economia AV1
1 pág.

economia AV1

Pré-visualização1 página
15/01/2020 UNIASSELVI - Centro Universitário Leonardo Da Vinci - Portal do Aluno - Portal do Aluno - Grupo UNIASSELVI
https://portaldoalunoead.uniasselvi.com.br/ava/notas/request_gabarito_n2.php 1/1
Laiz Gomes dos Santos (1808381)
Economia (ECO20)
Avaliação I - Individual Semipresencial ( Cod.:460155) ( peso.:1,50)
14227594
1. Estudamos o surgimento do pensamento econômico e as diversas correntes de pensamento que se
desenvolveram no decorrer da história da sociedade. Assim como as demais ciências classificadas como ciências
sociais, o desenvolvimento da economia está intimamente ligado aos acontecimentos do mundo real, que, por sua
vez, são dinâmicos, e estão relacionados com o processo de desenvolvimento da sociedade no contexto histórico.
Assim, a partir do século X VI começaram a surgir algumas escolas que marcaram o pensamento econômico:
Mercantilista, Fisiocrata, Clássica, Neoclássica, Keynesiana, Marxista etc. Cada uma dessas escolas tinha uma
visão a respeito de como a economia deveria ser e contribuir para o crescimento/desenvolvimento da nação. Um
ponto que diferencia estas escolas é como o Estado deve participar dos processos econômicos. Considerando
essas informações, escreva uma redação com o tema: A PRESENÇA DO ESTADO N A ECONOMIA DURANTE A
EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO.
A questão da presença do Estado na economia recebeu diversas interpretações por parte dos estudiosos, que se
dedicaram a estudar como os processos econômicos se desenvolviam nas sociedades. Ora os economistas
defendiam a forte presença do Estado na economia, ora pregavam que a livre concorrência era o caminho ideal. A
primeira escola abordada foi a Mercantilista, que pregava que o Estado deveria exercer for te influência sobre as
questões econômicas, direcionando a economia da nação para o comércio, gerando a acumulação de metais
preciosos. Mais tarde, a escola Fisiocrata, em oposição à Mercantilista, passou a defender que o Estado não deveria
intervir. A escola Clássica, que tinha como expoentes Adam Smith, David Ricardo, Thomas Malthus e John Stuart Mill,
manteve o pensamento dos Fisiocratas, pregando que a livre concorrência, ou seja, o equilíbrio, dar-se-ia sem a
intervenção do Estado. O mesmo ocorreu com a escola Neoclássica, que, através de seus pensadores, buscou provar
que os resultados de um mercado de livre concorrência (que estipulou como concorrência perfeita) são benéficos para
a sociedade. Em oposição à escola neoclássica, surgiu o pensamento marxista, baseado na obra de Karl Marx ? O
Capital (1867), que defendia, entre outras coisas, que toda a coordenação dos processos econômicos ? basicamente
produção e circulação de mercadorias ? deveria estar sob a tutela do Estado. Mais à frente, surge uma vertente da
escola neoclássica que foi a baseada no pensamento de John Maynard Keynes, denominada de Keynesiana. A
sociedade ocidental vivia um momento de forte turbulência no campo econômico, que acabou por culminar no que
ficou conhecido como a Grande Depressão de 1929. Com relação à intervenção do Estado na economia, a teoria de
Keynes considerava fundamental que o Estado assumisse um papel ativo e decisivo na condução dos processos,
promovendo o crescimento econômico.