A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
281 pág.
ANLISE_DO_COMPORTAMENTO_E_EVOLUO_CULTURAL_RELAES_ENTRE_AS_PROPOSTAS_CONCEITUAIS_DE_B F _SKINNER_E_S S_GLENN

Pré-visualização | Página 5 de 50

é, então, o comportamento verbal dos 
autores que se coloca como objeto deste estudo. Analisá-los, não obstante, inclui a 
análise das complexas contingências de reforçamento que os controlam (Skinner, 
1984/1988, p. 523). 
20 
 
Em 1945, Skinner expõe sua teoria sobre a interpretação de termos 
psicológicos, na qual os significados destes termos são investigados através das 
contingências que lhes dão origem. Nas palavras do autor, 
Significados, conteúdos e referentes devem ser encontrados entre os 
determinantes, não entre as propriedades, da resposta. A questão, ―O que é 
comprimento?‖ parece ser satisfatoriamente respondida listando as 
circunstâncias sob as quais a resposta ―comprimento‖ é emitida (ou, melhor, 
dando alguma descrição geral destas circunstâncias). (Skinner, 1945/1988, p. 
548) 
Assim, Skinner (1945/1988, p. 548) aponta para duas variáveis que devem ser 
investigadas ao estudar o comportamento verbal: primeiramente, qual a condição 
específica de estimulação sob os quais os termos psicológicos são empregados (o que 
corresponde a ―encontrar referentes‖) e segundo, porque cada resposta é controlada por 
sua condição correspondente. 
Um exemplo simples do processo descrito por Skinner, é a emissão da resposta 
―vermelho‖. Segundo Skinner (1957, p. 117), ao emiti-la o falante não se refere a um 
―conceito de vermelho‖ ou a ―vermelhidão‖ de algo. A comunidade verbal ―não reforça 
uma resposta quando um ‗conceito‘ está presente; o que está presente é um estímulo 
particular‖ (Skinner, 1957, p. 117). Em uma ciência empírica, como a Análise do 
Comportamento, a propriedade correlacionada com o reforço deve ser especificada em 
termos físicos, afirma Skinner (1957, p. 117). Consequentemente, sugerir uma análise 
de conceitos relacionados à evolução cultural requer determinar quais propriedades 
físicas parecem controlar a emissão da resposta verbal ―prática cultural‖ ou 
―metacontingência‖. Conforme argumentaremos adiante, uma possibilidade para tal 
21 
 
investigação consiste na análise do próprio relato dos autores sobre essas condições de 
estimulação. 
De acordo com Skinner (1957, pp.418-421), na história da ciência, pode-se 
traçar o desenvolvimento de práticas verbais especialmente voltadas ao bom êxito da 
ação. Para tanto, a comunidade científica encoraja o controle de estímulo preciso do 
objeto ou propriedade de um objeto identificado ou caracterizado, de tal forma que a 
ação prática será mais eficaz. É necessário não somente assegurar a precisão do 
comportamento verbal, mas estabelecer práticas que esclareçam a relação entre uma 
resposta verbal dada a um estímulo verbal e as circunstâncias não verbais responsáveis 
por ela. Skinner (1957, p. 421) explica que o falante é quem está em condições de 
esclarecer as relações entre seu comportamento verbal e as contingências que o 
controlam, uma vez que o ouvinte geralmente não entra em contato com estas. Quando 
um falante diz a palavra ―light‖ (que pode ser emitida em resposta a um objeto de pouco 
peso ou à radiação visível), exemplifica Skinner (1957, pp. 420-421), é possível que o 
ouvinte aja em relação à condição ambiental errada. Assim, o falante original estaria na 
posição de fornecer, por exemplo, autoclíticos apropriados que possam indicar ao leitor 
sob quais condições de estimulação o falante está emitindo aquela resposta, dizendo: 
―Eu disse ‗light‘ no sentido de ‗não pesado‘‖ (Skinner, 1957, p.421). Uma vez que o 
falante pode fornecer ao leitor dados mais precisos sobre as condições de estimulação 
que controlam seu comportamento, torna-se viável uma análise indireta da condição de 
estimulação que produz uma resposta através do relato do próprio falante - no caso desta 
pesquisa, através dos textos dos autores. 
Nos trabalhos de Skinner e Glenn é possível notar algumas descrições de 
eventos que controlaram ou controlariam a resposta de emissão dos conceitos 
relacionados à evolução cultural no próprio texto dos autores. Ao fornecer informações 
22 
 
sobre quais condições de estimulação, ainda que hipotéticas, controlam a emissão que o 
autor faz de um conceito, o comportamento do autor serve como modelo para o leitor; é 
possível inferir a função de indicar sob que condições o leitor também deveria fazê-lo. 
Os relatos das condições de estimulação que controlam o comportamento 
verbal dos autores encontram-se presentes em descrições de eventos, reais ou 
hipotéticos, que produziriam condições de estimulação apropriada para a emissão de um 
conceito ser reforçada. Ainda através dos textos dos autores, é possível identificar tais 
condições nas indicações de colaboração de suas propostas conceituais para ações 
práticas mais efetivas no contexto cultural. É o caso dos exemplos, reais e hipotéticos, 
de intervenções culturais fundamentadas conceitualmente por estas propostas que 
produziram ou supostamente produziriam resultados satisfatórios. 
É importante destacar que múltiplas variáveis controlam a emissão de qualquer 
resposta (Skinner, 1957, p. 229) e que a presente análise limita-se a um tipo específico 
destas variáveis, que são os eventos reais e hipotéticos expostos nos textos dos autores. 
Portanto, as interpretações dadas ao material e as conclusões deste trabalho baseiam-se 
na descisão metodológica que elege esta e não outras possíveis fontes de controle do 
comportamento verbal dos autores. 
 
2. Método em Pesquisa Conceitual na Análise do Comportamento 
Embora a pesquisa conceitual na Análise do Comportamento não conte com o 
rigor metodológico presente, por exemplo, na pesquisa experimental a tentativa de 
Tourinho (2010) de criar um método específico para estudos denominados 
―conceituais‖, ―filosóficos‖ ou ―reflexivos‖ traz avanços metodológicos significativos 
ao padronizar etapas para busca, seleção e tratamento destes dados. Dada a relevância 
23 
 
da proposta metodológica do autor para trabalhos conceituais, a presente pesquisa 
buscará cumprir sistematicamente cada etapa sugerida por Tourinho (2010). 
Em sua proposta, Tourinho (2010) apresenta a seguinte sequência de decisões 
metodológicas a serem tomadas em pesquisas conceituais: definição do problema de 
pesquisa; especificação das informações relevantes; seleção do material; levantamento 
de informações; e tratamento das informações. Cada etapa encontra-se individualmente 
delineada abaixo. 
2.1 Definição do problema de pesquisa. 
O presente trabalho busca responder a seguinte questão: quais as relações entre 
os tratamentos de Skinner e Glenn para a evolução cultural? 
2.2 Especificação das informações relevantes. 
O tema evolução cultural é bastante amplo, tornando indispensável 
circunscrever conceitos específicos para que a análise pretendida possa ser realizada. 
Como o intuito da pesquisa é relacionar as propostas conceituais de Skinner e Glenn 
para descrição do processo de evolução cultural, foram identificados os principais 
conceitos utilizados pelos autores ao tratar do terceiro nível de seleção. 
Embora não haja consenso sobre quais os conceitos necessários ou relevantes 
para a descrição da evolução cultural nos textos de Skinner ou Glenn, as descrições da 
evolução cultural nos textos dos autores incluem, de forma geral, alguns conceitos 
específicos utilizados para estudar o fenômeno. Quatro destes conceitos presentes na 
obra de cada autor foram selecionados por serem avaliados como suficientes para o 
propósito da pesquisa. 
24 
 
Nos textos de Skinner sobre evolução cultural, foram identificados os conceitos 
de (1) comportamento social, (2) prática cultural, (3) sobrevivência da cultura
2
 e (4) 
evolução cultural. Em Glenn
3
, por sua vez, os conceitos