Fisiologia Endócrina
13 pág.

Fisiologia Endócrina


DisciplinaFisiologia Humana II541 materiais2.923 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Introdução à Endocrinologia 
 \u27be Função do Sistema Endócrino 
 \u25e6 Garantir o fluxo de informações entre 
diferentes células, possibilitando a 
interação funcional de todo o organismo. 
\u25e6 Funções metabólicas, como as 
velocidades das reações químicas. 
\u25e6 Transporte de substâncias através das 
membranas celulares. 
\u25e6 Crescimento e secreção. 
 Ex.: garantir a reprodução, promover o 
crescimento e desenvolvimento e garantir 
a homeostasia do meio interno. 
\u25e6 Múltiplas atividades das células, tecido e 
órgãos são coordenadas pelo inter-
relacionamento dos seguintes tipos de 
sistemas de mensageiros químicos: 
neurotransmissores, h. endócrinos, h. 
neuroendócrinos, parácrinos, autócrinos e 
citocinas. 
 \u27be Glândulas endócrinas 
 \u25e6 Secretam diversos tipos de sistemas de 
mensageiros químicos como, NT\u2019s, 
hormônios endócrinos (célula alvo distante 
da célula que sintetiza e secreta - caem na 
corrente sanguínea), hormônios 
neuroendócrinos (secretados por células 
nervosas - caem na corrente sanguínea), 
parácrinos (secretam hormônios para ação 
em células próximas - não caem na 
corrente sanguínea e sim no LEC), 
autócrinos (secretam hormônios para ação 
nela mesma - liberado no LEC) e citocinas 
(peptídeos liberados no LEC que age em 
outras células. Ex.: Leptina - liberada pelo 
tecido adiposo). 
 \u27be Hormônios 
 \u25e6 Definição: substância química, não 
nutriente, capaz de conduzir determinada 
informação entre uma ou mais células; 
 células secretora \u279f célula-alvo 
 \u27be Classes 
\u25e6 Proteínas e polipeptídeos \u279e (hipófise 
anterior e posterior, insulina, glucagon e 
paratormônio); Podem ser secretados ou 
armazenados para serem utilizados 
posteriormente. São hidrossolúveis; 
\u25e6Esteroides \u279e (cortisol, aldosterona, 
estrogênio, progesterona, testosterona); 
\u21e1 Quantidade de R.E.L. São lipofílicos. 
Não possuem vesículas de 
armazenamento. 
\u25e6Derivados do Aminoácido Tirosina \u279e 
( T3, T4, epinefrina, noraepinefrina, 
dopamina - catecolaminas) 
 \u27be Síntese de Hormônios Polipeptídeos e 
Proteicos 
1. Molécula pré-pró-hormônio (cadeia 
peptídica grande e inativa no 
ribossomo) é traduzida pelo RNAm e 
transportada ao RE por uma sequência 
sinal. 
2. No RE, enzimas clivam essa molécula 
(retiram sequência-sinal) formando o 
pró-hormônio. São empacotadas em 
vesículas e levadas ao complexo de 
Golgi. Pró-hormônio é armazenado em 
vesículas, clivado, formando o 
hormônio ativo e um fragmento 
peptídeo que será eliminado. 
3. Após sinalização, o conteúdo é liberado 
na corrente sanguínea (plasma) até a 
célula-alvo. 
 
 
 \u27be Secreção Hormonal 
\u25e6 Epinefrina e noraepinefrina \u279d duração 
de ação na corrente sanguínea: segundos 
a minutos; 
\u25e6 Tiroxina e GH \u279d duração de ação na 
corrente sanguínea: meses; 
 \u27be Controle de secreção 
\u25e6 Acontece por Feedback negativo: 
assegura o nível apropriado de atividade 
hormonal no tecido-alvo. 
Ex.: Estímulo (sinal) \u2192 liberação do 
hormônio \u2192 condições ou produtos da 
ação hormonal suprimem liberação 
a d i c i o n a l \u2326H i p e r s e c r e ç ã o o u 
hiperatividade no tecido-alvo. 
 
Gabriel Bagarolo Petronilho !1 TXVIII- MEDICINA FAG
\u25e6 Regulação por feedback pode acontecer 
em todos os níveis : transcrição gênica, 
tradução, processamento e liberação. 
\u27be Surtos de Secreção 
\u25e6 Feedback positivo \u2192 ação biológica do 
hormônio causa sua secreção adicional; \u2028
 Ex.: Hormônio Luteinizante (LH) \u2192 
ovulação; 
Estrogênio na hipófise anterior \u2192 
Secreção de LH \u2192 Ovários \u2192 Estrogênio 
\u2192 Estrogênio na hipófise anterior \u2026 
Para parar esse ciclo vicioso o 
organismo reconhece que aconteceu 
uma concentração adequada de LH e 
começa um Feedback negativo. 
\u27beVariações cíclicas da secreção de 
hormônios 
\u25e6 Alterações sazonais, etapas do 
desenvolvimento e envelhecimento, ciclo 
circadiano (diário), sono (\u2191 GH- período 
inicial e \u2193 GH - estágios posteriores) e 
alteração das atividades das vias neurais 
envolvidas no controle de liberação 
hormonal. 
 \u27be Transporte Hormonal no Sangue: 
\u25e6 Hormônios hidrossolúveis (peptídicos 
e catecolaminas): são dissolvidos no 
plasma e transportados de seus locais de 
síntese para tecidos-alvo. Se difundem 
nos capilares \u2192 Líquido intersticial \u2192 
células-alvo. 
\u25e6 Hormônio esteroides e da tireoide: 
circulam no sangue, ligado a proteínas 
plasmáticas. Biologicamente inativos até 
que se dissociem das proteínas 
plasmáticas. Remoção lenta do plasma. 
\u27be Depuração de Hormônios 
no Sangue 
\u25e6 Fatores que aumentam ou diminuem a 
concentração de um hormônio: 
intensidade de secreção e intensidade de 
remoção. 
 
 
\u25e6 Maneiras de Depuração: destruição 
metabólica pelos tecidos, ligação com os 
tecidos, excreção na bile pelo fígado e 
excreção na urina pelo rim. 
\u25e6 Endocitose do Complexo Hormônio-
Receptor: o hormônio é metabolizado 
pelo organismo e os receptores 
reciclados. 
\u25e6 Angiotensina II \u279d 1 minuto 
\u25e6 Esteroides Adrenais \u279d 20 a 100 minutos 
\u25e6 Hormônios da Tireoide \u279d 1 a 6 dias 
 \u27be Mecanismo de Ação Hormonal 
\u25e6 O hormônio se liga a um receptor de 
membrana ou do interior da célula. 
\u25e6 A proteína G pode abrir canais iônicos ou 
utilizar o mecanismo de segundo 
mensageiro para fosforilar e produzir 
uma nova proteína ou o hormônio pode 
se ligar ao receptor e ativar uma PKA 
que vai fosforilar e formar uma proteína 
também. 
 \u27beReceptores hormonais 
\u25e6 Receptores citoplasmáticos \u279d 
geralmente receptores primários para 
diferentes hormônios esteroides. 
\u25e6 Receptores nucleares \u279d geralmente 
para hormônios da tireóide; associação 
com um ou mais cromossomos. 
\u25e6 Receptores de Membrana/Superfície \u279d 
geralmente específicos para hormônios 
proteicos, peptídicos e catecolamínicos, 
pois são hidrossolúveis e não atravessam 
a membrana. 
\u25e6 O número de receptores numa célula-alvo 
usualmente não permanece constante dia 
após dia. Isso se deve ao fato de que, 
constantemente, proteínas dos 
receptores são inativadas ou destruídas 
durante o decurso de sua função, ou, até 
mesmo, reativadas ou produzidas. 
Gabriel Bagarolo Petronilho !2 TXVIII- MEDICINA FAG
Depuração Metabólica = 
Veloc. de desaparecimento do 
hormônio no plasma 
Concentração de Hormônio
\u25e6 A combinação do hormônio com o 
receptor costuma iniciar uma cascata de 
reações na célula. 
\u25e6 Cada estágio da cascata torna-se mais 
poderosamente ativado do que o anterior. 
\u25e6 \u21e1 [Hormônios] \u279e \u21e1 Ligação a Receptores 
\u279e \u21e3 Receptores 
\u27be Down-regulation 
\u25e6 A fixação de um hormônio com os 
receptores de sua célula-alvo 
frequentemente, ou sempre, faz com que 
o número de receptores ativos diminua, 
quer devido à inativação de algumas 
moléculas do receptor, quer devido à 
produção diminuída das moléculas. 
\u25e6 Isso diminui a capacidade de resposta do 
tecido-alvo ao hormônio à medida que o 
número de receptores ativos decresce. 
\u25e6 Sequestro temporário do receptor para o 
interior da célula. 
\u25e6Destruição dos receptores por 
lisossomos. 
\u25e6 \u21e3 Produção de receptores. 
\u25e6 Inativação de algumas moléculas do 
receptor. 
\u25e6 Inativação de partes de moléculas de 
sinalização das proteínas intracelulares. 
\u27be Up-Regulation 
\u25e6Hormônio estimulantes induz a formação 
de mais moléculas receptoras que o 
normal pelo mecanismo de manufatura 
de proteína da célula-alvo. 
\u25e6 O tecido-alvo torna-se progressivamente 
mais sensível aos efeitos estimulantes do 
hormônio. 
\u27be Sinalização Intracelular Após 
Ativação do Receptor Hormonal 
 
\u25e6 Receptores Ligados a Canais Iônicos/
Alteração da Permeabilidade da 
Membrana: ligação com