VAPS 2
6 pág.

VAPS 2

Pré-visualização2 páginas
VAPS 2 \u2013 04/09/2019 ATÉ 17/09/2019
Zoologia de Vertebrados - enviada
Descreva as principais características morfológicas que relacionam o Archaeopteryx com as aves modernas.
 
Atenção: Produza um texto coeso e limitando-se a escrever apenas o que pede o enunciado.
O primeiro fóssil de Archaeopteryx foi descoberto na formação calcária de Solnhofen, na Bavaria, Alemanhã, em 1861. Após vários exames feitos desses fósseis, mostraram que essa criatura era mais uma espécie extinta de ave, com várias características que a tornavam distinta das aves modernas.
O Archaeopteryx possuía esqueleto, estrutura de penas e músculos de vôo idênticos aos das aves atuais, e era capaz de voar perfeitamente. Além disso, o exame científico comprovou que com a sua fúrcula e a estrutura de penas assimétricas, era uma ave plenamente desenvolvida. 
WWW.criacionismo.com.br/2008/10/archaeopteryx-ave-extinta
Fisiologia Vegetal - enviada
O aumento nos índices da transpiração das plantas leva a um aumento no consumo de água. Em alguns ambientes, as plantas apresentam adaptações em suas folhas e caules para diminuir a perda de água. Descreva dois tipos de adaptação.
Para reduzir a perda de umidade, as plantas fecham seus estômatos, que são anexos epidérmicos que controlam as trocas gasosas entre a planta e o ambiente, em especial a captação de CO2 usado na fotossíntese e a liberação de O2 dela resultante, além da perda de vapor de água.
A abertura e o fechamento dos estômatos estão relacionados com o grau de turgescência das células-guarda. Quando elas recebem água por osmose, expandem-se, como a parede celular da face oposta ao ostíolo é menos espessa e mais flexível, elas se curvam para esse lado, e o ostíolo se abre. Quando perdem água e se tornam flácidas, as paredes internas das células aproximam-se, e o ostíolo se fecha. Essa variação do estado de turgescência das células-guarda depende do teor de íons de potássio, que elas captam ativamente das células epidérmicas vizinhas, aumentando sua pressão osmótica. 
Outra adaptação muito importante, típica das plantas do cerrado, é a espessura do caule em virtude de uma grande camada de súber, camada mais externa da periderme. O súber também conhecido como cortiça, existe apenas no caule e nas raízes de angiospermas eudicotiledôneas e de gimnospermas, substituindo a epiderme durante o crescimento da planta. É pluriestratificado e formado por células mortas, com uma camada de cera que permite certa impermeabilização, protegendo a planta contra a desidratação. Suas células, cheias de ar, permitem que atue como isolante térmico, protegendo a planta de variações de temperatura. 
- Favaretto. José Arnaldo - Biologia Unidade e Diversidade 360o \u2013 FTD.
Genética e Evolução - ENVIADA
A série adolescente \u201cO mundo sombrio de Sabrina\u201d exibida pela Netflix, traz a temática da adolescente que descobre que é uma Bruxa, mas também é mortal. A jovem Sabrina Spellman filha de um bruxo poderoso e de uma mãe mortal, fica dividida entre a vida normal de adolescente e o legado de sua família feiticeira, passando por momentos em que sofre discriminação por ser \u201cmestiça\u201d.
Considerando que alguns colegas bruxos de Sabrina a rejeitam devido à sua ancestralidade \u201cmortal\u201d acusando-a de não ser uma bruxa de verdade e tendo em vista os padrões de transmissão dos caracteres adquiridos, você deverá:
 - Identificar a geração P e os gametas
 - Montar o esquema de cruzamento indicando a geração F1
 - Identificar qual o padrão de herança para que Sabrina seja uma bruxa
 - Se Sabrina tivesse irmãos ou irmãs, qual seria a probabilidade genotípica para serem bruxos (as) ou mortais?
 
Observação: Se faltar algum item solicitado no enunciado, a atividade será considerada incompleta e \u201cfora da proposta\u201d.
Em um cruzamento que tem a geração parental ( P ) um pai bruxo e uma mãe mortal, temos os seguintes gametas: 
Pai: AA
Mãe: aa
O esquema de cruzamento fica da seguinte maneira: AA x aa, resultando na geração F1 Aa, ou seja Sabrina tem 50% de chance para que seja uma bruxa, em relação aos irmãos seria 50% também, pois o genótipo do pai é dominante e o da mãe é recessivo.
- Favaretto. José Arnaldo - Biologia Unidade e Diversidade 360o Vol. 3 - parte II \u2013 FTD.
Metodologia e Prática do Ensino de Ciências II - ENVIADA
Dentro da abordagem de conteúdos de Biologia a unidade temática \u201cSeres vivos\u201d explora a diversidade, a classificação taxonômica e as características principais dos Reinos e Filos, bem como as interações entre os seres vivos e o ambiente. Sabemos que, para os alunos, a realização de estudos do meio é motivadora já que mobiliza o ambiente comum de aprendizagem para fora da sala de aula.
 
Elabore um roteiro de atividade prática ou teórica que esteja em concordância com o conteúdo proposto na unidade temática \u201cSeres vivos\u201d.
Descreva o tema abordado, as estratégias a serem utilizadas, as etapas do processo, os materiais e métodos, os resultados (se houver), a conclusão e as referências bibliográficas.
Tema: Relações entre os seres vivos
São abordadas as relações alimentares entre os seres vivos, por meio da apresentação das cadeias e teias alimentares. Em seguida, são apresentadas as relações ecológicas, evidenciando as relações inter e intraespecífica. 
Dessa forma o aluno deverá compreender a dinâmica de interpretação e percepção do ambiente pelos seres vivos, suas relações uns com os outros e com os elementos abióticos do meio para situar o ser humano como parte do ecossistema, reconhecendo que a espécie humana atua sobre o ambiente, ao mesmo tempo em que é influenciada por ele.
Inicia-se a aula com a leitura do texto \u201cMorcegos tem fome de quê?\u201d disponível em http://pontobiologia.com.br/morcegos. E alguns questionamentos:
As histórias de vampiro representam exatamente a forma como os morcegos se alimentam na natureza? 
Os morcegos dependem de outras espécies? 
Outras espécies de seres vivos dependem dos morcegos?
Ao se alimentar de néctar, os morcegos prejudicam as plantas?
 A imagem e o texto buscam desmistificar a má fama dos morcegos. É importante que os alunos reconheçam que na natureza não há seres bons ou ruins, todos são importantes para o equilíbrio ambiental e, por isso é necessário conhecer o papel que cada um desempenha para nos conscientizarmos das necessidades de conservação e de preservação.
Acerca desses questionamentos, levam-se os alunos a pensar quais são as relações que eles estabelecem no dia a dia, buscando compreender que as interações entre os seres vivos e com os elementos não vivos do ambiente acontecem, entre outros fatores, pela busca de alimentos, proteção e reprodução, ou seja, pela sobrevivência.
Dando sequência na aula, faz-se o jogo das relações ecológicas, distribuindo várias imagens que mostrem relações ecológicas. O professor deverá dispor essas imagens viradas para baixo e o aluno sorteado irá pegar uma imagem e descrever o tipo de interação que está mostrando, identificando as vantagens e desvantagens de cada organismo na relação. 
No decorrer da aula usa-se o texto, as imagens retiradas de livros, revistas e da internet e o livro didático.
Em relação à avaliação, a mesma ocorre desde que se inicia a aula, buscando dos alunos o conhecimento prévio. A partir disso, busca-se trabalhar as deficiências de cada aluno. Portanto considero os resultados satisfatórios, pois mostrou que os alunos compreenderam que os seres vivos percebem e interagem com o ambiente, e nessa interação eles se relacionam uns com os outros e com os elementos abióticos do meio em que vivem. 
- Bueno, Roberta. Macedo, Thiago. Inspire Ciências \u2013 FTD.
	
Histologia e Embriologia - enviada
A Organização Mundial da Saúde estima que no mundo aproximadamente 180 milhões de mulheres são acometidas por uma doença crônica, que pode causar infertilidade, chamada endometriose, que também é conhecida como \u201cdoença da mulher moderna\u201d. No Brasil a estimativa