A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
ESTUDO DE CASO AVC ,

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA
PRÓ-REITORIA ACADÊMICA
CURSO DE ENFERMAGEM
Cinthya de B. Pereira 600787028
Isabel de V. Castro 600791459
Mayara do Nascimento Flores 600780519
Ruan Coutinho de M. Silva 600789499
Yolanda Duarte G. da Cunha 600734438
ESTUDO DE CASO 
Acidente vascular do cerebral - AVC
 
São Gonçalo
2019
Cinthya de B. Pereira 600787028
Isabel de V. Castro 600791459
Mayara do Nascimento Flores 600780519
Ruan Coutinho de M. Silva 600789499
Yolanda Duarte G. da Cunha 600734438
ESTUDO DE CASO 
Acidente vascular do cerebral - AVC
 Estudo de caso como parte dos requisitos para nota de VT, 
 relacionada a matéria de Vivências em Enfermagem 1. 
 Orientadora: Professora Valquíria Queiroz.
São Gonçalo
2019
SUMÁRIO
1-CASO CLÍNICO1
2-HISTÓRIA PATOLÓGICA PREGRESSA1
3-HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL1
4-FISIOPATOLOGIA DA DOENÇA 1
5-PROCESSO DE ENFERMAGEM.............................................................................2
6-REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.............................................................................3
CASO CLÍNICO
Paciente, 75 anos, sexo masculino, casado, brasileiro, aposentado, escolaridade ensino fundamental incompleto. Diagnosticado por sequelas de AVC + HAS + Ulceras por pressão paciente é acamado apresentando UPP estágio III (ulcera por pressão) em região sacra, emagrecido, com hemiparesia à esquerda, desorientado, confuso, não verbalizando, sedado, afebril, eupneico, sedentário. Sinais Vitais as 16h30min: TAX 37ºC,PA: 152/88 mmHg (MIE), FC: 100 bat/min, FR: 26 mr/min, Pulso: 95 bat/min, HGT: 123 mg/dl. Parou com o fumo há 40 anos e parou com o consumo de bebidas alcoólicas por conta de medicamentos. Foi internado há 1 mês no setor C, leito 5, através da emergência, com diagnóstico dor de cabeça intensa, sem causa aparente. Evoluindo para um quadro de AVC (Acidente Vascular Cerebral).  Encontrasse internado no CTI, com acesso em SCD, fazendo soroterapia sob prescrição médica em observação aos cuidados da equipe médica. Eliminações fisiológicas presentes, fazendo uso de fralda. O paciente encontra-se desapetitoso, faz uso de terapia nutricional enteral via SNE ( sonda nasoenteral), administrada durante 6 vezes ao dia (250ml/sonda), pois não consegue deglutir os alimentos, com acesso profundo CVD (cateter vesical de demora) provindo medicamentos.
HISTÓRIA PATOLÓGICA PREGRESSA (HPP)
Paciente alega ter realizado apenas apendicectomia anteriormente
Nega ser alérgico a alguma medicação
HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL (HDA)
Hipertenso 
Faz uso controlado de atenolol e hidroclorotiazida
Apresentação dificuldade para se locomover - hemiparesia
FISIOPATOLOGIA DA DOENÇA ATUAL 
De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que a doença cerebrovascular permaneça entre as quatro principais causas de mortalidade até o ano de 2030. A doença pode provocar sequelas permanentes, o que gera necessidade de adaptação familiar, demanda constante do sistema de saúde e custos. O acidente vascular cerebral (AVC) compartilha com as doenças cardiovasculares os fatores de risco, como tabagismo, dislipidemia, hipertensão arterial, diabetes, obesidade e sedentarismo.
O acidente vascular cerebral (AVC) é definido como uma síndrome que consiste no desenvolvimento rápido de distúrbios clínicos focais da função cerebral, global no caso do coma, que duram mais de 24 horas ou conduzem à morte sem outra causa aparente que não a de origem vascular 1. A magnitude em termos da prevalência e incidência sinaliza sua importância epidemiológica no Brasil 2. O AVC é classificado em dois grandes grupos: AVC isquêmico (AVCi) e o AVC hemorrágico. O mais frequente, com cerca de 85% dos casos, é o AVCi, que se caracteriza pela interrupção do fluxo sanguíneo (obstrução arterial por trombos ou êmbolos) em uma determinada área do encéfalo 3,4,5. No Brasil, o AVCi representa, na população nacional, segundo diferentes estatísticas, entre 53% a 85% dos casos de AVC. Todos os pacientes internados com diagnóstico de AVC recente devem ser avaliados por uma equipe de profissionais de reabilitação com prazo de até 24 horas do momento da internação, com atenção na deglutição (em jejum) e nos aspectos motores e respiratórios, respectivamente pelo acionamento automático das equipe de fonoaudiologia e fisioterapia. A avaliação protocolar inicial da equipe de reabilitação inclui a aplicação das escalas funcionais Rankin modificada (mRS) para todos os pacientes com diagnóstico de AVC e Barthel para os pacientes diagnosticados e em acompanhamento com a equipe de fisioterapia da instituição. As escalas de avaliação funcional devem ser aplicadas no período inicial e final da internação hospitalar e, a partir delas, deve ser elaborado um plano de reabilitação individualizado para cada paciente, que poderá incluir a avaliação de outros profissionais de reabilitação. Os resultados da aplicação do plano de reabilitação devem ser periodicamente avaliados por cada profissional da reabilitação para os devidos ajustes no mesmo
PROCESSO DE ENFERMAGEM 
	Histórico
	Diagnóstico de Enfermagem
	Prescrições de Enfermagem
	Aprazamento
	HAS- Hipertensão Arterial Sistêmico
	Condição clinica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).
	1-Explicar a paciente e seus familiares a importância do controle periódico da pressão sanguínea arterial, bem como do uso correto dos medicamentos anti-hipertensivos, na prevenção de um novo acidente vascular cerebral;
2- Realizar o controle adequado da ingesta de sódio, observando a dieta prescrita para a paciente, procurando evitar variações nos níveis pressóricos;
3- Respeitar os horários das medicações e estar atento a possíveis efeitos adversos.
	1- Uma vez e atenção 
2-Diariamente 
3-Diariamente
	UPP- Ulcera Por Pressão
	Integridade cutânea prejudicada relacionada a imobilidade caracterizada por lesão por pressão.
	1-Realizar limpeza e curativos com SF 0,9% e acido graxo essencial na região;
2-Modificar o paciente de decúbito.
	1-Diariamente 
2- 2/2hrs
	Hemiparesia
	Limitação no movimento físico independente e voluntário do corpo ou de uma ou mais extremidades.
	1. Uso de muletas ou cadeira de rodas para melhor movimentação da paciente; 
2. Deambulação com apoio maior sobre o membro não prejudicado; 3. Apoiar a paciente durante a face inicial da deambulação;
 4. Esclarecer a pacientes e familiares sobre a importância da deambulação para alívio da dor, ativação da circulação, aceleração da cicatrização e manutenção do tônus muscular.
	-Sempre que paciente for deambular.
	Histórico
	Diagnóstico de Enfermagem
	Prescrições de Enfermagem
	Aprazamento
	Uso de SCD- Sonda Subclávia Direita.
	Risco de trauma vascular, relacionado a tempo em que o cateter esta no local.
	1-Limpar a superfície externa da sonda com gaze se houver extravasamento
2-Limpe a parte externa da sonda com gaze, água e álcool a 70% ou sabonete suave. Seque bem.
	Sempre que necessário 
Diariamente 
	AVC- Acidente Vascular Cerebral 
	Capacidade adaptativa intracraniana diminuída relacionada a lesões cerebrais evidenciadas pelo rebaixamento de nível de consciência e sinais de hipertensão intracraniana.
	Atentar valores para a hipertensão arterial, alteração pupilar, realizar escala de Glasgow.
	2/2hrs
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
HERDAMAN,T; KAMITSURU.S. Diagnóstico de Enfermagem da Nanda: Definições e Classificação.10°edição. Porto Alegre: Artmed, 2015. 
JOHNSON,M.et al .Ligações Nanda Noc-NIC: Condições Clínicas Suporte ao Raciocínio e Assistência de Qualidade. 3° edição. Mosby Elsevier,2012.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual de rotinas para atenção ao AVC. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_rotinas_para_atencao_avc.pdf