Instrução Normativa MAPA Nº 5 _2016_editada para REMINERALIZAÇÃO
9 pág.

Instrução Normativa MAPA Nº 5 _2016_editada para REMINERALIZAÇÃO


Disciplina<strong>normas</strong> <strong>e</strong> Legislação2 materiais3 seguidores
Pré-visualização9 páginas
Instrução Normativa MAPA 5 DE 10/03/2016
Pub licado no DO e m 14 mar 2016
Ficam e stabe lecidas as regras sob re de f iniçõe s, classif icação, e spe cif icaçõe s e garantias,
tole râncias, re gistro, e mb alagem, rotulage m e p ropaganda d os re mineralizadore s e s ubstrat o s
para plantas , de stinados à agricultura.
A Ministra de Estado da Agricultura, Pe cuária e A baste cime nto, n o u so das atribuiçõe s que l h e
con f e re o art. 87, parágrafo único, inciso II , da Cons tituição, tend o e m vista o disposto n o art.
3º do An e x o do De cre to n º 4.954, d e 14 de j ane iro de 2004, e o que consta do Proces so n o
21000.003626/201 5-32, Re solve :
Art. 1º Ficam e s tabe le cidas as re gras sob re de f in ições , class if icação, e spe cif icaçõe s e garantias,
tole râncias, re gistro, e mb alage m, rotulage m e propaganda dos re min e ralizadore s e s ubstrat o s
para plantas , de stinados à agricultura.
CAPÍTULO I - DEFIN IÇÕES, CLASSIFICAÇÃO, EXIG ÊNCIAS, ESPECIFICAÇÕES, G ARANTIAS E
REGISTRO
Se ção I Das De fi ni çõe s
Art. 2º Para os f ins de sta I nstrução Norm ativa, considerase :
I - capacidade de re te nção de água (CRA ) : p ropried ade de u m mate rial re te r água,
de te rminado p e la massa de água re tid a e m re lão à mass a se ca d o p roduto, e x pre ss o e m
pe rce n tual ( massa/mass a);
II - cap acidade de troca catiônica ( CTC): q uantidade total d e tions adso rvidos po r unidad e d e
massa, e x pre sso e m mmo lc.kg - 1 o u mmolc. dm - 3;
III - condutividade e lé trica ( CE): capacidade de uma solução de conduz ir corre nte e lé trica
de v ido à pre se nça de íons diss olv idos , se ndo o valor e x p res so em mi liSie me ns po r ce n t í m e t r o
( mS.cm- 1) ;
IV - de nsidade: me dida resu ltante da relação massa por volume , ex pre ssa e m quilogramas p o r
me tro cúbico ( kg. m- 3), e m base se ca;
V - pote ncial Hidroge n iônico (pH) : e scala logarítmica qu e me d e o grau de acide z, ne utralidad e
ou alcalinidad e de um produto;
V I - s oma de base s: garantia d os re mineralizadore s constituída pe la soma do s te ore s de
CaO+ MgO+ K 2O ou p e la s oma dos te ore s de CaO+ K2O ou pe la soma dos teo res de MgO+ K2O; e
V II - umidade máx ima: qu antidade máx ima d e água qu e um produto s ólido acabado p ode
con te r, e x pre sso e m porce ntage m (peso/p eso).
Se ção II Cl assi f i cação
Art. 3º Os sub stratos para plantas se rão class if icado s quanto à orige m e tipo de maté rias -
primas utilizadas na sua f abricão e m:
I - Classe "A ": p roduto q ue utiliza, e m su a produção, maté ria -p rima de orige m ve ge tal, animal
ou de proce ss ame ntos da agroindústria isen tos d e d e spe j os sanitários, on de n ão se j am
utilizados n o proces so me tais p e sados tóx icos, e leme ntos ou compostos pote n cialmen te
tóx icos, re sultan do e m prod uto de u tilização se gura na agricultura;
II - Class e "B": produ to q ue utiliza, e m sua p rodução, maté riaprima oriun da de proce ss amen t o
da atividade industrial ou da agroindús tria ise n tos de de spe j o s sanitários , onde me tais pe sados
tóx icos, e leme n tos ou compostos pote n cialme nte x icos são utilizado s no proces so,
res ultando e m p roduto de u tilização se gu ra na agricultura;
III - Classe "C": p roduto q ue utiliza, e m su a produção, qualque r quantidade de ma ria - prima
oriunda d e lix o do miciliar ise n tos d e d e spe j os sanitários ou mate riais pote ncialme nte tóx icos,
res ultando e m p roduto de u tilização se gu ra na agricultura;
IV - Class e "D": produto qu e utiliza, em sua produ ção, qualque r quantidade de ma ria - prima
oriunda do tratame nto de de spe j os s anitários e industriais, re sultand o e m produ to de
utilização se gura na agricultura;
V - Classe "E": produ to q ue utiliza, e m sua produção, e x clusiv ame nte maria - prima d e o rig e m
mine ral ou sinté tica, re sultan do em produto de utilização se gura na agricultura; e
V I - Classe "F": produto que utiliza, e m su a produção, e m qualqu e r proporção, a mistu ra d e
matérias- p rimas oriun da dos produ tos das Classe s "A" e "E", resp e ctiv ame nte, d os incisos I e V
de ste artigo.
Se ção III Espe cifi cações e G arantias do Produto
Subseção I Re mine ral izadore s
Art. 4º Os re mineralizadore s de v e o apres e ntar as se guinte s e spe cif icaçõe s e garantias
nimas :
I - e m re lão à e s pe cificão de nature za f ísica, nos te rmos do A ne x o I d e sta Ins trução
No rmativ a;
II - e m relação à soma de base s ( CaO, MgO, K 2O) , de v e s e r igual ou sup e rior a 9% (n ove por
ce n to) e m p e so/ pe so ;
III - e m relação ao te or de óx ido de potássio ( K2O) , d e ve se r igual ou s upe rior a 1% (u m po r
ce n to) e m p e so/ pe so ; e
IV - e m re lão ao p ote ncial Hidroge niônico ( pH) d e abrasão, v alor conforme de clarado pe lo
registrante .
§ Quando os re mine ralizadore s contive rem naturalme nte o macronu trie nte f ós f oro e
micronu trie nte s, o s se us te ores p ode m se r de clarados so me nte se fore m iguais ou s up e r i o r e s
aos v alore s e x pre ssos n o A ne x o II de sta I nstrução No rmativ a.
§ 2º N ão s e o re gistrados no Ministé rio da A gricultura, Pe cuária e A baste cime nto - M A PA ,
f icand o v e dadas a produção, importação e come rcialização no país d e re mine raliz adores que
con tive rem:
I - e m relação ao SiO2 liv re prese nte no produto , teo r supe rior a 25% (v inte e cinco por cen to)
e m volume /v olume ; e
II - e m relação aos e leme ntos pote ncialme nte tóx icos pre sentes no produto, te ore s s upe riore s
a:
a) para A rsê nio ( As ) : 15 ppm;
b) para Cádmio ( Cd) : 10 pp m;
c) para Me rcúrio (Hg): 0, 1 p pm; e
d) para Chumb o ( P b) : 200 ppm.
Subseção II
Substrato para Pl antas
Art. 5º O s sub stratos p ara plantas de v e m apre se ntar as garantias de condu tividade e létrica
( CE), po te ncial Hidrogeniônico ( pH) , umidade máxima, de nsi d ade e capacidade de rete n ção d e
água (CRA ) e x pre ssas da se guinte f o rma:
I - condutividade e lé trica (CE) M áxima e m miliSieme n s por ce ntíme tro ( mS. cm - 1) ;
II - de nsidade e m kg.m - 3 ( e m base se ca) ;
III - p ote ncial hidroge n iônico (p H) e m água, em valor absoluto ;
IV - umidade máx ima em pe rce ntu al, e m pe so/ pe so; e
V - capacidade de re te nção de água (CRA ) e m p e rce ntual, e m pe so /pe s o.
§ 1º Facultativ ame nte , pod e se r of e recida garantia p ara capacidade de troca catiô nica (CTC) ,
e x pre ssa e m mmolc.d m - 3 ou mmolc.k g- 1.
§ Os valore s p ara pote ncial hid rogeniônico ( pH) e condutividade e létrica ( CE) de ve m se r
e x pre sso s com a indicão do se u v alor absoluto.
CAPÍTULO II DAS TOLERÂNCIAS
Art. 6º A os re sultados analíticos ob tidos , se rão admitidas tole râncias e m re lação às gara ntias
do prod uto, ob se rvados os se guinte s limites:
I - para def i ciê ncia, os l i mites de tole ncia o pode m se r superiores a:
a) para remine rali zador:
1. com re lão à so ma dos óx idos: até 10% ( de z por ce nto) p ara me no s, se m ultrapassar 1, 5
( uma e me ia) un idade ;
2. com re lação aos n utrie nte s garantidos o u d e clarados: até 25% ( v inte e cinco por cen to) p a r a
me nos , se m ultrapass ar 1 ( uma) u nidade ; e
3. com re lação ao pote ncial Hidrogen iônico (pH) de abrasão: até 1 ( uma) unidade para me n o s ;
e
4. com relação à e spe cif icão de nature za f ísica, nos te rmos d o An e x o I II d e sta I nstrução
No rmativ a.
b) para substrato para pl antas:
1. pote ncial Hidrogen iônico (pH) : até 1 ( u ma) unidad e p ara me no s;
2. capacidade de re te nção de água ( CRA) : até 10% ( d e z por cent o) para me no s;