A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
128 pág.
Técnicas e Planejamento de Serrarias

Pré-visualização | Página 8 de 22

DE DOIS EIXOS (MOOSMAYER 
EQUIPAMENTOS MADEIREIROS LTDA.). 
 
 
 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
38
 
FIGURA 46. SERRA CIRCULAR MÚLTIPLA DE DOIS EIXOS. (INDÚSTRIAS 
KLÜPPEL LTDA.) 
 
 Existe ainda um tipo de serra circular de dois eixos que pode ser 
utilizada no reaproveitamento de costaneiras (FIGURA 47). Como a costaneira tem 
uma face curva, o que dificulta o posicionamento e fixação da peça no momento do 
desdobro, os eixos são dispostos verticalmente, de maneira que os discos de serra 
fiquem na posição horizontal. Esta conformação da serra permite um sistema de 
alimentação e fixação da serra mais eficiente. 
 
FIGURA 47. SERRA CIRCULAR DE DOIS EIXOS PARA CORTE HORIZONTAL E 
OPÇÃO DE DOIS CORTES SIMULTÂNEOS (INDÚSTRIAS 
KLÜPPEL LTDA.) 
 
 
 
 
 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
39
3.3.5 SERRAS CIRCULARES MÚLTIPLAS DE CORTES EM CURVA 
 
 Pode-se dizer que as serras circulares de corte em curva, como são o 
que há de mais avançado na tecnologia de desdobro de toras com serras circulares. 
Estas máquinas são utilizadas para transformar toras em tábuas, acompanhando as 
curvaturas naturais da tora (FIGURA 48). Ao saírem, as tábuas apresentam-se 
curvadas, porém, com adequado empilhamento para secagem, as mesmas 
adquirem superfícies planas. Esta técnica de desdobro tem como principais 
vantagens maior rendimento, em função de um maior aproveitamento da tora e as 
peças serradas têm maior resistência mecânica, em função de que o corte, ao 
acompanhar as curvaturas da tora, proporciona uma maior quantidade de fibras 
inteiras. Sempre acompanhando uma serra de corte em curva, existe um 
equipamento de rastreamento da tora ou bloco que será serrado, com o objetivo de 
definir o posicionamento correto da peça em relação às serras visando o seu melhor 
aproveitamento. 
 
FIGURA 48. SERRA CIRCULAR MÚLTIPLA COM CORTE EM CURVA. FONTE: 
EWD (2002). 
 
 
3.3.6 EQUIPAMENTOS DE PERFILAGEM 
 
 Os equipamentos de perfilagem são utilizados na maioria das vezes 
em operações de desdobro primário. Realizam cortes duplos simultâneos e têm 
como vantagem sobre as serras de fita e circulares a características de que a 
costaneira retirada da tora é imediatamente transformada em cavacos (FIGURA 49). 
São conhecidos como picadores perfiladores, serras picadoras, ou ainda em inglês, 
como “chipper canter”. 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
40
 
FIGURA 49. TECNOLOGIA DE DESDOBRO PRINCIPAL COM EQUIPAMENTOS 
DE PERFILAGEM. 
 
 Quanto à tecnologia, o picador perfilador é dividido em duas 
categorias: do tipo que contém somente facas e do tipo conjugado de serras com 
facas. Os sistemas que apresentam somente facas apresentam ferramentas 
compostas com lâminas ou facas laterais do tipo calçadas ou removíveis, 
semelhantes a fresas de usinagem de madeiras. Estas facas laterais desbastam a 
tora, transformando a costaneira diretamente em cavacos (FIGURA 50). 
 
FIGURA 50. SISTEMA DE PERFILAGEM DA TORA COM FACAS LATERAIS 
(KEY KNIFE, INC., CANADA.) 
 
 O outro tipo de tecnologia, é a utilização de duas serras laterais, as 
quais têm a finalidade de serrar a costaneira. logo atrás das serras, a costaneira que 
está sendo retirada, vai de encontro com estruturas cônicas que contêm facas em 
quantidades, disposições e ângulos pré-establecidos (FIGURAS 51 e 52). 
 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
41
 
 
FIGURA 51. DISPOSITIVO DE SERRA E FACAS UTILIZADO NO PICADOR 
PERFILADOR. 
 
 
 
FIGURA 52. PICADOR PERFILADOR. FONTE: EWD (2002). 
 
 O picador perfilador é um equipamento utilizado para desdobro 
principal, geralmente em serrarias que estão integradas com fábricas de chapas de 
partículas ou fábricas de celulose, pois o mesmo retira as costaneiras da tora e pica 
automaticamente as mesmas gerando cavacos de dimensões homogêneas. Como 
são realizados somente dois cortes no picador perfilador, as serrarias normalmente 
utilizam dois equipamentos deste tipo, sendo um instalado logo após o outro. No 
primeiro, são retiradas duas costaneiras, o semi-bloco é tombado, passando na 
sequência no segundo, onde são retiradas as outras duas costaneiras, resultando 
em um bloco final (FIGURA 53). 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
42
 
 
FIGURA 53. SAÍDA DE UM BLOCO, DO SEGUNDO PICADOR PERFILADOR, DE 
UMA LINHA COMPOSTA DE DOIS PICADORES PERFILADORES 
 
 Os picadores perfiladores podem ser utilizados também associados a 
serras de fita duplas ou quádruplas. Desta maneira, após passar no picador 
perfilador, onde são retiradas as costaneiras, o semibloco passa imediatamente em 
uma serra dupla ou em uma serra quádrupla, resultando em um semi-bloco central e 
duas tábuas laterais, no caso da serra dupla, ou quatro tábuas, no caso da serra 
quádrupla (FIGURA 54 e 55). 
A 
 
B 
 
 
FIGURA 54. LINHA DE SERRARIA COMPOSTA COM PICADOR PERFILADOR E 
SERRAS DE FITA PARA DESDOBRO PRINCIPAL. A – PICADOR 
PERFILADOR E SERRA FITA GEMINADA. B – PICADOR 
PERFILADOR E SERRA FITA QUÁDRUPLA. 
 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
43
 
 
FIGURA 55. CONJUNTO DE PICADOR PERFILADOR E SERRA FITA 
QUÁDRUPLA. 
 
 
3.4 SERRAS DESTOPADEIRAS 
 
 As serras destopadeiras são na maioria das vezes serras circulares 
adaptadas a operações de destopo. Os principais tipos são pendular, radial e de 
braço articulado, mais utilizadas em pequenas serrarias (FIGURA 56). 
 No caso das serrarias modernas, com alta produção, são utilizadas as 
destopadeiras de mesa duplas ou múltiplas. A destopadeira de mesa dupla, consiste 
em uma mesa contendo dois discos de serra diagonalmente opostos (FIGURA 57). 
Desta forma, a peça é transportada por correias, é destopada no primeiro disco para 
a regularização e retirada de defeitos do topo, logo após é jogada para o outro 
extremo da mesa através de rolos transversais acionados e é destopada pela 
segunda vez. Neste segundo destopo, o operador dispõe de vários “tops” na mesa, 
os quais permitem o bitolamento em vários comprimentos utilizados pela indústria. 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
44
 
FIGURA 56. PRINCIPAIS SERRAS DESTOPADEIRAS. A – PENDULAR; B – 
RADIAL; C – DE BRAÇO ARTICULADO; D – DE MESA SIMPLES. 
FONTE: TUSET E DURAN, 1979. 
 
 
 
 
FIGURA 57. DESTOPADEIRA DE MESA DUPLA. (MOOSMAYER 
EQUIPAMENTOS MADEIREIROS LTDA.). 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
45
 
 A destopadeira de mesa múltipla contém vários discos de serra, o que permite 
a execução de vários cortes simultâneos, transformando a peça em várias peças de 
comprimentos pequenos (FIGURA 58). Esta máquina é muito utilizada em serrarias 
que produzem madeira serrada para fábricas de móveis, onde os comprimentos das 
peças são muitas vezes pequenos. 
 
 
FIGURA 58. SERRA DESTOPADEIRA DE MESA MÚLTIPLA. FONTE: TUSET & 
DURAN, 1979. 
 
 No caso de destopo principal nos pátios das serrarias, é utilizada a 
destopadeira de corrente, a qual consta de um sabre contendo uma corrente, 
utilizando o mesmo princípio das motosserras ou então, o que é mais utilizada, a 
destopadeira circular de grande diâmetro (FIGURA 59). 
 
 
 
FIGURA 59. SERRA DESTOPADEIRA CIRCULAR DE TORAS (MOOSMAYER 
EQUIPAMENTOS MADEIREIROS LTDA.). 
 
 
TÉCNICAS E PLANEJAMENTO EM SERRARIAS – Márcio Pereira da Rocha 
46
 
4. PLANEJAMENTO PARA A INSTALAÇÃO DE UMA SERRARIA 
 
 
 
4.1 INTRODUÇÃO 
 
 
 
 Para a instalação de qualquer empreendimento industrial, é necessário 
um planejamento criterioso, para que no futuro os investimentos realizados não se 
transformem em prejuízos, em virtude de várias condições adversas que podem 
ocorrer. No caso da instalação de uma serraria, a finalidade do planejamento tem 
primordial importância a fim de se determinar o melhor local, empregar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.