DESORDENS VASCULARES - HEMOSTASIA, HEMORRAGIA
3 pág.

DESORDENS VASCULARES - HEMOSTASIA, HEMORRAGIA


DisciplinaPatologia Geral4.308 materiais197.192 seguidores
Pré-visualização2 páginas
DESORDENS VASCULARES
Hemostasia: suspensão do sangramento
- resposta fisiológica a um dano vascular,
- fornece um mecanismo para selar um vaso danificado, \u201ctampa o local da lesão\u201d
- prevenir a perda de sangue
- interações entre endotélio + plaquetas + fatores de coagulação
- endotélio: fornece superfície para que o sangue flua de maneira suave e não turbulenta. O sangue deve fluir no vaso sanguíneo de maneira tranquila. Quando lesado há vasoconstrição, aumento da adesão e agregação plaquetária.
- plaquetas: fornecem o botão inicial para a formação de um \u201ctampão no local lesado. Se aderem, expressão receptores que promovem maior agregação de plaquetas
- fatores de coagulação: formam a fibrina, que, junto com as plaquetas, forma o tampão para lacrar o local da lesão.
Processos hemostáticos
Vasoconstrição transitória: o vaso diminui a luz, pra tentar diminuir o fluxo sanguíneo. Contração da musculatura lisa.
Agregação plaquetária para formação do tampão plaquetário no local do dano (hemostasia primária): Há uma lesão no endotélio e a membrana basal fica exposta e em contato com o sangue. Esse contato com a membrana basal, faz com que as plaquetas se adiram a região de lesão. E essas liberam substancias que levam ao recrutamento de novas plaquetas. Esses processos podem ser suficientes para conter o sangramento, depende do tamanho do vaso afetado.
A natureza e efetividade: integridade endotelial, tamanho do vaso afetado, quantidade de musculo liso (a vasoconstrição depende da musculatura lisa)
Coagulação para formar uma rede de fibrina (hemostasia secundária): se a lesão for maior, o processo de hemostasia continua. Há a polimerização da trombina, e o fibrinogênio é transformado em fibrina. Essa fibrina forma uma rede que irá unir ainda mais essas plaquetas. Então a produção da fibrina serve para prevenir a perda de sangue e é o produto final de séries de reações enzimáticas envolvendo fatores de coagulação, cofatores, cálcio e fosfolipídios. 
Fibrinólise para remover o tampão plaqueta/fibrina: Após a formação desse tampão, a hemorragia já foi controlada. O tampão é formado até que o endotélio volte ao seu normal. Depois ele é destruído e o local volta ao seu estado normal. Há um reparo tecidual no local danificado.
Hemorragia: ocorre quando o processo de hemostasia não é suficiente
- presença de sangue fora do leito vascular
- ocorre de duas formas:
	- dano no epitélio (per rhexis): inflamação, neoplasia, traumas, necrose, invasão e rupturas de tumores. Ocorre dano ao vaso o que permite extravasamento de sangue
	- endotélio intacto (diapedese): as células sanguíneas ultrapassam a parede do vaso sem dano vascular, passam entre as células endoteliais. Ocorre por falta de fatores de coagulação ou plaquetas, endotoxemia. Um exemplo é a congestão pulmonar, que leva a presença de hemácias nos alvéolos.
- microscopicamente: presença de hemácias fora dos vasos sanguíneos
Três causas de hemorragia: traumática, origem vascular, origem hemática
	- Traumática: ruptura de tecido e vasos. Um exemplo são atropelamentos, baço e fígado são órgãos sensíveis e com grande quantidade de sangue. O sangue se acumula na cavidade e o animal morre por choque hipovolêmico.
	- Origem vascular: processos inflamatórios (lesão no vaso sanguíneo), neoplasias (crescimento muito rápido, rompimento vascular), toxinas (urêmicas), agentes infecciosos endoteliotrópicos, hipersensibilidade tipo III, fragilidade vascular genética, deficiência de vitamina C.
		- Septicemia: infecção generalizada por bactérias, muitas áreas de hemorragia pela infecção ser no corpo todo, acometendo também os vasos sanguíneos.
		- Neoplasias: hemangioma, hemangiossarcoma \u2013 neoplasias de vasos sanguíneos, causa hemorragia
		- Intoxicação crônica por Pteridium aquilinum (samambaia) \u2013 três sinais clínicos: diátese hemorrágica (intoxicação aguda), hematúria enzoótica e neoplasia do trato gastrointestinal (intoxicação crônica)
			- Hematúria enzoótica: sangue na urina, a samambaia tem uma substancia chamada ptaquiloside, que é uma substancia radioenética (?) que leva ao desenvolvimento de uma neoplasia na bexiga e também no trato digestório. Quando a neoplasia é na bexiga, há hematúria. Sangramento de maneira intermitente. Após o parto o quadro pode piorar. Quando o animal ingere grande quantidade de samambaia em um curto período de tempo, há destruição da medula óssea do animal, não há produção de sangue, plaquetas e células de defesa. Pela falta de plaquetas o animal começa a sangrar em todo o corpo (diátese hemorrágica). Com a falta de células de defesa, as bactérias tomam conta do corpo (bactérias do intestino vão para o fígado, causando necrose). Se o animal comer pouco por alguns meses, ele irá desenvolver neoplasia na bexiga e também no trato digestório. A neoplasia no trato digestório se dá pelo contato da substancia.
		- Veneno botrópico: picada de cobra, o veneno causa lesão endotelial, no local da picada há uma grande área de hemorragia, mas alguns venenos não causam hemorragia. A picada da cobra dificilmente mata um bovino adulto. Bothrops alternatus: ovinos
		- Hepatite infecciosa canina: o vírus tem tropismo pelo endotélio vascular, causa lesão no vaso e áreas de hemorragia. Lesão hepática também.
		- Língua azul: doença causada por vírus, ocorre em ovinos, acomete os vasos, causando hemorragias.
		- Circovirose: o antígeno viral se liga ao anticorpo e se deposita nos vasos sanguíneos, causa lesão do vaso, ocasionando em hemorragia.
		- Hemorragias agônicas: presente no coração, principalmente de bovinos que morrem de forma mais estressante.
- Origem Hemática: alterações no próprio sangue que levam à hemorragia. Geralmente essas hemorragias estão associadas a plaquetas ou a fatores de coagulação, se houver uma baixa produção ou elevado consumo ocasiona nas hemorragias.
	- Trombocitopenia: diminuição das plaquetas circulantes no sangue. Pode ocorrer por não estar havendo produção adequada, ou havendo destruição ou havendo grande uso dessas plaquetas.
	- Diminuição da função das plaquetas: FVW (fator de coagulação), ácido acetilsalicílico
	- Diminuição da concentração e função dos fatores de coagulação: deficiência de vitamina K (responsável pela ativação dos FC), hemofilias, CID, dicumarínicos, hepatopatias
		- Intoxicação aguda por samambaia: destruição da medula óssea, não há produção de plaquetas, ou seja, o animal tem hemorragia (diátese hemorrágica).
		- Intoxicação por dicumarínicos: anticoagulantes, interferem na função dos FC. Principalmente em cães intoxicados pelo vizinho. Animal tem hemorragia e choque hipovolêmico.
		- Hepatopatia: os FC são produzidos no fígado. Indivíduos com lesão hepática podem ter hemorragias pelo corpo todo.
Morfologia das hemorragias:
- Petêquias: puntiformes (1 a 2mm), pontinhos vermelhos no caso da dengue.
- Equimoses: 2 a 3 cm
- Sulfusões: áreas extensas
- Hematomas: espaço confinado com alteração de relevo
	- Intracraniano: não há alteração de relevo vista, o hematoma pressiona o encéfalo
	- Otohematoma: hemorragia no pavilhão auricular, comum em cães com otite.
Termos clínicos:
- Púrpura: petéquias e equimoses difusas nas superfícies mucosas e serosas
- Diátese hemorrágica: hemorragias espontâneas ou intensas após lesão
Localização:
- Hemopericárdio: hemorragia no pericárdio
- Hemotórax: hemorragia no tórax
- Hemoperitôneo: hemorragia no peritônio
- Epistaxe: sangramento nasal, sangue proveniente do nariz
- Hemoptise: sangramento nasal, sangue proveniente do pulmão 
- Hematemese: vômito com sangue
- Melena: sangue nas fezes. Sangue digerido, sangramento ocorre ou no estomago ou no intestino delgado. Aspecto enegrecido.
- Hematoquesia: sangue nas fezes. Sangue vivo, sangramento no intestino grosso.
- Hematúria: sangue na urina
- Hifema: sangue no globo ocular
- Hemartrose: sangue nas articulações
Classificação quanto a relação com o organismo:
- Externas ou superficiais
- Internas com fluxo externo
- Ocultas (internas): viscerais