A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
ATIVIDADE

Pré-visualização | Página 1 de 4

PERGUNTA 1
Leia o trecho a seguir, extraído do artigo Psicologia da literatura e psicologia na literatura, de Rosemary Conceição dos Santos et al. A seguir, responda ao que se pede. 
  
Considerando que o comportamento resulta dessa interação organismo-ambiente, Leite entende que a psicologia atual deve ter, portanto, recursos para explicar duas formas de comportamento que interessam diretamente à literatura, que são, o pensamento criador e a leitura de obra literária. Examinar a adequação da psicologia para explicar esses dois comportamentos é lançar luz sobre como se realiza, e concretiza, a tentativa de tanto o psicólogo quanto o ficcionista apresentar a descrição convincente de uma pessoa e de um personagem.
SANTOS, Rosemary Conceição dos; SANTOS, João Camilo dos; SILVA, José Aparecido da. Psicologia da literatura e psicologia na literatura. Temas psicol., Ribeirão Preto , v. 26, n. 2, p. 767-780, jun. 2018 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2018000200009&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 24 ago. 2019. http://dx.doi.org/10.9788/TP2018.2-09Pt>.
 
Levando em consideração os seus conhecimentos a respeito das diversas teorias de psicologia aplicáveis à crítica literária, assinale a alternativa que corresponde ao ramo da psicologia elaborado no texto.
	
	
	Psicanálise.
	
	
	Gestalt.
	
	
	Psicologia Social.
	
	
	Psicologia Clínica.
	
	
	Psicologia Analítica.
 
0,25 pontos   
PERGUNTA 2
Leia os textos a seguir. 
  
- Você tem Panadol, Mama? 
- Está com cólica, abia? 
- Estou. E meu estômago está vazio também. 
Mama olhou para o relógio de parede, presente de uma instituição de caridade para a qual Papa fizera uma doação. Era um relógio oval com o nome de Papa escrito com letras douradas. 
Eram 7:37. O jejum da Eucaristia exige que os fiéis não comam nada sólido uma hora antes da missa. Nunca quebrávamos o jejum da Eucaristia; a mesa do café já estava posta, com xícaras e tigelas de cereal colocadas lado a lado, mas só comeríamos quando voltássemos para casa. 
- Coma alguns flocos de milho, rápido - disse Mama, quase sussurrando. - Vai precisar colocar alguma coisa no estômago para segurar o Panadol. 
Jaja pegou a caixa de papelão que havia em cima da mesa, colocou um pouco de cereal numa tigela, juntou leite em pó e açúcar usando uma colher de chá e acrescentou água. 
(...) Comecei a engolir o cereal, de pé mesmo. Mama me deu as cápsulas de Panadol, ainda envoltas em papel laminado, que fez ruído ao ser rasgado. Jaja não colocara muito cereal na tigela, e eu já estava quase terminando de comer quando a porta se abriu e Papa entrou na sala. 
(...) Quando ele viu a tigela em minha mão, baixei os olhos, observei os poucos flocos moles flutuando em meio às bolhas de leite e me perguntei como Papa conseguira subir a escada tão silenciosamente. 
- O que você está fazendo, Kambili? 
Engoli em seco. 
- Eu... eu... 
- Está comendo dez minutos antes da missa? Dez minutos? 
- Ela ficou menstruada e está com cólica... - explicou Mama. 
Jaja a interrompeu. 
- Fui eu que mandei Kambili comer antes de tomar Panadol, Papa. Eu preparei o cereal para ela. 
- Será que o demônio pediu para você fazer o trabalho dele? - disse Papa, com as palavras em igbo saindo de sua boca numa torrente. - Será que o demônio armou uma tenda dentro da minha casa? Ele se virou para Mama. - Você ficou aí, vendo Kambili profanar o jejum da Eucaristia, maka nnídi? 
Papa tirou o cinto devagar. Era um cinto pesado feito de camadas de couro marrom com uma fivela discreta coberta do mesmo material. Ele bateu em Jaja primeiro, no ombro. Mama ergueu as mãos e recebeu um golpe na parte superior do braço, que estava coberta pela manga bufante de lantejoulas da blusa que ela usava para ir à igreja. 
Larguei a tigela sobre a mesa um segundo antes de o cinto me atingir nas costas.
ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Hibisco Roxo. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. Disponível em: <http://lehaf.paginas.ufsc.br/files/2016/03/Hibisco-Roxo-Chimamanda-Ngozi-Adichie.pdf>. Acesso em 26 ago. 2018.
 
Ambientado entre os anos 70 e 80, o romance retrata uma Nigéria recém emancipada e profundamente marcada pela instabilidade política e pelos conflitos internos advindos da necessidade pós independência de estabelecer um governo destacado da metrópole. No centro de tamanha instabilidade social e política, está a família de Kambili Achike, a jovem narradora do romance. Na narrativa, o lar de Kambili funciona como microcosmos da sociedade em que está inserido, aonde a presença tirânica de Eugene (pai de Kambili), bem como a forma com que este nega os valores da cultura africana e supervaloriza elementos historicamente herdados da metrópole inglesa, contribuem na construção de um ambiente cerceador e hostil que serve como parâmetro de análise, também, a partir da relação entre Eugene e o resto de sua família (a mãe, Beatrice, e o irmão, Jaja), da forma com que o colonizador europeu erradicou valores culturais da Nigéria, substituindo-os por valores que considerava mais corretos: os seus próprios.
LOPES, Melissa Mota. Relações de gênero em Hibisco Roxo: O homem branco como paradigma. 2017. 49 f. Monografia (Especialização) - Curso de Letras, Teoria Literária e Literaturas, Universidade de Brasília, Brasília, 2017. Disponível em: <http://bdm.unb.br/bitstream/10483/19931/1/2017_MelissaMotaLopes_tcc.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2019.
 
A respeito do que se afirma no trecho em destaque da monografia, bem como as relações entre a obra de Chimamanda Ngozi Adiche e a crítica, do ponto de vista das influências do âmbito social na subjetividade das personagens, assinale a alternativa correta.
 
	
	
	No trecho destacado de Hibisco roxo são poucas as marcas de embranquecimento cultural - segundo terminologia utilizada por Mota Lopes - da família da família, a despeito do que o trecho da monografia sugere..
	
	
	A questão linguística, de que Nascimento Batista em citação na monografia de Mota Lopes se refere, está melhor representada no excerto de Hibisco roxo no momento em que Kambili opta por pedir um medicamento, fabricado na Europa e não uma planta medicinal típica.
	
	
	Questões relacionadas à raça são praticamente nulas neste trecho de Hibisco Roxo.
	
	
	A religião católica circunda todo o trecho destacado de Hibisco roxo, uma vez que a motivação do conflito narrado é a quebra de um jejum que antecede o ato religioso. Toda a argumentação de Eugene, depois, no momento da aplicação da violência doméstica, é fomentada e baseada em preceitos religiosos.
	
	
	Ao contrário do que o texto crítico de Mota Lopes propõe, não é possível encontrar marcas da colonização no texto de Chimamanda Ngozi Adiche, uma vez que o processo de colonização e o texto estão situados em momentos históricos completamente diferentes.
0,25 pontos   
PERGUNTA 3
O trecho a seguir foi retirado do ensaio de Juliana Fausto, Terranos e poetas: o “povo de Gaia” como “povo que falta” e é de autoria de Ted Hughes. Nele, o autor descreve como foi o processo criativo de seu conhecido poema The Thought-Fox. Leia-o e, depois, responda ao que se pede. 
  
  
Comecei a sonhar. Sonhei que não tinha deixado minha mesa e ainda estava sentado ali, debruçado sobre a folha de papel pautado iluminado pela luminária, encarando as mesmas poucas linhas no alto. De repente minha atenção foi atraída para a porta. Achei que tinha ouvido algo ali. Enquanto esperava, escutando, vi que a porta se abria lentamente. Então uma cabeça apareceu no canto da porta. Era mais ou menos da mesma altura de uma cabeça humana, mas claramente a cabeça de uma raposa, apesar de a luz ali estar fraca. 
A porta abriu-se toda e pela pequena escada e através do quarto em direção a mim veio uma figura que era ao mesmo tempo um homem magricelo e uma raposa andando ereta nas patas traseiras. Era uma raposa, mas do tamanho de um lobo. À medida que se aproximava e vinha para a luz, eu vi que seu corpo e seus membros haviam acabado