A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
370 pág.
apostila-de-subestacoes

Pré-visualização | Página 4 de 50

este processo, 
desenvolve-se em quatro etapas: geração, transmissão, distribuição e 
utilização. 
 
Na figura 1, pode ser visto o diagrama de blocos de um sistema elétrico de 
potência típico, bem como a localização dos respectivos consumidores. 
 
Figura 1 - Esquema básico do sistema elétrico de potência; 
 
As 4 etapas, mostradas na figura 1, podem ser sucintamente definidas da 
seguinte forma: 
 
Geração: 
A conversão da energia primária em elétrica se faz, normalmente, através 
de conversões intermediárias até a geração de energia elétrica. De um modo 
 2
25
CAPÍTULO 2 – INTRODUÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA 
 
3
geral, a conversão eletromecânica de energia é realizada através de 
geradores síncronos alimentados por turbinas hidráulicas. 
 
Transmissão: 
O transporte de energia elétrica é feito através das linhas de transmissão, 
cujo valor de tensão, depende do comprimento da linha e da quantidade de 
energia a ser transportada. 
Sabe-se que, quanto maior a distância entre a geração e o consumo, maior 
será a tensão para a transmissão. Além disso, atualmente, tem que se levar 
em consideração, se a transmissão será feita em corrente alternada ou em 
corrente contínua. 
 
Distribuição 
Nesta etapa, a energia deverá ser fornecida a tensões compatíveis com os 
níveis de consumo. 
 
O diagrama unifilar, representado na figura 2, ilustra os níveis de tensão 
normalmente empregados nas diversas etapas envolvidas na transmissão da 
energia elétrica. 
Geração
MT e BT
Transmissão
AT-EAT-UAT
(CA e CC)
Sub-Transmissão
AT-EAT-UAT
(CA e CC)
Distribuição
MT
Consumidor Consumidor
Consumidor Consumidor 
Figura 2 – Sistema elétrico de potência consumidores; 
 
 3
26
CAPÍTULO 2 – INTRODUÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA 
 
4
Como pode ser visto na figura 2, existem consumidores, isto é, instalações 
elétricas, alimentadas diretamente a partir das diferentes etapas do sistema 
elétrico de potência em função da quantidade de energia e extensão. 
 
Deve-se introduzir um sub-sistema, entre a transmissão e a distribuição, 
para que se disponibilize aos consumidores todos os níveis de tensão, 
denominado de sub-transmissão. 
 
Dependendo do nível, a tensão é classificada em: 
• Baixa tensão ( BT ) até 1kV 
• Média tensão ( MT ) de 1 a 66 kV ( inclusive ) 
• Alta tensão ( AT ) de 69 kV a 230kV ( inclusive) 
• Extra alta Tensão ( EAT ) de 230kV a 800kV ( inclusive ) 
• Ultra Alta Tensão ( UAT ) maiores que 800kV 
 
Os consumidores estão classificados em quatro grupos: 
 
• Grupo 1 – Grandes consumidores; 
• Grupo 2 - Consumidores médios; 
• Grupo 3 - Pequenos consumidores em média tensão; 
• Grupo 4 - Pequenos consumidores em baixa tensão. 
 
2 – CONCEITOS E DEFINIÇÕES 
 
A título de ilustração e para o desenvolvimento deste curso, adotar-se-á as 
seguintes definições mais usuais extraídas da portaria 456 da ANEEL. 
 
 4
27
CAPÍTULO 2 – INTRODUÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA 
 
5
Carga Instalada: soma das potências nominais dos equipamentos 
elétricos instalados na unidade consumidora, em condições de entrar em 
funcionamento, expressa em quilowatts (kW). 
• 
• 
• 
• 
• 
• 
• 
Concessionária ou permissionária: agente titular de concessão ou 
permissão federal para prestar o serviço público de energia elétrica, 
referenciado, doravante, apenas pelo termo concessionária. 
Consumidor: pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de 
direito, legalmente representada, que solicitar à concessionária o 
fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo 
pagamento das faturas e pelas demais obrigações fixadas em normas e 
regulamentos da ANEEL, assim vinculando-se aos contratos de 
fornecimento, de uso e de conexão ou de adesão, conforme cada caso. 
Consumidor livre: consumidor que pode optar pela compra de energia 
elétrica de qualquer fornecedor, conforme legislação e regulamentos 
específicos. 
Contrato de adesão: instrumento contratual com cláusulas vinculadas às 
normas e regulamentos aprovados pela ANEEL, não podendo o 
conteúdo das mesmas ser modificado pela concessionária ou 
consumidor, a ser aceito ou rejeitado de forma integral. 
Contrato de fornecimento: instrumento contratual em que a 
concessionária e o consumidor responsável por unidade consumidora 
do Grupo “A” ajustam as características técnicas e as condições 
comerciais do fornecimento de energia elétrica. 
Contrato de uso e de conexão: instrumento contratual em que o 
consumidor livre ajusta com a concessionária as características técnicas 
e as condições de utilização do sistema elétrico local, conforme 
regulamentação específica. 
 5
28
CAPÍTULO 2 – INTRODUÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA 
 
6
Demanda: média das potências elétricas ativas ou reativas, solicitadas 
ao sistema elétrico pela parcela da carga instalada em operação na 
unidade consumidora, durante um intervalo de tempo especificado. 
• 
• 
• 
• 
• 
• 
• 
• 
Demanda contratada: demanda de potência ativa a ser obrigatória e 
continuamente disponibilizada pela concessionária, no ponto de 
entrega, conforme valor e período de vigência fixados no contrato de 
fornecimento e que deverá ser integralmente paga, seja ou não utilizada 
durante o período de faturamento, expressa em quilowatts (kW). 
Demanda de ultrapassagem: parcela da demanda medida que excede o 
valor da demanda contratada, expressa em quilowatts (kW). 
Demanda faturável: valor da demanda de potência ativa, identificada de 
acordo com os critérios estabelecidos e considerada para fins de 
faturamento, com aplicação da respectiva tarifa, expressa em quilowatts 
(kW). 
Demanda medida: maior demanda de potência ativa, verificada por 
medição, integralizada no intervalo de 15 (quinze) minutos durante o 
período de faturamento, expressa em quilowatts (kW). 
Energia elétrica ativa: energia que pode ser convertida em outra forma 
de energia, expressa em quilowatts-hora (kWh). 
Energia elétrica reativa: energia elétrica que circula continuamente 
entre os diversos campos elétricos e magnéticos de um sistema de 
corrente alternada, sem produzir trabalho, expressa em quilovolt-
ampere-reativo-hora (kvarh). 
Estrutura tarifária: conjunto de tarifas aplicáveis às componentes de 
consumo de energia elétrica e/ou demanda de potência ativas de acordo 
com a modalidade de fornecimento. 
 6
29
CAPÍTULO 2 – INTRODUÇÃO AO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA 
 
7
Estrutura tarifária convencional: estrutura caracterizada pela aplicação 
de tarifas de consumo de energia elétrica e/ou demanda de potência 
independentemente das horas de utilização do dia e dos períodos do ano. 
• 
• Estrutura tarifária horo-sazonal: estrutura caracterizada pela aplicação 
de tarifas diferenciadas de consumo de energia elétrica e de demanda de 
potência de acordo com as horas de utilização do dia e dos períodos do 
ano, conforme especificação a seguir: 
a) Tarifa Azul: modalidade estruturada para aplicação de tarifas 
diferenciadas de consumo de energia elétrica de acordo com as 
horas de utilização do dia e os períodos do ano, bem como de 
tarifas diferenciadas de demanda de potência de acordo com as 
horas de utilização do dia. 
b) Tarifa Verde: modalidade estruturada para aplicação de tarifas 
diferenciadas de consumo de energia elétrica de acordo com as 
horas de utilização do dia e os períodos do ano, bem como de 
uma única tarifa de demanda de potência. 
c) Horário de ponta (P): período definido pela concessionária e 
composto por 3 (três) horas diárias consecutivas, exceção feita

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.