A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
22 pág.
teorico_I

Pré-visualização | Página 1 de 4

Inserir Título Aqui 
Inserir Título Aqui
Fundamentos do Controle 
de Ruído Industrial
O Som e o Sistema Auditivo
Responsável pelo Conteúdo:
Prof.ª Me. Fernanda Anraki Vieira
Revisão Textual:
Prof. Esp. Claudio Pereira do Nascimento
Nesta unidade, trabalharemos os seguintes tópicos:
• O Som;
• O Ruído;
• O Ouvido Humano e a Audição. Fonte: iStock/Getty Im
ages
Objetivos
• Fornecer ao aluno o conteúdo teórico básico para entendimento das propriedades físi-
cas do ruído e sua interação com o ouvido humano.
Caro Aluno(a)!
Normalmente, com a correria do dia a dia, não nos organizamos e deixamos para o 
último momento o acesso ao estudo, o que implicará o não aprofundamento no material 
trabalhado ou, ainda, a perda dos prazos para o lançamento das atividades solicitadas.
Assim, organize seus estudos de maneira que entrem na sua rotina. Por exemplo, você 
poderá escolher um dia ao longo da semana ou um determinado horário todos ou alguns 
dias e determinar como o seu “momento do estudo”.
No material de cada Unidade, há videoaulas e leituras indicadas, assim como sugestões 
de materiais complementares, elementos didáticos que ampliarão sua interpretação e 
auxiliarão o pleno entendimento dos temas abordados.
Após o contato com o conteúdo proposto, participe dos debates mediados em fóruns de 
discussão, pois estes ajudarão a verificar o quanto você absorveu do conteúdo, além de 
propiciar o contato com seus colegas e tutores, o que se apresenta como rico espaço de 
troca de ideias e aprendizagem.
Bons Estudos!
O Som e o Sistema Auditivo
UNIDADE 
O Som e o Sistema Auditivo
Contextualização
O ruído é um dos maiores problemas de saúde ocupacional presentes nos am-
bientes de trabalho. Pode ser encontrado nas grandes indústrias, mas também se faz 
presente nas pequenas e médias empresas, em ambientes comerciais, nos meios de 
transporte, na prestação de serviços, enfim... o ruído está em todo lugar!
Altos níveis de ruídos podem produzir vários efeitos adversos ao ser humano,que 
incluem desde interferências nas comunicações, acidentes de trabalho, perdas auditivas 
irreversíveis, entre outros efeitos à saúde. 
O Engenheiro de Segurança do Trabalho é um dos profissionais que deve estar apto 
a reconhecer, avaliar e controlar o ruído nos ambientes laborais. Para tal, é preciso 
entender sobre as características físicas do ruído, sua interação com o ouvido humano, 
entre diversas outras informações que serão abordadas ao longo da disciplina.
Para dar início ao conteúdo, vamos pensar a respeito do ruído junto com Napo. Você 
conhece o Napo? Napo é uma ideia concebida na união europeia por um pequeno gru-
po de profissionais de comunicação de saúde e segurança do trabalho, na intenção de 
produzir informação de alta qualidade, abordando as diversas culturas, idiomas e neces-
sidades práticas das pessoas no trabalho. O papel da Napo e seus amigos é questionar, 
de forma humorística, as diversas situações que vivemos no mundo do trabalho.
Assista ao vídeoe reflita com Napo em: https://youtu.be/Ce_pJAQ7FK4.
6
7
O Som
O som é um fenômeno físico oriundo de vibrações mecânicas que se propagam 
em forma de ondas no ar (GERGES, 2000. SALIBA, 2018). São propriedades da 
onda sonora:
a) Frequência: número de oscilações que uma onda realiza em um intervalo de 
tempo. Permite distinguir sons graves (baixas frequências) de sons agudos (al-
tas frequências), sendo representada pela unidade Hertz (Hz). A onda sonora 
se propaga dentro da frequência de 20 a 20.000 Hz, sendo esta a faixa audível 
ao ouvido humano (GERGES, 2000. SALIBA, 2018).
------------------------------l---------------------------------------l-----------------------------
 Infrasom 20 Hz Som 20.000 Hz Ultrassom
Figura 1 – Espectro sonoro
b) Amplitude: é a medida da extensão da perturbação da onda durante um ciclo. 
Permite distinguir um som forte de um som fraco, mais comumente conhecida 
como volume do som. A unidade da amplitude é Newton por metro quadrado 
(N/m²) ou Decibel (dB). A onda sonora possui amplitude entre o limiar de au-
dição (2x10-5 N/m² = 0 dB) e o limiar da dor (20 N/m² = 140 dB) (GERGES, 
2000; SALIBA, 2018).
------------------------------l---------------------------------------l-----------------------------
 Limiar de audição 0 dB Faixa audível 140 dB Limiar da dor
Figura 2 – Limiares da audição
O Ruído
O som faz parte do cotidiano. Porém, quando este é desagradável ou indesejado, 
o definimos como ruído. O efeito do ruído sobre o indivíduo não depende somente de 
suas propriedades físicas, mas também do modo como o indivíduo o percebe, sendo 
esta percepção subjetiva (GERGES, 2000).É considerado um fenômeno físico que 
indica uma mistura de sons, cujas frequências não seguem uma regra precisa.
Pode se apresentar nas seguintes formas:
• Ruído contínuo: permanece “estável”, com variações máximas de 3 dB durante um 
longo período (superior a 15 minutos). Por exemplo, o ruído oriundo de máquinas 
em operação contínua.
• Ruído intermitente: ruído com variações, maiores que 3 dB, em períodos curtos 
(menores que 15 minutos). Por exemplo: ruído oriundo de máquinas que operam 
em ciclos repetitivos ao longo do dia.
7
UNIDADE 
O Som e o Sistema Auditivo
• Ruído de impacto: apresenta picos com duração menor que 1 segundo a inter-
valos superiores a 1 segundo. Por exemplo, uma prensa que realiza menos de 30 
prensagens por minuto (SALIBA, 2018).
O ruído possui limite de tolerância, que é a intensidade máxima relacionada com a 
natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará danos à saúde do traba-
lhador durante a sua vida laboral.
Nível de Intensidade Sonora (NIS)
O Nível de Intensidade Sonora (NIS) mede a sensação auditiva provocada por uma 
onda sonora de intensidade I, com relação à intensidade I0, sendo I0 aproximada-
mente a intensidade de um tom de 1.000Hz, levemente audível pelo ouvido humano 
(GERGES, 2000).
NIS I
I
=10
0
log
Onde:
• NIS é a intensidade sonora em dB;
• I é a intensidade acústica em W/m²;
• I0 é a intensidade de referência = 10
-12 W/m².
Exemplos: 
1. Qual o valor do nível de intensidade sonora (NIS) para uma intensidade acús-
tica de 20x10-11 W/m²?
NIS I
I
x
= = =
−
−10 10
20 10
10
23
0
11
12
log log dB
2. Qual o valor do nível de intensidade sonora (NIS) para uma intensidade acús-
tica de 40x10-11 W/m²?
NIS I
I
x
= = =
−
−10 10
40 10
10
26
0
11
12
log log dB
Através dos exemplos 1 e 2, conclui-se que quando a intensidade sonora dobra, o 
NIS aumenta em 3 dB.
Nível de Pressão Sonora (NPS)
A intensidade acústica é proporcional ao quadrado da pressão acústica. Logo, o Nível 
de Pressão Sonora (NPS) é dado por (GERGES, 2000. SALIBA, 2018):
NPS P
P
P
P
P
x
P x
= = = =
− =
−
−
10 20 20
2 10
20 20 2 10 20
2
0
2
0
5
5
log log log
log log llog P + 94
8
9
Onde:
• NPS é a pressão sonora em dB;
• P é a pressão acústica em N/m² ou Pa;
• P0 é a pressão de referência = 2x10
-5 N/m² ou Pa.
Exemplos:
3. Qual o valor do nível de pressão sonora (NPS) para uma pressão acústica de 5 Pa?
NPS P= + = + =20 94 20 5 94 108log log dB
4. Qual o valor do nível de pressão sonora (NPS) para uma pressão acústica de 10 Pa?
NPS P= + = + =20 94 20 10 94 114log log dB
Através dos exemplos 3 e 4, conclui-se que quando a pressão sonora dobra, o NPS 
aumenta em 6 dB.
Nível de Potência Sonora (NWS)
A potência sonora representa a energia acústica produzida pela fonte por unidade 
de tempo (SALIBA, 2018). É dada por:
NWS W
W
= = +10 10 120
0
log logW
Onde:
• NWS é a potência sonora em dB;
• W é a potência acústica em W;
• W0 é a potência de referência = 10
-12 W.
Exemplos: