A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
RESUMO ASPECTOS

Pré-visualização|Página 1 de 12

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
DISCIPLINA: ASPECTOS JURÍDICOS APLICADOS À ENGENHARIA
ADRIELLY FERREIRA GUIMARÃES
ATIVIDADE COMPLEMENTAR CONSTITUCIONAL
JUAZEIRO - BA
2019

1. FUNDAMENTOS E OBJETIVOS DO ESTADO
A constituição da República Federativa do Brasil tem como primeiro título “Dos princípios
fundamentais”, que aborda, dentre outros, os fundamentos e objetivos constitucionais. Ela é
regida por cinco fundamentos, que estão descritos do artigo primeiro: soberania, cidadania,
dignidade da pessoa humana, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e pluralismo
político. A soberania é a qualidade de Estado democrático de direito, ela no estado significa
a soberania do povo. Na seara internacional, equivalência entre os Estados, ou seja,
todo Estado nacional é soberano, seja ele Brasil ou Portugal, por exemplo.
Para entender a cidadania é necessário diferenciar, antes, o conceito de povo e população.
A população compreende todos os que vivem em uma determinada nação. O povo, por sua
vez são os brasileiros natos e naturalizados. Assim, a cidadania compreende todos os
direitos e obrigações de natureza política, como, por exemplo, votar e ser votado.
O princípio da dignidade da pessoa humana passa, ao longo do tempo, por um processo de
evolução e é algo de difícil definição. Como visto, com seu poder simbólico, passou a figurar
em demandas das mais diversas, trazendo sentidos cada vez mais distintos e inimagináveis
para sua mensagem.Injúria e estupro são considerados crimes contra a dignidade, por
exemplo.
O princípio de valores sociais do trabalho e da livre iniciativa determina que, no Brasil, o
indivíduo tem a possibilidade de crescer, se desenvolver ou empreender por meio de seu
trabalho e livre iniciativa. Nesse sentido, a proteção à autonomia da vontade, é um dos
aspectos fundamentais da própria proteção à dignidade da pessoas humana, fundamento
citado anteriormente, valor que é, como se sabe, a matriz de todos os direitos fundamentais
reconhecidos na constituição.
E o quinto e último fundamento, o pluralismo político é a admissão de ideias contrapostas,
em todas as situações, ou seja, é a possível e garantida existência de várias opiniões e
ideias com o respeito por cada uma delas. O pluralismo político, como base do Estado
democrático de direito, aponta o reconhecimento de que a sociedade é formada por vários
grupos, portanto composta pela multiplicidade de vários centros de poder em diferentes
setores.
o artigo terceiro aborda quais são o objetivos fundamentais da República Federativa do
Brasil, que consagram metas previstas na maioria dos tratados e convenções internacionais
sobre direitos humanos, tendo como principal interesse o de estabelecer a concretização da
democracia econômica, social e cultural, além de efetivar o princípio da dignidade da
pessoa humana. Constituído por quatro incisos, o primeiro diz construir uma sociedade
livre, justa e solidária”, nele o Estado tem de propiciar todos os meios para que a
democracia seja exercida. Esse preceito foi estabelecido para os brasileiros no intuito de
proporcionar bem estar, qualidade de vida e harmonia social. O inciso dois, que fala sobre
garantir o desenvolvimento nacional, dá-se pelo aperfeiçoamento do ser humano, das
propriedades e das instituições. Que esse desenvolvimento seja estendido à política, a

economia, a vida social e a todas às áreas que contribuam para o aperfeiçoamento da
nação.
Erradicar a pobreza e a marginalidade e reduzir as desigualdades sociais e regionais é
terceiro objetivo da constituição. Pelo enunciado podemos entender que é objetivo da nossa
República tomar medidas de governo que possibilite uma igualdade de condições para
todos os cidadãos. Medidas essas que tragam melhorias para áreas como educação, saúde
e emprego, dando às classes mais pobres maiores possibilidades a esses direitos.
O último inciso do artigo diz que “promover o bem de todos sem preconceitos de origem,
raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação, ou seja, que o nosso
país seja o país do respeito. Todo direito de todo dever tem de se estendido a qualquer
individuo, respeitando-se as normas da constituição e até onde for o direito do próximo.
2. DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS
O título dois da Constituição Federal do Brasil fala do direitos e garantias fundamentais,
como o próprio nome revela são direitos garantidos, hoje, a todos os seres humanos,
enquanto indivíduos de direito. Trata-se, assim, de garantias formalizadas ao longo do
tempo, inerentes aos indivíduos. E em razão disso, costumam andar atrelados às
concepções de direitos humanos.
O conceito de direitos fundamentais pode ser definido como direitos inerentes à pessoa
humana e essenciais à vida digna. Ainda, deve-se ressaltar que é dever do Estado
protegê-los. No entanto, eles também possuem características dos direitos fundamentais.
Eles são irrenunciáveis, ou seja, ninguém pode recusá-los, na medida em que são
inerentes, também são inalienáveis e invioláveis. Isto é, não podem ser vendidos, trocados,
disponibilizados ou violados, sob risco de punição do Estado. Além disso, são
imprescritíveis. Ou seja, não são atingidos pela prescrição e podem ser exigidos a qualquer
tempo. Do mesmo modo são universais, uma vez que aplicados indistintamente a todos os
indivíduos.
Não obstante, diz que são concorrentes, pois podem incidir em concomitância a outros
direitos fundamentais, e complementares, pois devem ser interpretados em consonância e
em conjunto ao sistema jurídico. Por fim, são limitados, na medida em que se dividem em
direitos relativos e direitos absolutos.
Enquanto os direitos fundamentais se referem aos direitos propriamente ditos constantes na
Constituição, as garantias fundamentais se referem a medidas previstas e visam a proteção
desses direitos. Assim, são exemplos de direitos fundamentais o direito à vida e à liberdade.
E são exemplos de garantias fundamentais o Habeas Corpus e o Habeas Data, além de
outros remédios jurídicos. da nacionalidade e direitos políticos.
O capítulo I, que aborda os direitos e deveres individuais e coletivos, apresenta uma série
de direitos e garantias que são fundamentais à vida humana digna. Contudo, o caput do
artigo apresenta 5 direitos que possuem ainda mais importância e são basilares para o
ordenamento jurídico. Desse modo, é a redação do artigo: todos são iguais perante a lei,
sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros