MAPA MENTAL DIREITO PENAL_DUPRET
51 pág.

MAPA MENTAL DIREITO PENAL_DUPRET


DisciplinaDireito Penal IV8.364 materiais55.727 seguidores
Pré-visualização3 páginas
CRISTIANE DUPRET
mapas
mentais
DIREITO
PENAL
furto
art. 155,
cp
Estelionato
roubo
roubo
art. 157,
cp
APROPRIAÇÃO
INDÉBITA
FURTO
SUBTRAÇÃO
VIOLÊNCIA OU 
GRAVE AMEAÇA 
A PESSOA
POSSE ANTERIOR É DE MÁ FÉ
SUBTRAÇÃO
POSSE ANTERIOR É 
LÍCITA E DE BOA 
FÉ
SEM VIOLÊNCIA OU 
GRAVE AMEAÇA A 
PESSOA
com o uso da violência, grave ameaça ou 
meio que impossibilite a resistência da vítima
crimes
patrimoniais
crimes
contra
vida
HOMICÍDIO
DOLOSO
SIMPLES
CAPUT
DO ART.
121, CP
ART. 121, §1º, CP
ART. 121, §2º, CP
ART. 121, §5º, CP
PRIVILEGIADO
QUALIFICADO
CABIMENTO
DE PERDÃO
JUDICIAL
CULPOSO
PERDÃO JUDICIAL É UMA CAUSA
EXTINTIVA DE PUNIBILIDADE (ART. 107, IX,CP)
HOMICÍDIO
CRIME HEDIONDO
HOMICÍDIO SIMPLES, PRATICADO 
EM ATIVIDADE TÍPICA DE GRUPO 
DE EXTERMÍNIO, AINDA QUE 
POR UM SÓ AGENTE
HOMICÍDIO QUALIFICADO
(§2º DO ART. 121, CP)
HOMICÍDIO
SIMPLES
CONDICIONADO
HOMICÍDIO
qualificado
INCISO VI - 
FEMINICÍDIO
VIGÊNCIA:
10/03/15
ATENÇÃO: Alterações
Legislativas
OUTRAS
QUALIFICADORAS:
INCISOS I A V
INCISO VII - 
HOMICÍDIO
FUNCIONAL
VIGÊNCIA:
07/07/15
Hediondez: Crimes 
inafiançáveis e 
insuscetíveis de 
anistia, graça e 
indulto.
HOMICÍDIO
privilegiado
POR RELEVANTE
VALOR SOCIAL
ART. 121, §1º, CP
SOB DOMÍNIO DE 
VIOLENTA EMOÇÃO
POR RELEVANTE
VALOR MORAL
HOMICÍDIO
majorado
ART. 121, §4º, CP ART. 121, §6º, CP ART. 121, §7º, CP
HOMICÍDIO CULPOSO
-Se o crime resulta de 
inobservância de regra 
técnica de profissão, arte 
ou ofício;
-Se o agente deixa de 
prestar socorro à vítima, 
não procura diminuir as 
consequências do seu 
ato, ou foge para evitar 
prisão em flagrante.
-Se o crime é praticado 
contra pessoa menor de 
14 (quatorze) ou maior 
de 60 (sessenta) anos.
-Crime praticado durante a 
gestação ou nos 3 meses 
posteriores ao parto;
-Contra pessoa menor de 
14 anos, maior de 60 anos 
ou com deficiência;
-Na presença de 
descendente ou de 
ascendente da vítima.
HOMICÍDIO DOLOSO
CRIME PRATICADO 
POR MILÍCIA PRIVADA
FEMINICÍDIO
CAUSAS DE
AUMENTO
DE PENA
ERRO
ESSENCIAL
ERRO
ACIDENTAL
ART. 20,
CAPUT, CP
INEVITÁVEL
EXCLUSÃO DO 
DOLO E DA CULPA
PERMITIDA A PUNIÇÃO 
POR CULPA, SE PREVISTA 
EM LEI
ERRO SOBRE A PESSOA
ERRO NA EXECUÇÃO
(ABERRATIO ICTUS)
RESULTADO DIVERSO
DO PRETENDIDO
(ABERRATIO CRIMINIS)
EVITÁVEL
ART. 73, CP
ART. 74, CP
ART. 20, §3º,
CAPUT, CP
teoria
do
erro
crime de
tortura
(lei 9455/97)
ART.1º, INCISO I,
ALÍNEAS \u201ca\u201d, \u201cb\u201d e \u201cc\u201d
TORTURA PROVA CONSUMAÇÃO
DO CRIME
A consumação de 
todos estes crimes 
ocorre com o 
constragimento da 
vítima, mediante 
violência ou grave 
ameaça. causando à 
vítima sofrimento 
físico ou mental.
Estes crimes podem 
ser praticados por 
quqlquer pessoa.
CRIMES
COMUNS
POSSUEM ESPECIAL
FIM DE AGIR
TORTURA CRIME ASPECTOS
EM COMUM
TORTURA
DISCRIMINATÓRIA
legislacao especial
crime de
tortura
(lei 9455/97)
ART.1º, I§ Iº
ART.1º, INCISO II
O agente tem 
dolo de causar 
intenso 
sofrimento na 
vítima
A vítima está 
sob a guarda, 
poder ou 
autoridade do 
sujeito ativo 
(agente)
Crime próprio, 
pois não é 
qualquer 
pessoa que 
pode praticar 
esse crime
Pessoa que 
esteja presa
Ou pessoa que 
esteja sujeita a 
medida de 
segurança
TORTURA CASTIGO
TORTURA
PROPRIAMENTE
DITA
ATENÇÃO!
Há um sujeito
passivo específico
crime de
tortura
(lei 9455/97)
ART.1º, §3º
DOLO NA TORTURA
CULPA
NA LESÃO 
GRAVE
OU NA
MORTE
CRIME PRETERDOLOSO TORTURA QUALIFICADA UMA NOVA ESCALA PENAL
ATENÇÃO!
crime de
tortura
(lei 9455/97)
ART.1º, I§ 5º
CONSEQUÊNCIAS
ACARRETARÁ
ART.1º, §4º
Crime cometido 
por agente 
público
Crime cometido 
contra criança, 
gestante, portador de 
deficiência, 
adolescente ou mais 
de 60 anos
Crime cometido
mediante 
sequestro
A perda do 
cargo, função 
ou emprego 
público 
E a interdição 
para seu 
exercício pelo 
dobro do prazo 
da pena 
aplicada 
CAUSAS DE AUMENTO DE PENA
CONDENAÇÃO 
DO AGENTE 
PELO CRIME DE 
TORTURA
3ª FASE
DOSIMETRIA
DA PENA
EFEITO
AUTOMÁTICO
DA 
CONDENAÇÃO
MODALIDADES
de
tortura
distinção
entre
- TORTURA PROVA;
- TORTURA CRIME;
- TORTURA
DISCRIMINATÓRIA. 
TORTURA
CASTIGO MAUS - TRATOS
- TORTURA 
CASTIGO / 
INTENSO 
SOFRIMENTO
- TORTURA 
PROPRIAMENTE 
DITA
- TORTURA
POR
OMISSÃO
ART.1º, LEI
9.455/57
ART.1º, INCISO II
(LEI 9455/97)
Dolo na tortura: o 
agente tem a intenção 
de provocar o intenso 
sofrimento na vítima.
Dolo em expor a vítima 
a perigo: o agente tem 
a intenção de educar, 
disciplinar, mas acaba 
maltratando a vítima
- animus corrigendi
- animus disciplinandi
ART. 136, CP
VIOLÊNCIA
DOMÉSTICA
CONTRA
A MULHER
VIOLÊNCIA
FÍSICA
VIOLÊNCIA
PSICOLÓGICA
VIOLÊNCIA
SEXUAL
VIOLÊNCIA
PATRIMONIAL
VIOLÊNCIA
MORAL
CONCEITO
ANALÍTICO
DE CRIME
EXCLUDENTES
DA
CULPABILIDADE
CULPÁVEL ILÍCITO
FATO
TÍPICO
CULPABILIDADE
INIMPUTABILIDADE
INTEIRA INCAPACIDADE DE ENTENDIMENTO
CRITÉRIO
BIOLÓGICO
CRITÉRIO
BIOPSICOLÓGICO
ILICITUDE TIPICIDADE
ART. 27, CP:
menoridade
ART. 26, CAPUT CP:
doença mental ou 
desenvolvimento mental 
incompleto ou retardado
ART. 28, §1º, CP:
embriaguez completa 
proveniente de caso 
fortuito ou força maior.
conceito
de
crime
ILICITUDE TIPICIDADE
EXCLUDENTES
DA ILICITUDE
QUANDO O AGENTE 
ATUA EM
CONDUTA
ELEMENTOS
ESPÉCIES
- COMISSIVA;
- OMISSIVA;
- LEGITIMA DEFESA;
- ESTADO DE
 NECESSIDADE;
- ESTRITO CUMPRIMENTO
 LEGAL;
- EXERCÍCIO REGULAR DO
 DIREITO;
QUANDO HÁ O 
CONSENTIMENTO DO 
OFENDIDO
CONSTRUÇÃO
DOUTRINÁRIA E 
JURISPRUDENCIAL
- INDIRETO;
-DIRETO;
- EVENTUAL.
- CONSCIENTE
- INCONSCIENTEART. 23
DO CP
PENAS
PRIVATIVAS
DE LIBERDADE
RECLUSÃO
REGIME INICIAL:
em regime fechado, 
semiaberto ou aberto.
REGIME INICIAL:
em regime semiaberto ou aberto, 
salvo a necessidade de 
transferência a regime fechado.
REGIME
PROGRESSIVO E
REGRESSIVO
DETENÇÃO
ART. 33, §2º, CP
PROGRESSÃO
DE REGIME
PROGRESSÃO
DE REGIME
Apesar de não poder ser iniciada em 
regime fechado, a detenção poderá 
sofrer regressão no regime de 
umprimento de pena, passando dde um 
regime menos rigoroso a outro mais 
rigoroso, inclusive para o regime fechado
teoria da pena
penas
restritivas
de direito
ART.43 CP ART.44 CP
PRESTAÇÃO
PECUNIÁRIA
PERDA DE BENS 
E VALORES
PRESTAÇÃO 
DE SERVIÇO À 
COMUNIDADE 
OU A 
ENTIDADES 
PÚBLICAS
INTERDIÇÃO 
TEMPORÁRIA 
DE DIREITOS
LIMITAÇÃO DE 
FIM DE 
SEMANA
o juiz poderá realizar a substituição 
da pena privativa de liberdade.
(art. 44, I, II, II, CPP)
infração
penal
CONTRAVENÇÃO
PENAL
CRIME SANÇÃO PENAL
ART. 32 CP
PRISÃO SIMPLES
(ART. 1º DA LICP)
PENAS PRIVATIVAS
DE LIBERDADE
RECLUSÃO
DETENÇÃO
PENAS RESTRITIVAS
DE DIREITOS
MULTAPENAS
MEDIDAS DE
SEGURANÇA
QUANDO UM
ÚNICO AGENTE
PRATICA MAIS
DE UM DELITO
concurso
formal
CONCURSO
MATERIAL
CÚMULO
MATERIAL
+ DE UMA
AÇÃO
REGRA DE 
EXASPERA-
ÇÃO
+ DE UMA
AÇÃO
REGRA DE 
EXASPERA-
ÇÃO
UMA SÓ
AÇÃO
CONCURSO
FORMAL
PONTO
EM COMUM
CRIME
CONTINUADO
A conduta é 
dolosa e o agente
tem desígnios 
autônomos
O agente tem dolo 
em um resultado e 
culpa nos demais
O agente tem culpa 
de todos os
resultados
Cúmulo 
material 
benéfica 
quando a 
exasperação 
prejudica o réu
Cúmulo 
material: as 
penas são 
somadas
Regra da 
exasperação: 
uma