bacias que,
associadas a períodos de recorrência da ordem de cem anos, precisam ser devidamente
observadas.
Os projetos de macrodrenagem são muito importantes, pois impactam diretamente na
vida da população, em aspectos sociais, econômicos, \ufb01nanceiros e talvez o principal
deles, o de saúde.
Obras de macrodrenagem:
Canal arti\ufffdcial a céu aberto que canaliza um rio
\ue412 Disponível em: Sinergia Engenharia
<https://www.sinergiaengenharia.com.br/o-desa\ufffdo-da-
drenagem-urbana/> . Acesso em: 06 ago. 2018.
2
Canal de contorno fechado
\ue412 Disponível em: Centro Norte Notícias
<http://www.centronortenoticias.com.br/noticia-3791-
prefeitura-inicia-construcao-de-macrodrenagem-na-lo-
15> . Acesso em: 06 ago. 2018.
Canal sendo construído
\ue412 Disponível em: Sertaozinho
<http://www.sertaozinho.sp.gov.br/conteudo/macrodrenagem-
do-corrego-sul-trabalho-nos-emissarios-entra-em-nova-
fase-na-segunda-feira-dia29.html#.WxLE-EgvzIU> .
Acesso em: 06 ago. 2018.
\uf055
Saiba mais
O dimensionamento dos sistemas de macrodrenagem leva em consideração a
distribuição espaço-temporal da chuva na determinação de chuvas de projeto.
Leia um exemplo de Dimensionamento do sistema de macrodrenagem
<galeria/aula6/docs/dimensionamento-sistema-macrodrenagem.pdf> .
Reservatórios para controle de cheias
\ue412 Psicinão do Pacaembu. Disponível em: Rede Água <
https://redeagua.wordpress.com/2013/11/05/grupo-reaja-
monitora-agua-do-piscinao-do-pacaembu/> . Acesso em:
06 ago. 2018.
Com a \ufb01nalidade de reduzir o efeito das enchentes em áreas urbanas, são construídos
reservatórios para controle de cheias, que são estruturas preparadas para reter água,
recuperando em parte, as características de armazenagem da bacia à qual pertence.
O piscinão do Pacaembu, na zona Oeste da cidade de São Paulo, foi o primeiro a ser
construído no Brasil e opera desde 1994, embora os reservatórios, como forma de
controlar as enchentes na cidade de São Paulo, tenham sido sugeridos, pela primeira
vez, em 1925, pelo engenheiro Saturnino de Brito.
01
Além de auxiliar no controle de cheias (até um certo limite de projeto), os reservatórios
urbanos, em alguns casos, podem ser usados para tratar a poluição carregada pela
água nas cidades, bem como adquirir funções paisagísticas para se integrar mais
harmoniosamente ao ambiente urbano.
02
Assim, o dimensionamento do reservatório depende dos dados de chuva do local, para
um dado tempo de recorrência, ou seja, um tempo em que esse volume de chuva pode,
estatisticamente, ser igualado ou superado.
03
A forma como é projetado e construído o reservatório possui várias condicionantes que
envolvem desde a área disponível para sua construção, como suas características
geométricas.
04
A densidade de urbanização também é decisória nesse processo. Cada projeto é único
em suas particularidades. Tudo isso vai influenciar na solução mais apropriada para
concepção do reservatório.
Tipos de reservatórios
Os reservatórios podem ser classi\ufb01cados como online, que operam com o fluxo de água
no mesmo nível do rio, e os o\ufffdine, que \ufb01cam fora desse nível, só captam o excesso de
água. Geralmente, os reservatórios offline são mais fundos do que o nível da via e
requerem bombas para que água volte até ao rio.
Os reservatórios podem ainda ser abertos ou fechados.
Quando fechados tendem a ser enterrados, dispõem de grandes volumes e
necessitam de bombeamento para seu esvaziamento.
Quando abertos podem ser mais rasos e se comunicar diretamente com a rede de
drenagem para descarregar, por gravidade, as águas que se acumulam.
O fechamento do reservatório pode ser uma questão urbanística, da característica do
terreno. O reservatório pode ser fundido à paisagem urbana, com oportunidade de
revitalização de espaços degradados e em paisagens multifuncionais, agregando
paisagismo, recreação e controle de cheias.
\ue412 Reservatório fechado da Praça Niterói na cidade do Rio de Janeiro, antes (imagem da esquerda) e depois
(imagem da direita) da conclusão (Fontes: Rio.GOV <http://www.rio.rj.gov.br/web/guest/exibeconteudo?id=5410719>
e Cimento Itambé <http://www.cimentoitambe.com.br/obras-olimpicas-piscinoes/> . Acesso em: 06 ago. 2018).
No estado do Rio de Janeiro, o órgão responsável por avaliar e validar os estudos e
mapeamentos das áreas que estão sob risco contínuo de inundações é o Instituto
Estadual do Ambiente (Inea) e este órgão tem, ainda, como atribuição desenvolver
projetos e obras de prevenção e mitigação de inundações para todo o território
fluminense.
\uf075
Comentário
Essas atribuições estão consolidadas na Lei nº 6442
<http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/contlei.nsf/f25edae7e64db53b032564fe005262ef/fe
199938563da3e683257b640063cb6b?OpenDocument&Highlight=0,6442> , de
02/05/2013, que dispõe sobre a incorporação nos planos diretores dos municípios
fluminenses dos documentos do estado do Rio de Janeiro sobre estudos e
mapeamentos de áreas de risco.
Essa integração com órgãos governamentais permite que seja feito o
monitoramento das cidades e que se integre uma política que visa evitar os
prejuízos associados à inundações, enchentes e alagamentos.
Atividades
1. O projeto de reservatórios para controle de enchentes