Inscrição na OAB
6 pág.

Inscrição na OAB


DisciplinaÉtica Profissional5.673 materiais74.070 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Inscrição na OAB
REQUISITOS
1. Capacidade civil	
2. Diploma ou certidão de graduação em curso de direito
3. Título de eleitor
4. Quitação com serviço militar
5. Aprovação no exame de ordem
6. Não exercer atividade incompatível com a advocacia (artigo 28)
7. Idoneidade moral: a condenação em crime infamante é presunção legal de crime de idoneidade.
Mesmo sem ter sido condenado em um crime, se 2/3 do conselho concordarem a inscrição não será concedida por conta da inidoneidade.
8. Prestar compromisso
LOCAL DA INSCRIÇÃO
Domicilio profissional. Na falta ou na dúvida de um domicilio profissional, aplica-se o domicilio pessoal.
O local da inscrição do estagiário é o local do curso.
CANCELAMENTO E LICENCIAMENTO DA INSCRIÇÃO
O cancelamento é um ato definitivo em relação ao número da sua inscrição. Uma vez cancelado a pessoa pode voltar a ser advogado, mas ela volta com um novo número de inscrição. Se obtém o cancelamento mediante requerimento simples.
Hipótese de cancelamento:
1. Quando o advogado passa a exercer atividade incompatível com a advocacia em caráter definitivo. Ex: juiz de direito.
2. Morte do advogado.
3. Exclusão
4. Perdeu requisito de inscrição
Requisitos para retorno após o cancelamento da inscrição:
1. Diante do cancelamento, ele tem que mostrar quatro requisitos: capacidade civil, não exercer atividade incompatível com a advocacia, idoneidade moral e prestar compromisso.
2. Se o cancelamento foi por conta de uma EXCLUSÃO: quando o advogado comete algum erro ele recebe uma punição, que fica escrita na sua ficha, assim ele deixa de ser primário. Para voltar a ser primário ele tem que fazer prova de reabilitação. Primeiro tem que obter a reabilitação para depois demonstrar os requisitos. Se obtém a reabilitação na OAB da seguinte forma: o sujeito tem que aguardar um ano do cumprimento da sanção e comparecer na OAB com provas, certidões, de bom comportamento. A OAB vai analisar e se tudo estiver certo ela dá novamente ao advogado a reabilitação e ele volta a ser primário e volta a fazer parte do quadro de advogados.
3. Se o cancelamento foi por conta de uma EXCLUSÃO EM DECORRÊNCIA DE UM CRIME: antes de comparecer à OAB para obter a reabilitação, deve-se primeiro obter a reabilitação criminal, judicial. Só se fala em reabilitação após a condenação.
No licenciamento, mantem o número de inscrição. Se obtém o licenciamento mediante um requerimento justificado.
Hipótese de licenciamento:
1. Exercer atividade incompatível com a advocacia em caráter temporário.
2. Doença mental curável. Se for doença mental incurável é cancelamento, pois o sujeito perdeu a capacidade civil, perdeu o requisito da inscrição.
ATIVIDADES PRIVATIVAS DE ADVOCACIA
1. Assessoria e consultoria na área jurídica
Advogados que atuam de uma forma extrajudicial, como por exemplo, elaboração de um parecer, arbitragem, mediação, atuação preventiva, tentar evitar conflitos. Pode ser também diretoria jurídica, gerência jurídica. Para você comandar advogados você precisa ser um advogado.
2. Visar atos e contratos constitutivos de pessoa jurídica
Micro empresas e empresas de pequeno porte dispensam o visto do advogado. Advogado que presta serviços para a junta comercial do estado ou para órgãos vinculados a elas não pode visar atos e contratos constitutivos de pessoa jurídica. Artigo 2, parágrafo único. O impedimento é em relação ao estado em que ele atua.
3. Postular em juízo
EXCEÇÃO: HC, justiça do trabalho e juizado especial. \u2013 Situações em que dispensa-se advogado. Exceto no TST, em que para recurso, é exigida a presença do advogado na justiça do trabalho, somente não é exigida a presença do advogado em primeira instância. \u2013 Sumula 425 TST. No juizado, dispensa-se o advogado em causas de até 20 salários mínimos ou ainda desde que não seja necessário ingressar com recurso.
EXERCICÍO EFETIVO DA ADVOCACIA
O exercício efetivo da advocacia se dá com a pratica de pelo menos cinco atividades privativas no decorrer do ano.
Honorários advocatícios
Moderação: Quando houver locupletação, enriquecimento ilícito, enriquecimento indevido às custas do cliente, o advogado será suspenso, pois agiu com extrema falta de moderação.
Tabela de honorários: quem tem competência para criar essa tabela é o conselho seccional da OAB. Cada conselho seccional corresponde a um estado, ou seja, cada estado tem a sua tabela de honorários. A tabela de honorários estabelece o piso dos honorários do advogado.
Código de ética e disciplina: traz elementos que devem ser observados na fixação dos honorários, pois vai falar qual é o teto para estipular os honorários. Deve observar o valor da causa, o local da prestação de serviços, a complexidade do caso, o tempo que vai demorar para resolver a situação, a situação econômica do cliente, a competência e renome do advogado.
Quando o advogado fixa seus honorários abaixo da tabela, chama-se aviltamento, ele pratica uma infração e a punição aplicada será a censura.
4. Espécies de honorários:
a) Honorários convencionados: honorários que convencionam diretamente com o cliente, contratam por meio de um contrato escrito com o cliente. Esse contrato é um título executivo extrajudicial. Será cobrado 1/3 de honorários ao início do trabalho, 1/3 na sentença, e 1/3 ao termino da atuação no processo. Tal situação não é obrigatória mas está na lei dessa forma. O código de ética coloca que o advogado deve ser contratado por escrito, mas isso é uma orientação e não uma imposição, assim não é obrigatório.
b) Honorários arbitrados: são honorários arbitrados pelo juiz. Temos honorários arbitrados em duas hipóteses: quando o advogado é contratado de forma verbal e não recebeu os honorários; e, no caso de beneficiários da assistência judiciária gratuita (aquele sujeito que não tem condição de contratar um advogado. Assim, o estado vai oferecer um advogado e quem paga é o Estado de acordo com o que o juiz irá arbitrar). O juiz vai levar em consideração para arbitrar os honorários do advogado: a tabela de honorários da OAB, os elementos de código de ética e disciplina (competência, renome, trabalho, tempo de atuação, valor da causa). O juiz irá arbitrar os honorários na sentença e a sentença é um título executivo judicial.
c) Honorários de sucumbência: são aqueles honorários fixados pelo juiz ao termino da ação ao advogado vencedor e que devem ser pagos pela parte vencida. Os honorários de sucumbência pertencem aos advogados salvo contrato, clausula ou dispositivo que estabeleça de forma diversa. Assim, se não estiver previsto que os honorários de sucumbência são da sociedade de advocacia, os honorários pertencem ao advogado. Se o advogado trabalhar em uma empresa de canetas, que não tem nada a ver com escritório de advocacia, a sucumbência só pode ser do advogado, pois somente pode receber honorários quem é advogado. Se é um advogado autônomo observa-se o que está previsto no contrato, se o contrato for omisso a sucumbência é do advogado. Os honorários de sucumbência não integram o salário ou a remuneração do advogado, assim eles não são considerados para fins trabalhistas e previdenciários.
d) Honorários ad exitum ou cláusula quota litis: é uma forma de contratação de honorários onde o advogado oferece uma porcentagem do proveito obtido pelo cliente ao termino da ação. Pode receber os honorários dessa forma desde que se contrate por contrato escrito, desde que receba em dinheiro. Trata-se de um contrato de risco. Nesse caso, o advogado não pode receber mais do que o seu cliente, o recebimento do advogado deve ser de no máximo 30% do proveito obtido pelo cliente. Essa tese de honorários é muito usada na justiça do trabalho quando o desempregado não tem dinheiro para pagar o advogado na hora da contratação.
e) Honorários em bens: pode receber honorários em bens desde que esteja previsto em contrato de honorários com o cliente e o cliente não tenha dinheiro para pagar.
5. Prazo de prescrição para cobrança de honorários: 5 anos a partir do termino da relação profissional. O que identifica o termino