A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
281 pág.
ANLISE_DO_COMPORTAMENTO_E_EVOLUO_CULTURAL_RELAES_ENTRE_AS_PROPOSTAS_CONCEITUAIS_DE_B F _SKINNER_E_S S_GLENN

Pré-visualização | Página 33 de 50

de que a cultura sobrevive 
quando suas práticas promovem a sobrevivência das próprias práticas é redundante e, 
aparentemente, incorreta, pois o processo conduziria a um conjunto de práticas estático. 
De forma oposta, contudo, as práticas culturais variam e são selecionadas conforme sua 
adaptação ao ambiente permite que seus membros continuem vivos e as transmitindo, o 
que pode ou não requerer a manutenção temporária de práticas específicas. 
De uma forma semelhante ao emprego do termo ―sobrevivência da cultura‖ à 
sobrevivência dos próprios conjuntos de contingências de reforcamento social que 
compõem a cultura, Glenn apresenta trechos (e.g.: 139, 238, 244, 282) que utilizam o 
termo ―sobrevivência‖ para abordar a manutenção de determinadas contingências 
entrelaçadas. Glenn afirma que as práticas culturais, na metacontingência, sobrevivem 
quando o produto agregado gerado pelos participantes preenche os requisitos do 
ambiente selecionador (linha: 139). O seguinte relato de evento envolvendo um 
restaurante ilustra esta proposição: ―The restaurant will survive only if its food and its 
135 
 
physical features (ambience) meet the requirements of the selecting environment 
(people who eat there)‖ (linha: 270). 
Mas, em que sentido Glenn constata que um produto agregado pode ou não 
estar adaptado ao ambiente? Como já debatido, as consequências culturais na 
metacontingência afetam as contingências entrelaçadas de forma análoga ao operante. 
Se uma consequência cultural seleciona um entrelaçamento quando o mantém ou 
aumenta sua probabilidade de ocorrência, é possível concluir que as considerações de 
Glenn sobre quando uma contingência entrelaçada (ou um conjunto delas) sobrevive são 
semelhantes ao que seria possível observar em relação ao operante. Ou seja, neste caso, 
o termo sobrevivência é aplicado ao fenômeno da repetição de determinados padrões de 
resposta, que são fortalecidos por uma consequência que ocorre logo após o 
comportamento. 
Se no contexto da evolução cultural a conclusão de que a cultura sobrevive 
quando promove a sobrevivência de suas próprias práticas é incoerente (pois seria 
equivalente a sustentar que características de uma espécie que produzem a 
sobrevivência daquelas características sobrevivem), quando a expressão é avaliada em 
relação à metacontingência é necessário atentar para um fenômeno diferente. A 
contingência entrelaçada pode sobreviver, presumivelmente, da mesma forma pela qual 
um operante sobrevive no repertório comportamental de um organismo - isto é, quando 
as consequências produzidas tornam provável sua repetição. 
 
 
 
 
 
136 
 
Conclusão 
 
O presente estudo sugere que embora as propostas conceituais de Skinner e 
Glenn sejam supostas por Glenn e por parte da literatura analítico-comportamental 
como referentes ao mesmo fenômeno, isto é, a evolução cultural, uma análise 
aprofundada destes dois autores parece refutar esta possibilidade interpretativa. 
Destacamos distinções em relação aos conceitos utilizados e relatos de eventos que 
parecem controlar sua emissão nos três elementos avaliados, quais sejam: unidade de 
seleção, consequência cultural e processo evolutivo. 
Na obra de Skinner consultada, o termo evolução cultural é aplicado a relatos 
de eventos envolvendo operantes transmitidos, que compõem práticas culturais, 
selecionados devido ao favorecimento das chances de sobrevivência física dos membros 
da cultura. Trata-se de um processo análogo à filogênese e que não tem efeito atual 
sobre as práticas de uma cultura. Skinner afirma simplesmente que as práticas que 
permitiram que os indivíduos de uma cultura sobrevivessem sobrevivem com eles, 
enquanto as práticas que não promoveram tal sobrevivência, conseqüentemente, são 
extintas. 
Embora especialmente alguns relatos de eventos nas primeiras publicações de 
Glenn possam indicar um processo similar ao tratado por Skinner, posteriormente sua 
concepção de evolução cultural é refinada em diversos aspectos. Em seus textos 
recentes, Glenn aplica o termo metacontingência predominantemente a relatos de 
eventos que envolvem comportamento cooperativo e consequências comuns aos 
participantes que podem ser automáticas (produto agregado) ou mediadas socialmente 
(sistema receptor). Como foi possível diferenciar, este não é o mesmo tratamento dado 
por Skinner ao comportamento cooperativo, visto que Glenn está assumindo como 
137 
 
variável dependente o próprio comportamento inter-relacionado dos indivíduos, e não o 
comportamento de sujeitos específicos. 
Em relação ao tratamento de grupos de indivíduos como unidades, Skinner 
sempre se atém ao repertório de organismos individuais, ainda que esteja analisando 
fenômenos grupais: ―a scientific analysis which satisfies these conditions confines itself 
to individual organisms rather than statistical constructs or interacting groups of 
organisms [grifo acrescentado], even in the study of social behavior‖ (linha: 174). 
Apesar de propor suas análises sempre em nível individual, entretanto, Skinner não 
nega a possibilidade de que outro nível de análise de fenômenos sociais possa ser útil: 
―another level of description may also be valid and may well be more convenient‖ 
(Skinner, 1953/2014, p. 297). Inclusive, relatos de eventos apresentados pelo autor 
generalizam os efeitos de contingências semelhantes em operação, o que parece um 
indício de que outro nível de análise possivelmente seja necessário ao tratar de situações 
envolvendo um número grande de indivíduos. 
O nível de análise proposto por Glenn pode ser extremamente relevante em 
uma análise de determinados tipos de fenômenos sociais, pois permite uma descrição 
diferenciada do operante no qual a seleção da própria interação entre indivíduos é 
colocada como variável de interesse. Esta contingência entrelaçada mantida por 
consequências comuns pode ser simples ou envolver sistemas complexos de atividades 
coordenadas com numerosos participantes emitindo diversas respostas. Desta forma, 
pode ser conveniente descrever a evolução destes sistemas de comportamentos 
coordenados a partir de um nível de análise próprio. 
A despeito da importância dada à noção de evolução cultural na obra de 
Skinner, o efeito relacionado à sobrevivência da cultura, neste trabalho chamado de 
consequência cultural, não tem influência direta sobre o comportamento dos membros 
138 
 
da cultura. Assim, embora invariavelmente as culturas sejam selecionadas por este 
processo, Skinner observa que mudanças no âmbito cultural são possíveis unicamente 
através da manipulação de contingências de reforçamento. Neste sentido, a noção de 
evolução cultural traz contribuições para a Análise do Comportamento ao indicar a 
finalidade última de um planejamento cultural: a sobrevivência física dos membros da 
cultura. No entanto, o autor não fornece ferramentas adicionais ao conceito de 
contingência de reforçamento para atingi-lo. Trata-se de um constructo que tem 
implicações para o domínio ético, e somente de forma indireta o tecnológico. 
Ainda que a conclusão sobre a utilidade de um novo nível de análise seja da 
competência de pesquisas aplicadas, o conceito de metacontingência é uma ferramenta 
em potencial para intervenções em escala cultural. Assim, quando o comportamento de 
indivíduos em interação gera um produto, tem-se indicado a possibilidade de modificar 
o comportamento dos participantes através da manipulação de consequências 
compartilhadas ao invés de consequências individuais. Neste sentido, ao menos em 
relação aos trabalhos de Skinner, pode-se afirmar que o conceito de metacontingência é 
uma perspectiva conceitual e tecnológica inovadora no