A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
MODELOS DE NEGÓCIOS INOVADORES

Pré-visualização|Página 1 de 3

M ODE LOS D E NEG ÓCIOS IN OVAD ORES ( E)
Ques tão 1/ 5
-
https:/ / g loba l .rakuten.com/ en/s tore/deroque/i tem / toms 100 - 3198/
A em presa T om s Shoes é um modelo exempla r de em preendedori sm o socia l: a ca da pa r de sa patos vendi do; um outro par é dado para
crianças pobres ao redor do m undo. Tudo com eçou em uma viag em do a m ericano B la ke Mycos kie pela Argentina em 2006, qua ndo ele doou
al guns pa res de sa patos pa ra cri a nças s em condições. Desde então, es tim a - s e que ma is de 60 m il es de pa res f oram distribuí dos.
( fonte: https :// blog .contaa zul.com/ em preendedoris mo - social - exemplos- que- i ns pi ram - boas -i deias )
A partir dis so, e tom ando com o base os conteúdos es tudados, te m os que:
A) . Existe hoje um a menor cons ciência, por parte das empresas , de que é necess ário adiciona r ações de naturez a sustentável ( no s entido
am plo da pal avra ) nas org aniz ações;
B ). N este s entido, podemos dizer que uma das princi pais ca racterísti cas do em preendedoris m o s ocia l é a a doção periódi ca de causa s s oci ai s,
com o no exemplo adota do pela T om s S hoes . Ou s eja , a s doações o fei tas de tem pos em tem pos ;
C) . Mai s do que l ucro, o em preendedoris m o social vis a a transf orm açã o dos m eios nos qua is a em presa es i ns erida; bus cando mi nim iza r os
probl ema s exis tentes a través de s oluções que pos sa m prom over o bem -es tar do blico;
D) . O propósito é o que es por trás das a ções de em preendedori sm o s oci al, no qual o em preendedor des eja , a todo custo, m axim iz a r s eus
lucros f inancei ros .
Ques tão 2/ 5 - Model os de N eg ócios Inovadores ( E)
ht tp s://e xame .abr il .c om .br /revist a-e xame/as-st ar tu ps-amadur ece m/ ace sso em 2 4/0 8/2018

O i nfográf ico aci m a traz dados do 1o
Cens o de S tartups real iz ado no B ras il , a onde foram ouvidos f undadores, i nves tidores e ag entes de
m erca do. Com ba se nesta pesqui sa e nos conheci m entos da dis ciplina, avali e as a lternativas que se seg uem, a ss inal ando V ( para a lternativas
verdadeiras) e F (pa ra a lternativas f al sa s) :
( ) Podem os dar como certo e g a ranti r que as s tartups da á rea de tecnologi a de informa ção esta rão sem pre f ig urando no pos to de 1o
l ugar em
termos de s tartups de cresci mento rápido e express ivo
( ) é preci so bus car a dif erencia ção, f ocando nas necess idades do consumi dor, cas o, por exemplo, das s tartups de a ss inatura dig ita l que hoje
o basta nte popula res
( ) a perspectiva de s tartups na área de educaçã o é de cres cim ento, uma vez que a s pess oas procurarão cada vez m a is curs os on- li ne para
fa zer
( ) os deres não exercem pa pel i mporta nte na s s tartups, que não preci sa m trabal ha r ou cuidar da g es tão e contra taçã o da eq uipe para
g era r resulta dos posi tivos a os i nvesti dores
Qua l é a s equência correta?
A) . V -F - V- V.
B ). V -V -F - V.
C) . F -F - V- F.
D) . F -V -V -F.
Ques tão 3/ 5 - Qua nto à ori gem das org a ni za ções , a na li se a s s entenças a ba ixo, apontando V (para s entenças verdadeiras ) e F ( para s entenças
fa ls as ) :
( ) Divers as m udanças vêm ocorrendo nas org a ni za ções , dado que o perfil dos m odelos de negócios perma nece inal terado a o long o do tem po
( ) Antig am ente exis tiam pequena s ofici na s, a rtesãos, es col as , m édicos e a rma zéns de bairro; a través das quais os produtos eram p roduzidos
e trocados entre os m oradores. É certo af irm ar que i s to col abora para o desenvolvi m ento das ati vi da des econômi cas , a través do aumento das
produções , que s ão a m pl ia da s a os poucos , tendo como f oco o aumento das vendas
( ) Dentro das em pres as os s etores pass a m a s er s epa rados por áreas , com o produção, fi nancei ro e com pras. Is to tem como consequência ,
para a s em pres as , uma redução g era l de s eus custos, o que f a z com que a s m es ma s tenha m que busca r a otim iza ção de s ua s es trut ura s
funci onai s
( ) Com o s urg im ento de divers as i nvenções e o consequente i nves tim ento em pesqui sa e tecnologi a, as em pres as pass am a bus car m el hores
prá ticas em presaria is , em ba sa das em m etodol og ia s ci en fi cas , que pudess em contribui r na entrega de s ol uções pa ra a s dif i cul da des
enfrenta da s no cotidiano corporativo
A sequência correta é:
A) . V, F , V, V;
B ). V , V, V, F ;
C) . F, V , F , V;
D) . F , V, F , F .
Ques tão 4/ 5 - Model os de N eg ócios Inovadores ( E)
Observe a ilustração abaix o:
F onte: https:/ /w w w .ag endor.com.br/blog / estra tegi a - do- ocea no-a zul/
Um m odelo de negócios guia do por uma es tratég ia de i nova ção que pos sui com o pontos i mportantes a bus ca por novos m ercados e a g eração
de g ra nde i m pa cto f rente à concorrência , pos si bi li tando que a em pres a encontre um luga r confortável no m ercado (repres entativam ente
cha m ada de es tratég ia do ocea no a zul) es trata ndo de qual ti po de es tratég ia de i novaçã o es tudada?

A) . Inovação di srupti va.
B ). Inovação de es tím ul os.
C) . Inovaçã o incremental.
D) . Inovaçã o radical .
Ques tão 5/ 5 - Tendo em vis ta a s necess idades em ergentes de atendi m ento à s oci eda de, a bus ca por soluções para os divers os problem as
socia is hoje exis tentes no mundo é um dos pi la res que sustentam as ações do terceiro setor.
A partir di ss o, avali e as s entenças a seg uir, i dentif ica ndo- as como verdadeiras ( V) ou f a ls as ( F ) :
( ) A i dei a de atuaçã o do terceiro setor é, por m eio de s ua s a ções , g erar um i mpacto posi tivo na s oci edade
( ) exi ste um g rande conti ng ente de pess oa s, trabal ha ndo de forma voluntária ou profi ss ional neste seg m ento, no entanto, é uma á rea que
entra rá em decadência nos próxim os a nos
( ) A s ati vi da des de orga ni za ções do terceiro s etor estã o cada ma is prof is si onal iz adas
( ) Muitas vezes o terceiro setor es tabele ce parcerias , com o objeti vo de promover integ ração, cooperaçã o e a m axim i za ção dos es f orços na
execução de a tividades de uti li da de pública
A sequência corres pondente é:
A) . V -V -V -F.
B ). V -V -F - V.
C) . V- F -V -V.
D) . F -V -V -V.