A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
62 pág.
UD 6 - Técnicas Especiais ok

Pré-visualização|Página 1 de 62

(Coletânea de Manuais / Tec Mil II/Vol I..................................................................... 252 /313 )
CAPÍTULO VI - TÉCNICAS ESPECIAIS
(Segundo o C21-78: Manual de Campanha Transposição de Obstáculos. Edição
1980; C21-74: Manual de Campanha Instrução Individual para o Combate. edição
Brasília, 1986; C 23-25: Básico-Armamento Baioneta. 3ª Edição. Brasília, 1994)
INTRODUÇÃO
Finalidade
O presente manual tem por finalidade divulgar conhecimentos gerais, proces sos e
técnicas para a transposição de obstáculos pelo combatente a pé
Objetivo
Padronizar no âm bito do Exército, os m étodos e a instrução de transposição de
obstáculos pelo combatente a pé. Destina -se ao uso em instrução e em campanha.
Importância do Treinamento
As operações colocam frequentemente as pequenas frações e o com batente a
diante d e obstáculos que devem ser transpostos com rapidez e seguran ça, a f im de
permitir o cumprimento da missão. Tais obstáculos são mais comuns em ambientes
especiais como a selva, a montanha, etc. A capacidade e a de streza das frações e dos
combatentes para vencer estes obstáculos, utilizando meios reduzidos e recur so s locais,
vai co ndicionar sua eficiência em combate. Instruir e treinar o combatente e a s pequenas
frações para a transposição de obstáculos significará, muitas vezes, garantir-lhes a
sobrevivência e o êxito
Conhecimentos Complementares
O T 5-725- Aparelhos de força - oferece dados comp lementares, e mais detalhados,
à Primeira Parte deste Manual, Igualmente, o C21-72 Montanhismo Militar oferece
conhecimentos complementares à transposição de obstá culos propriamente dita .
6.1 CORDAS, NÓS E LAÇADAS
Generalidades
Definição
Corda é um conjunto de cordões de fibra, torcidos ou trançados entre si.
Constituição Das Cordas
a. A corda é formada por très elementos: as fibras, os fios e os cordões.

(Coletânea de Manuais / Tec Mil II/Vol I..................................................................... 253 /313 )
Fig 2-1. Constituição das cordas
b. A corda recebe o nome da espécie de fibra empregada na sua fabricação,
podendo ser de origem animal, vegetal ou sintética
Espécies de Fibras
a. As fibras de origem animal (seda, crina e couro) têm o seu uso limitado.
b. As f ibras d e origem vegetal têm larga ap licação. As m ais utilizadas são: sisal,
cânhamo , algodão, coco e manilha (juta)
c. As f ibras de origem sintética (nylon, perlon e polieti leno) têm grande emprego e
duracão.
Tipos De Cordas
Os tipos de cordas são designados de acordo com a combinação das f ibras, f ios e
cordões que as constituem. Existem d ois tipos básicos, a corda trançada e a to rcida (Fig
2-2).
Fig 2-2. Corda trançada e corda torcida
Características
a. Bito la - é o diâm etro da corda e xpresso em polegadas, É comum encontrar a
bitola referenciada à circunferência da corda (perímetro)

(Coletânea de Manuais / Tec Mil II/Vol I..................................................................... 254 /313 )
b. Peso - é o número de quilos por metro de corda
c. Resistência
(1) Resistência é a máxima traç ão que a corda pode suportar, tam bém conhecida como
carga de ruptura.
(2) A carga de ruptura é obtida através de tabela específica para cada tipo de co rda, uma
vez que depende do mate rial componente d as fibras, da combina ção dos f ios e dos
cordões, bem como, da bitola da corda.
(3) Por medida de segurança, não se d eve submeter uma corda a u ma tração superior à
metade de sua carga de ruptura.
Tabela De Resistência
Para exemplificar, e para efeito de comparação do pe so da carga de ruptura entre
as cordas de sisal e as de nylon, é apresentada a tabela 2.1.
Diâmetro
Nominal
(POL)
Circunferência
(POL)
SISAL
NYLON
Peso por
metro (KG)
Carga de
ruptura (KG)
Peso por
metro (KG)
1/4
3/4
0,030
280
0,024
3/8
1 / 1/8
0,660
580
0,065
1/2
1 / 1/2
0,100
1.100
0,100
3/4
2 / 1/4
0,260
2.100
0,210
1
3
0,410
3.950
0,390
Tab 2-1. Tabela de resistência
OBSERVAÇÃO: os cabos referentes ao peso e à carga de ruptura das cordas de sisal e
das de nylon fo ram fornecido s, respectivamente, pelas Indústrias P. Maggi e Ipiranga S/A.
Os valores referem-se a cordas novas, usadas em condições favoráveis.
Nomenclatura
Elementos Fundamentais Das Cordas
a. Alça é uma volta ou curva em forma de "U", feita com uma corda
b. Anel - é uma volta em que as partes de uma corda se cruzam.
c. Chicotes são os extremos livres de uma corda.
d. Cocas são voltas ocasionais que aparecem em uma corda,
e. Firme - é a parte que fica entre o chicote e a extremidade fixa da corda
f. Seio - éa parte central de uma corda