Resumos_de_Comunicações_científicas_20182 - Construção de competências para a formação de professores inclusivos - Publicação Resumo expandido

Resumos_de_Comunicações_científicas_20182 - Construção de competências para a formação de professores inclusivos - Publicação Resumo expandido


DisciplinaQuímica Orgânica I16.568 materiais304.599 seguidores
Pré-visualização50 páginas
de processo indicou confiança entre os estudantes e os pesquisadores, satisfação com 
os encontros e revelou aumento no respeito à diversidade sexual, de gênero e ético-racial, aumento 
da capacidade de lidar com situações estressantes, fortalecimento da autoestima e motivação para 
mudança, através da busca por novas formas de enfrentamento que aumentam o bem-estar. As 
análises estatísticas com medidas repetidas indicaram que após a intervenção os estudantes 
apresentaram níveis maiores de habilidades sociais de enfrentamento e autoafirmação com risco, 
autoafirmação na expressão de sentimento positivo e autocontrole da agressividade, nas crenças 
de autoeficácia e no suporte social familiar e da comunidade. Conclui-se que o programa se 
mostrou efetivo para melhorar as relações interpessoais no contexto universitário, promovendo 
fatores de proteção e prevenindo fatores de risco associados ao suicídio. Com as informações 
obtidas será possível realizar outras intervenções com outros grupos da população universitária. 
Palavras-chave: Habilidades sociais universitários intervenção prevenção 
Apoio financeiro: Bolsa DEPEXT UERJ 
 
Este resumo é parte integrante das Comunicações Científicas apresentadas na 48ª Reunião 
Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia \u2013 São Leopoldo, 2018 \u2013 ISSN 2176-5243 
 
Nível do trabalho: Pesquisador - P 
Área da Psicologia: CLIN - Psicologia Clínica e da Personalidade 
 
 
Este resumo é parte integrante das Comunicações Científicas apresentadas na 48ª Reunião 
Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia \u2013 São Leopoldo, 2018 \u2013 ISSN 2176-5243 
 
Simpósio: Comportamentos aditivos na atualidade: novas formas de compreensão e 
intervenção. 
 
Prevenção via internet de uso de álcool em universitários. 
André Bedendo (UNIFESP); Ana Regina Noto (UNIFESP); Karen Priscila Del Rio 
Szupszynski (UNIFESP) 
Resumo 
O uso de drogas lícitas e ilícitas vem aumentando no mundo todo. O foco de estudos relacionados 
com a dependência química tem se centrado cada vez em formas de tratamentos ou programas de 
prevenção eficazes. Dentre as drogas com maior crescimento de consumo entre os jovens, 
destaca-se o uso de álcool. Alguns estudos apontam que apenas 12% das pessoas com 
dependência de álcool recebem algum tipo de tratamento. Pesquisas sugerem que uma ampliação 
do alcance de tratamentos para usuários de álcool reduziria a mortalidade atribuída ao álcool em 
13% nos homens e 9% nas mulheres. Diante dos tratamentos ainda pouco aderentes, os gastos 
com o tratamento de dependentes químicos oneram demasiadamente o sistema público de saúde 
tanto no Brasil como em diversos países. Assim, intervenções breves, por telefone ou internet, 
têm sido estudadas como métodos alternativos e demonstrado eficácia entre não dependentes, 
diminuindo a quantidade de consumo e ampliando a consciência sobre os possíveis problemas 
que o uso continuado de determinada droga pode trazer. Já existem estudos com intervenções 
breves pelo telefone e pela internet com resultados bastante positivos. Dentre os modelos mais 
usados para o tratamento da dependência química, os métodos mais citados para a intervenção 
via telefone ou internet têm sido os modelos motivacionais, o Feedback Normativo e o Feedback 
Normativo Personalizado. Diante disso, o objetivo deste estudo foi analisar o perfil do consumo 
de álcool entre universitários brasileiros que participaram de uma intervenção de Feedback 
Normativo Personalizado via internet. A amostra foi composta por 4631 universitários que 
realizaram avaliação, intervenção e três follow-ups (1, 3 e 6 meses). Os dados coletados 
demonstraram que a intervenção proposta pela internet (via site) pode trazer resultados positivos 
e promissores. A maior parte dos participantes era do sexo feminino (52,34%), estudantes de 
instituições privadas (79,94%) e 73,53% dos entrevistados relatou binge drinking pelo menos uma 
vez na vida. De acordo com as análises estatísticas, a intervenção proposta demonstrou 
diminuição do número de doses típicas consumidas após 3 meses (p=0,001, CI 95%). O estudo 
ainda enfatizou a importância de considerar o nível de motivação do participante para a realização 
da intervenção. Tratamentos ou programas de prevenção via telefone ou internet tem sido cada 
vez mais estudados e tem se mostrado como uma estratégia importante no manejo efetivo do uso 
de substâncias psicoativas entre jovens ou na população geral. Além disso, o foco no consumo de 
álcool tem ampliado a discussão entre os pesquisadores sobre formas efetivas de prevenir usos 
abusivos e/ou dependentes. 
Palavras-chave: Dependência química, prevenção, internet 
Nível do trabalho: Pós-Doutorado - PD 
Área da Psicologia: SAÚDE - Psicologia da Saúde 
 
 
 
 
Este resumo é parte integrante das Comunicações Científicas apresentadas na 48ª Reunião 
Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia \u2013 São Leopoldo, 2018 \u2013 ISSN 2176-5243 
 
Simpósio: Comportamentos aditivos na atualidade: novas formas de compreensão e 
intervenção. 
 
Protocolo de intervenção baseado no modelo transteórico para modificação do estilo de vida 
em adolescentes com obesidade. 
Raquel De Melo Boff (UCS); Margareth da Silva Oliveira (PUCRS) 
Resumo 
A obesidade em adolescentes quadriplicou nos últimos trinta anos, a ponto da Organização 
Mundial de Saúde considera-la como um problema de saúde bastante grave. Junto a este quadro 
também aumentam as chances do desenvolvimento de doenças cardiovasculares, problemas 
psicossociais e uma diminuição da expectativa de vida. As causas, na grande maioria dos casos, 
são exógenas e estão associadas a hábitos alimentares negativos e baixos níveis de atividade física. 
Diante disso, as principais diretrizes nacionais e internacionais de tratamento para a obesidade na 
infância e adolescência recomendam que haja a importantes alterações no estilo de vida. Esta 
modificação requer um monitoramento diário das escolhas alimentares e da prática do exercício, 
o que por vezes não se mantém com tempo. A literatura aponta que a maioria das pessoas que 
iniciam uma modificação do estilo de vida tendem a retornar aos velhos hábitos em seis meses e, 
por consequência, voltam a ganhar peso. O Modelo Transteórico de Mudança de Comportamento 
propõe que a manutenção da mudança depende de motivadores intrínsecos. Devido a eficácia 
comprovada deste modelo teórico na modificação de outros hábitos em saúde, este estudo teve 
como objetivo adaptar um protocolo de mudança de estilo de vida para adolescentes. O protocolo 
faz parte do estudo MERC (Modificação do Estilo de vida e Risco Cardiovascular) da PUCRS. 
Consiste em 12 sessões, sendo as seis primeiras com foco em processos de mudança para os 
estágios de pré-contemplação, contemplação e preparação e as seis últimas com foco em 
processos de mudança para os estágios de ação e manutenção. Nas primeiras sessões são 
trabalhados os processos de mudança cognitivos/experienciais, com o intuito de ampliar a 
consciência sobre o problema, provocar uma discrepância entre o comportamento atual e seus 
valores, além de ajuda-los a comprometer-se com um plano de mudança. Nos seis últimos 
encontros, o foco foi nos processos comportamentais que visam a regulação do comportamento 
por meio de contracondicionamento, controle de estímulos, gerenciamento de reforço e busca de 
rede de apoio. Diante do direcionamento da intervenção para uma população de 15 a 18 anos, 
utilizou-se linguagem típica desta faixa etária além de recursos tecnológicos atrativos. As 
estratégias/técnicas utilizadas para estimular os processos de mudança foram extraídas da Terapia 
cognitivo-comportamental. Participaram deste estudo 135 adolescentes que foram randomizados 
(Percentil IMC = 85), média de idades 16.42 (DP=1.17) em ambos os grupos com 65 participantes 
no Grupo Intervenção (GI) e 70 no Grupo Controle (GC). Não se obteve diferença estatística 
significativa entre grupos