A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
AULA 3 - IPC - EXAME FISICO 2019_aluno

Pré-visualização | Página 1 de 3

EXAME FÍSICO 
PROFESSORAS:
 MS SANDRA REGINA LINS DO PRADO TARDELLI DA SILVA
Dra RAQUEL JOSEFINA DE OLIVEIRA LIMA
Imagem 1 fde7e05c61077f1719292549457f6113.jpg
jadoski.com.br
Tipo Morfológico
Posiciona-se o cliente preferencialmente em pé para que se faça a relação de proporcionalidade entre o pescoço, braços, osso frontais, mãos e dedos. Os indivíduos podem ser classificados em:
Tipo Morfológico
	Normolíneo 
 Indivíduo que possui uma proporcionalidade entre o pescoço, os braços, os ossos frontais, as mãos e os dedos.
Tipo Morfológico
 	Brevelínio Indivíduo baixo com pescoço curto, membros curtos em relação ao corpo
Tipo Morfológico
Longilineo
Indivíduo alto e esguio, com pescoço, tórax e membros longos
Tipo Morfológico
Longilíneo Normolíneo Brevelínio
profesdeartes.blogspot.com.b
Sistema cabeça e pescoço
Inspeção
Palpação
-Aspecto da pele
-Cabelo (comprimento,higiene)
-Aspecto couro cabeludo
-aspecto pálpebras,esclera, conjuntiva,acuidade visual,
Aspecto boca,gengiva, língua, dentes (nº), uso de prótese,
Aspecto pescoço, linfonodo + ou não, tireoide,
Aspecto conduto auditivo, formato, higiene, acuidade auditiva.
Cabelo seco, quebradiço,
Pálpebras pinçasuave propiciando abertura para visualizar a conjuntiva,
Narina, ápice do nariz para visualizar melhor internamente,
Boca para baixar a língua
Pescoço para palpar tireoide e linfonodos,,
Cicatriz ou nódulos,etc...
Passos propedêuticos 
7
CASO CLÍNICO
Sr. P.L.N de 57 anos tem história de bruxismo e de sensibilidade oral ao tomar líquidos quentes e gelados. Apresenta cáries dentária no 2º e 3º molar D e ausência do 3º molar à E, com excesso de placa e tártaro em todos os dentes, informa realizar higiene oral 1X ao dia. É fumante informa ingerir cerca de 1 garrafa térmica de café ao dia devido o hábito de tomar café e fumar. Relata ainda não ter condições financeiras para ir ao dentista.
D.E.
Planejamento
Implementação
Horário
Sistema neurológico 
Inspeção
Palpação
fala
dor e seus reflexo de reação
plegias
paresias
pupilas
equilíbrio.
Palpaçãonas regiões orbitárias, no leito ungueal e compressão do músculo trapézio.
Reflexos neurológicos e Nível de consciência
É a percepção da própria existência, sentimentos e pensamentos e percepção do ambiente
Passos propedêuticos 
Estratégias para avaliação da dor e do reflexo motor
Inicia-se através de ação tátil, com leve toque sobre o braço do cliente, chamando-o pelo nome, nos casos em que a resposta for negativa o estímulo doloroso é indicado.
Tipos de estímulos dolorosos:
Leito ungueal
Esternal
Trapézio
Supra orbital
Por meio de aplicação de pressão
Por meio de compressão ou fricção do esterno
Por meio da compressão do músculo em pinça
Por meio compressão da região orbitária com o polegar
Avaliação da consciência 
O Nível de Consciência (NDC) ou responsividade é regularmente avaliado porque uma alteração no NDC precede todas as outras alterações nos sinais vitais e neurológicos.
Escala de Coma de Glasgow (ECG)
É usada para avaliar o NDC com base nos três critérios:
Abertura do olho, 
Respostas verbais,
Respostas motoras aos comandos verbais ou estímulos dolorosos. 
Ela é particularmente útil para monitorizar as alterações durante a fase aguda, como nos primeiros dias depois de um traumatismo craniano, por exemplo. 
Ela não substitui um histórico neurológico profundo; mas sim avalia a resposta motora, verbal e de abertura dos olhos do paciente
AVALIE DA SEGUINTE FORMA
DISPONÍVEL EM: http://www.glasgowcomascale.org/downloads/GCS-Assessment-Aid-Portuguese.pdf
ABERTURA OCULAR
DISPONÍVEL EM: http://www.glasgowcomascale.org/downloads/GCS-Assessment-Aid-Portuguese.pdf
REPOSTA VERBAL
DISPONÍVEL EM: http://www.glasgowcomascale.org/downloads/GCS-Assessment-Aid-Portuguese.pdf
RESPOSTA MOTORA
DISPONÍVEL EM: http://www.glasgowcomascale.org/downloads/GCS-Assessment-Aid-Portuguese.pdf
LOCAIS PARA ESTIMULAÇÃO FÍSICA
DISPONÍVEL EM: http://www.glasgowcomascale.org/downloads/GCS-Assessment-Aid-Portuguese.pdf
DISPONÍVEL EM: http://www.glasgowcomascale.org/downloads/GCS-Assessment-Aid-Portuguese.pdf
es.slideshare.net
EXTENSÃO E FLEXÃO ANORMAIS
Escala de avaliação pupilar utilizando a inspeção
Avaliação do diâmetro pupilar, podemos detectar na avaliação:
Isocória: diâmetro pupilar bilateral igual;
Anisocória / Disocória: diâmetro pupilar irregular, descrever sempre a pupila maior;
Miose: pupilas contraídas;
Midriase: pupilas dilatadas.
Reflexo fotomotor
Realizado nas pupilas,
Uso de lanterna clínica,
Orientação do cliente,
Olhos fechados,
Entrada com foco de luz lateral,
Observar contração e relaxamento da pupila.
ECG-P: Escala de Coma de Glasgow com reposta Pupilar
Avalia-se a reatividade pupilar. 
Como forma de obter melhores informações sobre o prognóstico no traumatismo cranioencefálico, incluindo a probabilidade de morte
A PUPILA E PONTUADA DA SEGUINTE FORMA:
Olhos não reativos à luz
Pontuação de reatividade da pupila
AMBOS OS OLHOS
02
UM OLHO
01
NEM OLHO
00
COMO CÁLCULAR:
DEVE-SE SUBTRAIR O RESULTADO DO ESCORE DE REATIVIDADE DA PUPILA DO RESULTADO DA ESCALA DE COMO DA GLASGOW.
A sugestão dos autores é de que se utilize a ECG-P principalmente na avaliação de indivíduos acometidos por traumatismo cranioencefálico.
Nos pacientes sedados utilize a
Escala de Ramsay
Escala para avaliação do nível de sedação;
Utilizado desde 1974 proposto por Michael A. E. Ramsay,
Baseia-se em critérios clínicos para classificar o nível de sedação, seguindo a numeração de 1 a 6 para graduar ansiedade, agitação ou ambas, até coma irresponsivo.
Testes realizados no sistema neurológico 
Teste de Romberg
Teste de Babinsk
Solicitar que o cliente fique em posição ereta,
Oriente olhar na linha do horizonte, fechar os olhos por 20”
Problemas de labirinto o cliente bambeia, cliente sem alterações apenas discreto balançar.
-Com o cliente em DDH descubra os pés e realize com um objeto ponti agudo um desenho daletra J invertido na sola do pé observando reflexo motor.
Características faciais
As características faciais permanecem simétricas com a movimentação; não há sinais de sofrimento agudo.
www.altosnoticia.com.br
www.jornalopainel.com.br
CASO CLÍNICO
Sr. M.N.O. de 68 anos foi vítima de uma queda da própria altura na rua e sofreu um trauma encefálico, chegou à unidade de pronto atendimento acordado respondendo às solicitações verbais confuso com dificuldade de recordar onde estava e o que estava fazendo não conseguindo recuperar as informações necessárias para saber o que ocorreu. Apresenta esquecimento, incapacidade de recordar eventos, informações reais e as ações que foram executadas. Os resultados de exames mostraram HB de 12 e HT de 49%.
AVALIAÇÃO
1ª D.I. por trauma encefálico, apresenta-se consciente, com quadro de confusão mental não localizando-se adequadamente no tempo e espaço Glasgow de 14. Pupilas isocóricas e fotorreagentes, obedece aos comandos sem déficit motor aparente. Apresenta quadro de esquecimento, não conseguindo relatar o que houve e nem recordar as ações realizadas no seu atendimento, instituído planejamento para o D.E. Memória prejudicada. Enf. Raquel COREN- XXXX.
D.E.
Planejamento
Implementação
Horário
Sistema respiratório 
Inspeção
Palpação
Ausculta
- Aspecto da pele, mamas,formato do tórax e simetria das mamas,
Aspecto das axilas,
Distribuição dos pêlos do tórax e axilas.
Palpação da pele observando hidratação,
Palpação das mamas e axilas na busca de nódulos.
Uso do aparelho estetoscópio,
Ausculta anterior 5 a 6 pontos,
Ausculta posterior 8 a 9 pontos.
Ausculta limpa MV,
Ausculta com RA (ronco/sibilo)
Passos propedêuticos 
Imagem 2 http://blogpneumounivali.blogspot.com.br/2010/07/ausculta-pulmonar_9660.html
CASO CLÍNICO
Sr. J.C de S. de 63 anos diagnosticado como Enfisematoso há 4 anos tendo desenvolvido alteração na membrana alveolar e desequilíbrio na relação