A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Resposta Imunológica Parasitária

Pré-visualização | Página 2 de 2

e a indução de peristaltismo intestinal (atingindo principalmente os parasitas que se encontram na luz do intestino). 
Propriedade dos grânulos dos eosinófilos;
Para os helmintos presentes no intestino, necessita-se de um epítopo para ativação da célula B específica, como ocorre a ativação dessa célula, para liberação de IgE. 
- Interleucina 4: 
	- Principal fonte de IL-4, são os linfócitos T CD4 + do subgrupo Th2, e os mastócitos ativados. 
	- Ações da IL-4: estimula a mudança de classe da cadeia pesada da imunoglobulina da célula B, para o IgE. 
- Interleucina – 13: 
	- A IL-13 atua em conjunto com a IL-4 na defesa contra helmintos. Atuam para ativar a via alternativa dos macrófagos, contribuindo para a reparação e fibrose do tecido. 
		
	- Além disso, a IL-13 estimula as células epiteliais a produzirem muco, das vias respiratórias; 
- Interleucina – 5: 
	- É a principal ativadora de eosinófilos e serve como o principal ele de ativação das células T e a inflação eosinofílica. 
	- Produzida pelas Th2 e pelos mastócitos ativados. E os mastócitos são ativados: os mastócitos apresentam receptores Fc de alta afinidade com a IgE, que podem ser ativados por antígenos que se ligam à IgE e assim, causam a degranulação do mesmo. O conteúdo dos grânulos, possui aminas vasoativas, sendo responsáveis por alterações vasculares e inflamação nas reações alérgicas. 
Imunidade inata contra parasitas:
Protozoários: fagocitose, porém, muitos protozoários ainda conseguem se replicar mesmo dentro de um macrófago. 
Além disso, os fagócitos ainda podem atacar os helmintos, secretando conteúdos microbicidas. Porém, muitos helmintos possuem tegumento espesso, tornando-os assim, mais resistentes aos mecanismos citocidas de neutrófilos e macrófagos. 
Imunidade adaptativa contra parasitas:
Para aqueles protozoários que sobrevivem dentro dos macrófagos, a resposta imunológica se dá pela mediada por células, a partir da ativação de macrófagos por citocinas derivadas de células Th1. 
Hipersensibilidade imediata: mastócitos e eosinófilos são ativados para liberar rapidamente mediadores que ocasionam o aumento da permeabilidade vascular, vasodilatação e contração do músculo liso. Tem esse nome, pois inicia logo após o organismo reconhecer esses patógenos. Ocasionando os casos de alergia ou atopia, e as doenças desenvolvidas são chamadas: doenças alérgicas, atópicas ou doenças de hipersensibilidade imediata. 
A produção do anticorpo IgE, que depende da ativação das células T auxiliares (CD4+ ) que são produtoras de IL-4. 
Ocorrendo: exposição a uma antígeno, que ativa os linfócitos (células Th2, células T produtoras de IL-4 e células B), específico para um antígeno, que desencadeia a produção de IgE, que se liga aos receptores Fc de mastócitos, e com isso, ativa os mastócitos através da reexposição ao antígeno. 
- Essa ligação de IgE aos mastócitos: sensibilização. 
Reações de hipersensibilidade:
A hipersensibilidade se constituí por distúrbios causados pelas respostas imunes. Ou seja, quando a reação do sistema imune nos faz mal, ou seja, quando elas são mal controladas (respostas contra alguns antígenos, mas por não serem controladas, ocasionam lesões); ou ainda, por respostas imunes direcionadas aos tecidos próprios; microrganismos comensais – são aqueles que vivem bem com o nosso organismo, como a microbiota natural, que pode se multiplicar de forma exagerada, causando danos. 
Antígenos ambientais: como as alergias, causadas por ácaros, pelos de animais, alimentos. 
Hipersensibilidade do tipo I – Imediata: 
Começa no desafio antigênico, ou seja, quando antígeno entra em contato com o sistema imune. 
IL-4; IL-5 e IL-13 : Relacionadas com as células Th2
Células como mastócitos e eosinófilos, são importantes. 
Causas: 
Autoimunidade: imunidade contra células e tecidos próprios;
Reações contra microrganismos: reações exacerbadas ou microrganismos comensais;
Reações contra antígenos ambientais; 
Reação imediata: respostas alérgicas (tipo I)
Mediada por anticorpos: tipo II – contra células fixas e antígenos de tecido; 
Opsonização e fagocitose – que pode ocasionar a destruição de células que não deveriam ser destruídas. 
Inflamação – a partir da estimulação de processos inflamatórios, pode ocorrer de forma exacerbada, que lesa os tecidos adjacentes; 
Doenças causadas por linfócitos T: 
Desencadeamento da inflamação; 
Inflamação granulomatosa: 
Ocorre quando os macrófagos passam tanto tempo juntos, tentando conter uma infecção (ou seja, um patógeno), que ficaram unidos, que acaba por se formar uma capsula de fibroblastos ao redor. Além disso, pode-se observar a fusão de macrófagos, e assim, formam as células gigantes. 
O sistema complemento são proteínas que favorecem a ativação da clivagem proteolítica, para gerar fragmentos das proteínas C3 e C5, que promovem a inflamação, ou opsonização e promovem a fagocitose de microrganismos. 
Além disso, a ativação do sistema complemento, pode gerar poros nas membranas das células, que é um mecanismo eficiente para eliminar algumas bactérias. 
É ativado na superfície dos microrganismos, pois eles não possuem proteínas regulatórias (inibitórias) em sua membrana.