Psicologia Socio Interacionista - RESUMO NP2
4 pág.

Psicologia Socio Interacionista - RESUMO NP2


Disciplina<strong>psicologia Sociointeracionalista</strong>15 materiais19 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Psicologia socio-interacionista
Henry Wallon 
HENRY WALLON E TEORIA
Médico \u2013 Filósofo \u2013 Psicólogo
\u27aa Wallon dedicou-se principalmente ao estudo da criança por acreditar que esse era o melhor caminho para se compreender a origem dos processos psicológicos humanos. 
\u2022 A escola deve oferecer formação integral aos estudantes (afetiva, intelectual e social).
\u279cTeoria que facilita compreender o indivíduo em sua totalidade - integral
\u2022 Dedicou-se em 1º a psicopatologia: 
\u27a5 Considera que o comportamento patológico é natural para os estudos da psicologia, pois pode-se observar fenômenos que se transformam lentamente e precisamente. 
\u27a5 Fez comparações de semelhanças e diferenças entre o desenvolvimento de crianças normais, crianças com patologias e adultos.
\u2022 Dedicou-se em 2º ao desenvolvimento da criança: 
Fundamental: estudo da consciência
\u27a5A forma de buscar é a gênese, sua origem \u2013 biológico.
\u2022 Cada configuração cria novas possibilidades, recursos motores, afetivos, cognitivos que preparam a mudança para o estágio seguinte. 
\u27a9Na teoria existem duas ordens de fatores: orgânicas e sociais \u27a9 Há desenvolvimento na interdependência desses dois fatores 
 A sequência dos estágios são:
Impulsivo emocional \u2013 0 a 1 ano
Sensório-Motor e Projetivo \u2013 1 a 3 anos
Personalismo \u2013 3 a 6 anos 
Categorial \u2013 6 a 11 anos
Puberdade e Adolescência \u2013 11 em diante 
 Os 4 pilares que fundamental a teoria são:
Afetividade
Motricidade
Cognição
Pessoa (construção do eu)
AS LEIS 
Existe três leis que regulam o processo de desenvolvimento da criança em direção ao adulto:
1) Lei da Alternância Funcional:
indica duas direções opostas que se alternam ao longo do desenvolvimento:
Centrípeta: quando a direção é pra dentro
\u27a5 Impulsivo emocional (0-1), Personalismo (3-6), Puberdade e adolescência (11-)
Centrifuga: quando a direção é para o mundo exterior 
\u27a5 Sensório-Motor e Projetivo (3-6), Categorial (6-11)
2) Lei da Predominância Funcional:
Três dimensões predominam, alternadamente, ao longo do desenvolvimento
Motora: os primeiros meses de vida 
Afetiva e Cognitiva:
\u27aa se alternam ao longo do desenvolvimento, ora visando a formação do eu (predominância afetiva), ora visando o conhecimento do mundo exterior (predominância cognitiva).
3) Lei da Integração Funcional
Diz respeito às novas possibilidades que não se sobrepõem às conquistas dos estágios anteriores, mas, integram-se a elas no estágio subsequente.
\u2022 A integração dos três subconjuntos funcionais; motor, afetivo e cognitivo, constitui o último e quarto subconjunto funcional, denominado por Wallon como &quot;pessoa&quot;. \u2022 
MÉTODO DE ANÁLISE 
Psicologia Genética: mais adequada para estudar a transformação da criança em adulto 
 \u27a5 Ela busca o sentido dos fenômenos em sua origem e transformação sempre como uma unidade 
\u2022 Partindo disso e do materialismo dialético Wallon elabora seu método próprio:
A ANÁLISE GENÉTICA COMPARATIVA MULTIDIMENSIONAL.
O método consiste em: fazer comparações para entender mais o processo de desenvolvimento: 
Criança Patológica c/ Criança Normal 
Criança Normal c/ Adulto Normal 
Adultos de hoje c/ Adultos primitivos 
Crianças c/ Idades diferentes. 
Multidimensional pois \u27a9 Wallon analisa o fenômeno em várias determinações: orgânicas, neurofisiológicas, sociais e as relações entre esses fatores. 
\u27a5 A pessoa está continuamente em processo
\u27a5 Afetivo, motor e cognitivo se relacionam entre si e tem como resultado a pessoa individual 
\u27a5 E entre eles os fatores determinantes orgânicos e sociais 
\u27a5 Existência individual e social estão em vir-a-ser
\u27a5 O desenvolvimento está sempre em movimento e não elimina: regressões, crises ou conflitos. 
\u27a5 Há crises na passagem de um estágio para o outro 
IMPULSIVO EMOCIONAL (0-1)
1º Momento:
\u27aa O ser é quase um organismo puro e as atividades se baseiam em reflexo e movimentos impulsivos 
\u2022 A criança inicia sua vida imersa no mundo social e está voltada para a construção do eu. 
\u27aa Simbiose fisiológica: quando a criança depende totalmente do adulto para sobreviver 
\u27aa Simbiose afetiva: quando a criança comunica seu desconforto e necessidades através de impulsos e reações motoras, provocando uma reação em seu meio e estabelecendo assim uma relação intima e profunda entre o bebe e seu envolvente. 
Movimento:
\u27b2 Movimentos de equilíbrio: relação de compreensão e reajustamento do corpo sob a ação da gravidade
\u27b2 Movimentos de pressão e locomoção: deslocamento do corpo e dos objetos no espaço
\u27b2 Reações posturais: deslocamento dos segmentos corporais 
O movimento é resultado da atividade muscular de aspectos distintos, mas complementares:
Aspecto clômico: está ligado a muscilos de alongamento e acolhimento 
Aspecto Tônico: está ligado a atitudes e posturas, atividades que darão ao músculo um grau de consciência e forma determinada
2º Momento: emocional
A impulsividade se traduz em sinais entre adultos e criança 
\u27a5 essa troca cria um campo emocional no qual gestos, atitudes, vocalizações e mimicas adquirem mudanças de dor, tristeza, alegria e cólera.
\u27a5 As experiências de trocas permitirão que o bebe va estabelecendo associações e apreendendo as interpretações e significados dados pelo meio
Emoção e Tônus
Tônus: é a fonte da emoção; toda alteração emocional corresponde a uma alteração tônica. e toda emoção é regulada pelo Tônus.
SENSÓRIO-MOTOR E PROJETIVO (1-3)
\u27a5 Exploração concreta do espaço físico: agarrar, manipular, apontar, sentar, andar, etc. 
\u2022 Fala que acompanha os gestos 
\u2022 Discriminação entre objetos, separando-os em si. 
\u2022 Toda atividade motora e projetiva prepara o afetivo e cognitivo que vai instrumentalizar a criança para o próximo estágio.
PERSONALISMO (3-6)
\u27af Fatores orgânicos e sociais
\u2022 Estágio voltado para a própria pessoa, enriquecimento do Eu e construção da personalidade
\u27af Exploração de si mesmo: ser diferente de outros seres
Construção da própria subjetividade por meio de:
Oposição (expulsão do outro):
\u27b2 Necessidade de ser compreendida como busca de afirmação de si
\u27b2Fazer contradição (confrontar por simples razão de experimentar sua independência
\u27b2 Distinção do eu e do outro
\u27b2 Sentimento de posse, desejo de propriedade e sentimento de competição
\u27b2 Criança manhosa, faz birra pois não quer fazer o que o pai pede 
\u27b2 Distinção de fantasia e realidade
Sedução ou idade da graça: 
\u27b2 Necessidade de admiração, de ser prestigiada, mostrar qualidade e ser admirada
\u27b2 Exclusiva de atenção
\u27b2 Maturação motora
\u27b2 Torna-se centro das atenções
\u27b2 Necessidade de aprovação
\u27b2 Tem ciúmes
Imitação: 
\u27b2 Desenvolvimento de crises e angustias
\u27b2 As condutas da imitação favorecem suas primeiras aprendizagens 
Inicia-se o processo de discriminação entre o eu e o outro (separando-o/distinguindo-o do outro)
Utiliza expressões como eu, meu, não, etc.
CATEGORIAL (6-11)
Noção da existência de objetos independente de sua pessoa;
Aumento da atenção da criança;
Formação dos papéis sociais e da personalidade;
Diferenciação entre o eu e o mundo exterior;
Compreensão da realidade 
Capacidade de resolver diferenciações, identificar, comparar e classificar objetos.
\u27b2 A criança pode planejar mentalmente o movimento, prever etapas e consequências do deslocamento, que garante uma exploração do ambiente e nas atividades de conquista do mundo objetivo.
Pensamento pré-categorial: 
\u2022 Pensamento marcado pelo sincretismo: as imagens que a criança tem do mundo ainda são misturadas, não conseguindo distinguir as partes do todo.
\u27b2 Pensamento por pares: incapacidade de destacar um elemento do conjunto, de compará-lo com outro e de inseri-lo em outro conjunto ou em outra ordem;
A criança não consegue se ater a uma unidade por vez
Incapacidade de operar com sistema de relações;
A criança não consegue explicar um objeto sem relacioná-lo a outro;
Ex: dizer que a chuva é o vento e depois, ao ser questionados se ambos são iguais, afirmar que não e que só é chuva quando tem trovão.
\u27b2 Classifica