A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Papilomavírus humano

Pré-visualização | Página 1 de 1

Papilomavírus Humano
Rejane Oliveira Santos
Dados epidemiológicos - Brasil
Estimativas de novos casos: 16.370 (2018 - INCA)
Número de mortes: 6.385 (2017)
O câncer do colo do útero representa 8,1% das neoplasias malignas em mulheres, inferior apenas aos casos de tumores da mama (20,6%)
É responsável por 4,1% do total de casos de câncer no Brasil em ambos os sexos
No Nordeste ocupa a 2ª posição, com taxas de 28casos por 100 mil mulheres
Papilomavírus Humano (HPV)
Família: Papillomaviridae;
5 Gêneros: Alphapapillomavirus, Betapapillomavirus, Gamapapillomavirus, Mupapillomavirus e Nupapillomavirus;
Existem mais de 100 subtipos de vírus
Genoma: DNA de fita dupla circular; 8.000pb;
Capsídeo: 72 capsômeros, apresentando simetria icosaédrica;
Tamanho: 55 nm de diâmetro, e não possui envelope lipídico. 
Classificação quanto ao potencial oncogênico 
 Definida com base em estudos epidemiológicos, considerando a frequência dos diferentes tipos do HPV no desenvolvimento do câncer cervical; 
Alto Risco
HPV 16, 18,26, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 53, 56, 58, 59, 68, 66, 73 e 82
Baixo Risco
HPV 6, 11,40, 42, 43, 44, 54, 61, 70, 72, 81 e 89
HPV16 e 18: cerca de 70% dos casos de câncer cervical
HPV 6 e 11: cerca de 90% dos casos de verrugas genitais
Tropismo, tipos de HPV, doença associada
Tropismo
Tipo
Doença
Pele
1, 2, 3, 4,6, 60
Verruga plantar
1, 2, 4, 26, 27, 29, 41, 57, 65, 77
Verruga comum
3, 10, 28
Verruga plana
5, 8, 9, 12, 14, 15, 17, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 36, 46, 47
Epidermodisplasiaverruciformebenigna
5, 8, 20
Epidermodisplasiaverruciforme(carcinoma de célula escamosa)
7
Verruga do açougueiro
(manipulação de carnes contaminadas)
26, 27
Verruga comum (pacientes imunocomprometidos)
41
Carcinoma de célula escamosa cutânea
Tropismo, tipos de HPV, doença associada
Tropismo
Tipo
Doença
Mucosa
6, 11
Condiloma acuminado, papiloma conjuntival,papilomatoserespiratória recorrente
6, 11, 16
Papiloma oral
6, 11(baixo grau)
Neoplasiaintraepitelialinespecífica
16,18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52
Cânceres do trato anogenital
16
Cânceres de orofaringe
13, 32
Hiperplasiaintraepitelialfocal
16,18, 30, 31, 33, 34, 35, 39, 40, 42, 43, 44, 45, 51, 52, 56, 57, 58, 61, 62
Neoplasiaintraepitelialcervical
Proteínas Virais
Transmissão
Contato direto com a pele ou mucosa infectada, não necessariamente apenas por relações sexuais (principal forma de contagio);
Mãe para filho durante o parto;
Fatores de Risco
História pregressa de verrugas genitais
Outras infecções
Múltiplos parceiros sexuais
Imunodeprimidos
Gravidez
Fumar
Contraceptivos orais
Patogênese
Tempo de Incubação: 6 semanas a 2 anos
Os HPV pode infectar mucosa da boca, vias respiratórias superiores, conjuntiva, trato anogenital, com diferentes tipos de HPV exibindo preferências para sítios diferentes do corpo 
O vírus penetra por abrasão na pele, infectando a camada de células basais da epiderme. 
Patogênese
Na epiderme, o genoma viral é mantido na forma de epissoma nas lesões de baixo grau, em que somente os genes iniciais são expressos. 
A expressão desses genes estimula a proliferação das células basais, resultando em hiperplasia e levando à acantose e a um papiloma proeminente. 
Na displasia de alto grau ou no câncer pode ocorrer a integração do DNA viral no DNA celular.
Manifestações clínicas
Indivíduos infectados podem ter dois tipos de manifestações: 
Clínica: se apresentam como verrugas ou lesões, de tamanhos variados, 
Subclínica: manifestações que não podem ser visualizadas a olho nu, podendo acometer os mesmos locais da manifestação clínica, não gerando, entretanto, nenhum sinal ou sintoma. 
Manifestações Clínicas
Papiloma oral
Manifestações Clínicas
Papiloma conjuntival
Manifestações Clínicas
Condiloma acuminado
conhecido também como verruga genital, crista de galo, figueira ou cavalo de crista
Manifestações Clínicas
Câncer cervical
Em alguns casos não apresenta sintomas, mas podem apresentar
Dor: na pélvis e durante a relação sexual
Na menstruação: menstruação anormal, menstruação intensa, menstruação irregular ou sangramento pela vagina
Na região genital: corrimento vaginal anormal ou sangramento vaginal anormal
Também é comum: fadiga, náusea ou perda de peso
Diagnóstico
Clínico – observação a olho nu das verrugas
Papiloma laríngea 
Diagnóstico
Colposcopia – lesões subclínicas
Ácido acético a 5% aplicado nas regiões suspeitas durante 3 a 5 min leva ao aparecimento de lesões aceto-brancas
Lugol que se fixa sobre o revestimento do rico em glicogênio resultando uma coloração marrom. Se existir lesões do revestimento do colo a solução de Lugol não vai reagir .
Diagnóstico
Citopatologia
Papanicolau
Diagnóstico
Histopatologia
Analisa o tecido retirado a partir da biópsia; 
Identifica alterações celulares e histológicas, identificando as camadas acometidas e inclusive a invasão da membrana basal;
Tratamento – Verrugas/Condilomas
Aplicação de medicamentos nas áreas afetadas:
Creme Imiquimod
Resina Podofílica
Solução Podofilox
Creme de fluorouracil 5
Ácido tricloroacético
Os métodos que destroem as verrugas instantaneamente são:
Criocirurgia (congelamento)
Eletrocautério (queimado)
Tratamento com laser
Tratamento – Lesões pré- malignas
Lesões de alto grau: 
Exerese da lesão através de bisturi ou por excisão eletrocirúrgica (cirurgia de alta frequência), pois representam as lesões com maior probabilidade de evoluírem para o câncer do colo uterino. 
Pacientes com lesão de baixo grau devem ser acompanhadas através de exames citológicos e colposcopia, pois a maioria dessas lesões regridem espontaneamente;
Tratamento – Câncer cervical
Carcinoma in situ 
Retirada cirúrgica e acompanhamento a cada 6 meses com Citopatologia e Colposcopia;
Carcinoma invasor 
Histerectomia radical (cirurgia para a retirada do útero e das estruturas adjacentes) e a remoção dos linfonodos são necessárias;
A radioterapia é altamente eficaz no tratamento do câncer de colo do útero avançado que não se disseminou além da região pélvica; 
Quando há disseminação do câncer além da pelve, a quimioterapia é algumas vezes recomendada;
Prevenção
Uso de preservativo
Vacinação
Realização de exame preventivo
Vacina
A partir de 2017, o Ministério estendeu a vacina para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos.  
Essa vacina protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do HPV. 
Não exclui o acompanhamento por meio de exames preventivos.
Questão
Sobre o Papilomavírus Humano (HPV), marque V para verdadeiro e F para falso. Corrigindo as falsas : 
( ) O HPV infecta apenas a mucosa anogenital.
( ) As proteínas virais envolvidos no mecanismo oncogênico é o E6 e E7.
( ) O HPV possui DNA fita simples, capsídeo icosaédrico e possui envelope. 
( ) A vacina contra o HPV só pode ser tomada por meninas de 9 a 14 anos.
( ) Podem ser classificados pelo potencial oncogênico e epdemiologico.
( ) As verrugas são causadas pelos tipos 16 e 18, já o câncer cervical é causado principalmente, pelos HPV 6 e 11.
Resposta
Sobre o Papilomavírus Humano (HPV), marque V para verdadeiro e F para falso. Corrigindo as falsas : 
( F ) O HPV infecta apenas a mucosa anogenital.
( V ) Os genes envolvidos no mecanismo oncogênico é o E6 e E7.
( F ) O HPV possui DNA fita simples, capsídeo icosaédrico e possui envelope. 
( F ) A vacina contra o HPV só pode ser tomada por meninas de 9 a 14 anos.
( V ) Podem ser classificados pelo potencial oncogênico e epidemiológico.
( F ) As verrugas são causadas pelos tipos 16 e 18, já o câncer cervical é causado principalmente, pelos HPV 6 e 11.
OBRIGADA!!

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.