Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
APS Ponte de Macarrão

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIP – UNIVERSIDADE PAULISTA
ENGENHARIA BÁSICO
ARTHUR MARTINS REZENDE MARTINS – N2498E-3 
BRENO AUGUSTO KODAMA – N30996-2 
FELISBERTO BUENO BRANDÃO NETO – D66836-6
FERNANDO JUNIO SALVADOR – D826BA-8 
GENIVAL THOMAZ DOS SANTOS – D11HEH-0
HÉLIO SOARES DE OLIVEIRA FILHO – D75918-3
LUIZA DE OLIVEIRA SILVA – N34488-1
MAICON RIBEIRO MACHADO – D74975-7
PEDRO RAMIRES XAVIER – N318ED-1
YASMIN FERRAZ MOREIRA – N2681F-5
ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS
PONTE DE MACARRÃO
SÃO JOSÉ DO RIO PRETO
2018
UNIP – UNIVERSIDADE PAULISTA
ENGENHARIA BÁSICO
ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS
PONTE DE MACARRÃO
Atividade Prática Supervisionada apresentada à
Coordenação de Engenharia Básico da Universi-
dade Paulista - UNIP – Campus S. José do Rio 
Preto como conteúdo avaliativo integral da dis-
ciplina supracitada. Orientadores: Elio Idalgo, 
Luiz Carlos, Angêlo R. Pulici, Nemer.
SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 
2018
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO..........................................................................................................4
2 OBJETIVO DO TRABALHO.....................................................................................5
2.1 MODELO TRELIÇA ESCOLHIDA..............................................................5
3 METOLOGIA.............................................................................................................6
3.1 MATERIAIS UTILIZADOS...........................................................................6
3.2 CÁLCULOS ESTRUTURAIS......................................................................6
3.3 CONSTRUÇÃO DA PONTE........................................................................7
4 CONCLUSÃO...........................................................................................................8
5 REFERÊNCIAS.........................................................................................................9
4
1 INTRODUÇÃO 
 
A partir de 1750, começa a era da produção industrial, das máquinas e da
energia a vapor, tudo isso se faz representar também na arquitetura. As construções
definitivamente passam a ser voltadas à praticidade, rapidez e economia de tempo e
dinheiro. Após a Revolução Industrial, as pontes passaram a ganhar o destaque que
até então cabia às catedrais na arquitetura. Construir pontes para transpor vales e
rios era essencial para fazer a economia acelerar. 
Modelos construídos em arco, utilizando o ferro, tornaram-se a ordem do dia a
partir de 1779, quando foi construída a Iron Bridge (ponte de ferro), em
Coalbrookdale, Inglaterra. Eliminando a necessidade de utilizar balsas para cruzar o
Rio Severn, o que custava muito tempo às indústrias da região. 
Ilustração 1: IRON BRIDGE (RIO SEVERN, COALBROOKDALE, INGLATERRA).
5
2 OBJETIVO DO TRABALHO
Fazer a análise, o projeto, a construção e o teste de carga na ponte que deve
aguentar o peso mínimo requisitado, com material base macarrão tipo espaguete,
cola, e outros materiais auxiliares. A construção do projeto será precedida da análise
de algumas opções possíveis de tipos de pontes já existentes. Abaixo, são
apresentados alguns dos tipos de pontes treliçadas.
Ilustração 2: TIPOS DE PONTES TRELIÇADAS.
2.1 MODELO TRELIÇA ESCOLHIDA
Depois de analisarmos todos os tipos de treliças, pensamos em usar a 
treliça pratt com banzo superior curvo, ela se caracteriza pelas diagonais saindo do
centro sofrendo tração e as extremidades todas sofrendo compressão. Então para a
escolha do nosso modelo nos baseamos nos seguintes critérios: resistência,
viabilidade de execução. Dentre os vários modelos de pontes já construídas, os
modelos de maior carga suportadas são os que possuem formato em arco e raiados.
Mas em contrapartida, o processo de execução é mais trabalhoso.
Ilustração 3: TRELIÇA PRATT, COM BANZO 
SUPERIOR CURVO
6
3 METODOLOGIA
3.1 MATERIAIS UTILIZADOS
Macarrão tipo espaguete n º 7 
Araldite Profissional 90 Minutos e Durepoxi
Barra de construção 8 mm de diâmetro 
Tubo de PVC ½”
3.2 CÁLCULOS ESTRUTURAIS
A seguir a TABELA 1 apresentará os cálculos estruturais, feito com o auxilio 
do programa FTOOL.
Tabela 1: CÁLCULOS ESTRUTURAIS
Barra Comp. Tração Compes. Nº Macar. Macar. Usado Peso
1 0,22 62 41 29 637
1,5 0,22 62 41 29
2 0,21 62,6 39 31
3 0,22 62,6 41 31
4 0,25 62,6 47 37
5 0,22 62,6 41 31
6 0,21 62,9 39 31
7 0,21 62,3 39 29
7,5 0,21 62,3 39 29
8 0,12 0 10 20
9 0,24 25,4 10 20
10 0,25 24,9 10 20
11 0,25 31 10 20
12 0,25 31,1 10 20
13 0,24 26,5 10 20
14 0,24 23 10 20
15 0,12 0 10 20
16 0,19 0 10 20
17 0,25 25,4 10 20
18 0,24 24,9 10 20
19 0,25 31 10 20
20 0,25 31,1 10 20
21 0,25 26,5 10 20
22 0,25 23 10 20
23 0,19 0 10 20
24 0,19 0 10 20
25 0,19 0 10 20
7
3.3 CONSTRUÇÃO DA PONTE
Antes do início da construção usamos carlotina como molde para dimensionar
o tamanho e ângulo das barras superiores e de tração. Em seguida, partimos para a
construção das sete barras superiores com auxilio do tubo de pvc, então utilizamos
fita e cola epóxi para fixar e dar resistência nas barras de macarrão. As barras de
tração tiveram processo parecido supracitado, porém sem o auxílio do tubo pvc e em
seguida, colocadas para secar. Após cada elemento terminado, realizamos o
processo de montagem do formato da ponte escolhida, com auxílio de um suporte
base criado para dimensionar o comprimento e largura da ponte. 
Ilustração 4: ALUNOS FAZENDO A 
CONSTRUÇÃO DA PONTE
Ilustração 5: ALUNOS FAZENDO A 
CONSTRUÇÃO DA PONTE
Ilustração 6: ALUNOS FAZENDO A 
CONSTRUÇÃO DA PONTE
Ilustração 7: ALUNOS FAZENDO A 
CONSTRUÇÃO DA PONTE
Ilustração 8: ALUNOS FAZENDO A 
CONSTRUÇÃO DA PONTE
8
4 CONCLUSÃO 
 
Após todo o processo proveniente de cálculos e desenvolvimento da execução, 
concluímos nosso projeto da ponte de macarrão. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
5 REFERÊNCIAS 
CISTERNA, Marcus Takabayashi. APS Ponte de Macarrão. 2014. 9f. Relatório
(Atividades Práticas Supervisionadas) – Universidade Paulista, UNIP – Campus
Sorocaba. Sorocaba, 2014. Disponível em:
https://www.passeidireto.com/arquivo/4742610/relatorio-final-aps-ponte-de-
macarrao/. Acesso em: 21 de outubro de 2018.
DAMASCENO, Luiz. Pontes Treliçadas. 2015. Disponível em:
http://r1engenharia.blogspot.com/2015/11/pontes-trelicadas.html/. Acesso em: 21 de
outubro de 2018.
ESPECIFICAÇÃO do tipo de treliça e sua classificação. 2015. Disponível em:
http://asmjveng.blogspot.com/2015/05/especificacao-do-tipo-de-trelica-e-sua.html/.
Acesso em: 21 de outubro de 2018.
MODELO de treliça do protótipo. 2015. Disponível em:
http://mtjjengenharia.blogspot.com/2015/05/trelica-e-uma-estruturaconstituida-
por.html/. Acesso em: 21 de outubro de 2018.
In England, we have the first cast iron bridge. It's 240 years old. 2017. Disponível em:
https://www.reddit.com/r/pics/comments/5t7ul3/in_england_we_have_the_first_cast_i
ron_bridge_its/. Acesso em: 21 de outubro de 2018.
 
 
 
 
 
 
 
	In England, we have the first cast iron bridge. It's 240 years old. 2017. Disponível em: https://www.reddit.com/r/pics/comments/5t7ul3/in_england_we_have_the_first_cast_iron_bridge_its/. Acesso em: 21 de outubro de 2018.