A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
281 pág.
ANLISE_DO_COMPORTAMENTO_E_EVOLUO_CULTURAL_RELAES_ENTRE_AS_PROPOSTAS_CONCEITUAIS_DE_B F _SKINNER_E_S S_GLENN

Pré-visualização | Página 3 de 50

86 
2.2.1 Produto agregado na macrocontingência. .................................................... 87 
2.2.2 Produto agregado com contingência entrelaçada sem recorrência. ............. 89 
2.2.3 Produto agregado na metacontingência. ...................................................... 90 
2.3 Sistema Receptor ...................................................................................................... 94 
2.4. Metacontingência..................................................................................................... 98 
2.4.1 Metacontingência como seleção de contingências entrelaçadas favoráveis à 
sobrevivência física dos indivíduos participantes. ................................................ 99 
2.4.2 Metacontingência como seleção de contingências entrelaçadas de modo 
análogo à seleção operante. ................................................................................. 101 
2. 4.3 Relações entre meta e macrocontingência. ............................................... 106 
2. 4.3.1 Macro e metacontingências: duas fontes de produtos agregados que 
afetam as chances de sobrevivência física dos indivíduos. ............................ 107 
2.4.3.2 Macro e metacontingências: diferentes processos seletivos. ............. 108 
3. Relações entre Evolução Cultural em B. F. Skinner e S. S. Glenn..................... 113 
3.1 Unidades de Seleção ............................................................................................... 113 
3.1.1 Prática cultural em Skinner e Glenn........................................................... 114 
3.1.2 Contingência entrelaçada em Glenn e comportamento cooperativo em 
Skinner. ............................................................................................................... 115 
3.1.3 Prática cultural versus contingência entrelaçada........................................ 117 
3.1.4 Prática cultural em Skinner e as linhagens culturo-comportamentais e 
culturais em Glenn. ............................................................................................. 119 
3.2 Consequência Cultural ............................................................................................ 124 
3.3 Relações Entre o Processo de Evolução Cultural em Skinner e Glenn .................. 125 
3.3.1 Sobrevivência da cultura em Skinner e metacontingência em 2.4.1. ......... 126 
3.3.2 Sobrevivência da cultura e metacontingência em 2.4.2. ............................ 130 
3.3.3 Sobrevivência da cultura como sobrevivência dos seus conjuntos de 
contingências de reforçamento social e a metacontingência............................... 133 
Conclusão .................................................................................................................... 136 
Referências Bibliográficas ......................................................................................... 140 
Anexo I ......................................................................................................................... 148 
Anexo II ........................................................................................................................ 224 
 
 
 
 
LISTA DE FIGURAS 
Figura 1: Representação esquemática dos relatos de eventos que controlam a emissão 
do conceito de prática cultural em S. S. Glenn................................................................86 
Figura 2: Diagrama esquemático do experimento de Vichi, Andery & Glenn............104 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
LISTA DE TABELAS 
Tabela 1: Bibliografia de B. F. Skinner Selecionada.....................................................26 
Tabela 2: Bibliografia de S. S. Glenn Selecionada........................................................30 
Tabela 3: Modelo de categoria de registro.....................................................................31 
Tabela 4: Unidades de seleção cultural: Relações entre o tratamento de Skinner e Glenn 
a conceitos comuns e relatos de eventos (RE) agrupados na mesma classe..................124 
Tabela 5: Relações entre conceitos e relatos de eventos aos quais eles são aplicados em 
Skinner e Glenn: unidade de seleção, consequência cultural e processo de evolução 
cultural...........................................................................................................................137 
14 
 
 
Introdução 
 
B. F. Skinner (1904-1990), principal teórico da Análise do Comportamento e 
fundador do Behaviorismo Radical, incluiu os fenômenos culturais como parte do 
objeto de estudo da Análise do Comportamento desde muito cedo (e.g., 1948, 1953, 
1959). Já em 1948, com a publicação de seu livro ―Walden II‖, romance sobre uma 
comunidade utópica baseada em princípios filosóficos e tecnológicos fundamentados 
pela Análise do Comportamento, Skinner concebe a ciência não só como um meio de 
produzir uma vida mais feliz e produtiva para o indivíduo, mas que, de uma forma mais 
abrangente e desafiadora, incluiria a preocupação em promover a sobrevivência das 
culturas. 
Alguns anos mais tarde, em ―Ciência e Comportamento Humano‖ (1953) 
Skinner dedica-se extensivamente à investigação de fenômenos sociais. Entre os 
assuntos tratados neste livro destacam-se: o comportamento de pessoas em grupo, as 
agências controladoras do comportamento e o planejamento de uma cultura. A Análise 
do Comportamento passa a demonstrar uma capacidade teórica promissora para a 
análise e intervenção em contextos mais amplos. Assim, fenômenos sociais e culturais 
são considerados não somente parte do que se busca explicar para a previsão e controle 
do comportamento individual, mas estudar e intervir na cultura constitui por si parte do 
escopo de uma ciência do comportamento. Nas palavras de Skinner: 
The deliberate manipulation of the culture is therefore itself a characteristic of 
many cultures - a fact to be accounted for in a scientific analysis of human 
behavior. Proposing a change in a cultural practice, making such a change, and 
15 
 
accepting such a change are all parts of our subject matter. (Skinner, 
1953/2014, p. 427) 
Embasando as propostas de intervenção da Análise do Comportamento está o 
modelo de seleção por consequências (Skinner, 1981/1987b), que prevê a ação de 
variáveis selecionadoras em três níveis de análise distintos, porém complementares. O 
primeiro destes níveis, a filogênese, refere-se às contingências de sobrevivência 
responsáveis pela seleção natural das espécies; o segundo nível, a ontogênese, diz 
respeito às contingências de reforçamento responsáveis pelo repertório adquirido por 
seus membros, incluindo contingências especiais mantidas por um ambiente social 
evoluído, que compõem o terceiro nível de seleção. 
A evolução das culturas torna-se um nível especial de análise devido à 
produção de outro tipo de consequência. De acordo com Skinner, ―it is the effect on the 
group, not the reinforcing consequences for the individual members, that is responsible 
for the evolution of the culture.‖ (Skinner, 1981/1987b, p. 54). As práticas de uma 
cultura não se mantêm apenas por serem reforçadoras para os membros de grupo, mas 
porque ―contribute to the survival of the group and are perpetuated because they do so‖ 
(Skinner, 1984/1987d, p. 74). 
Apesar de Skinner recorrer à contingência de reforçamento como a tecnologia 
oferecida pela Análise do Comportamento para a intervenção em escala social e conferir 
à Antropologia (Skinner, 1981/1987b, p. 54) a tarefa de investigar o nível cultural com 
mais afinco, muitos analistas do comportamento buscaram integrar estas duas áreas de 
conhecimento. Entre os autores que se dedicaram a este propósito,