esquizofrenia
3 pág.

esquizofrenia

Pré-visualização1 página
Marcela Maria Lopes Costa - 14º Turma de Medicina UEMA 
Psiquiatria 
Esquizofrenia
1.0 PSICOSE 
Quadro clínico de estado alterado do psiquismo que 
não está necessariamente associado a esquizofrenia. 
O paciente passa a viver sob a égide do princípio do 
prazer e narcisismo. 
Sensações que não correspondem à realidade 
Pensamentos que fogem ao seu controle: 
\u2022 Alucinações \u2013 alteração em um dos 5 sentidos 
\u2022 Delírios \u2013 alteração do pensamento 
\u2022 Sensação de que o ambiente está estranho 
\u2022 Agitação, confusão, agressividade 
\u2022 Não falar coisa com coisa 
\u2022 Insônia e inapetência 
\u2022 Sensação de que os mais diversos fatos não 
são coincidências 
\u2022 Atribuição de significados diferentes a coisas 
reais como uma espécie de \u201crevelação\u201d 
\u2022 Isolamento 
\u2022 Comportamento estranho 
\u2022 Pensamento bloqueado, interrompido. Roubo 
do pensamento. 
\u2022 Desleixo com a aparência e a higiene 
\u2022 Difusão do pensamento: sensação de que 
outras pessoas ouvem seus pensamentos 
\u2022 Sensação de que algo externo controla seu 
corpo e mente 
O paciente tem insight prejudicado (precária 
consciência da doença). 
Sintomas de primeira ordem: alteração da relação eu-
mundo. Sensação de invasão da privacidade. 
Sintomas de segunda ordem: menos importantes para o 
diagnóstico. Apenas complementam os de primeira 
ordem. Ex.: impulsos e vontades, empobrecimento 
afetivo, intuição delirante, alterações de animo de 
colorido depressivo ou maniatiforme. 
 
Causas mais comuns de psicose 
\u2022 Esquizofrenia 
\u2022 Distúrbio afetivo bipolar \u2013 tanto na mania 
como na depressão 
\u2022 Parto (psicose puerperal) 
\u2022 Reação a alguns medicamentos (anfetaminas 
e cortisona) 
\u2022 TCE 
\u2022 Álcool e drogas 
\u2022 Doenças físicas (lúpus, hipertireoidismo) 
\u2022 Doenças neurológicas (AVC, tumores 
cerebrais) 
\u2022 Alzheimer 
 
 
 
 
 
 
Marcela Maria Lopes Costa - 14º Turma de Medicina UEMA 
2.0 ESQUIZOFRENIA 
 
Doença psiquiátrica endógena em que o indivíduo 
tem perda do contato/controle com a realidade, 
desenvolve indiferença afeitva (embotamento 
afetivo) e possui uma fáscie esquizofrênica 
irresponsiva a estímulos. 
O paciente desenvolve alucinações e delírios que 
costumam surgir na adolescência/jovem adulto. 
 
Diagnóstico 
2 ou mais por pelo menos 1 mês: 
\u2022 Delírios 
\u2022 Alucinações 
\u2022 Discurso desorganizado 
\u2022 Comportamento desorganizado ou catatônico 
\u2022 Sintomas negativos 
 
A esquizofrenia possui um componente genético 
importante. O risco sobe para 13%, se um parente de 
primeiro grau é portador da doença. 
Mas é importante excluir outras patologias mentais e 
uso de drogas!! 
 
Prevalência 
1 a 1,5% da população geral e é gual entre sexos. Mas 
possui um Início mais precoce nos homens e quanto 
mais precoce, maior prejuízo global na vida. 
 
SINTOMAS POSITIVOS 
Sintomas externalizados pelos pacientes. 
1. Alucinações 
2. Delírios 
3. Discurso desorganizado 
4. Comportamento bizarro 
5. Neologismos e parafasias 
 
SINTOMAS NEGATIVOS 
Não tanto da forma e conteúdo do paciente, são 
sintomas mais imbutidos. 
Perda de certas funções psíquicas (na esfera da 
vontade, do pensamento e da linguagem). 
1. Alogia (diminuição da fluência do 
pensamento) 
2. Embotamento afetivo 
3. Abulia (diminuição da vontade e do impulso) 
4. Anedonia (diminuição da capacidade 
5. Negligencia quanto a si mesmo 
 
DIVISÕES DA ESQUIZOFRENIA 
PARANOIDE - Clássica 
\u2022 Maior preservação cognitiva 
\u2022 Delírio primário, de cunho persecutório, 
autorreferente 
\u2022 Pobreza de alucinações 
HEBEFRÊNICA 
\u2022 Infantil \u2013 aqui o paciente não desenvolve 
tantas alucinações inteligentes, possui 
preferência mais infantilizada 
Marcela Maria Lopes Costa - 14º Turma de Medicina UEMA 
\u2022 Presença marcante de desorganização do 
pensamento: francamente desagregado, com 
grande prejuízo cognitivo 
\u2022 Alucinações auditivas/visuais 
\u2022 Delírio desestruturado 
CATATÔNICA 
\u2022 Privilegia sintomas motores: desde agitação 
até flexibilidade cérea. 
RESIDUAL 
\u2022 Não há sintomas produtivos 
\u2022 Marcante prejuízo cognitivo 
\u2022 Sintomas negativos 
SIMPLES 
\u2022 O paciente logo desenvolve sintomas 
negativos sem positivos prévios 
 
3.0 TRANSTRONO DELIRANTE 
1 ou mais delírios não bizarros (acredita em alguma 
coisa que não é verdade, mas não é aberrante) por 
pelo menos 1 mês, com bom funcionamento 
psicossocial. 
Relacionados a traição/ciúmes, envenamento ou até 
infecção. 
 
4.0 TRANSTORNO PSICÓTICO BREVE 
Iinício súbito de sintoma positivo com duração de 1 
dia \u2013 1 mês e pode ser reativa. 
Tratamento: 
\u2022 Antipsicóticos 
\u2022 Psicoterapia 
\u2022 Psicoeducacional