Apostila Pedagogia
372 pág.

Apostila Pedagogia


DisciplinaPedagogia192.765 materiais1.053.156 seguidores
Pré-visualização50 páginas
momento - vês. verbo ver na 2ª pessoa do singular 
 
DENOTAÇAO E CONOTAÇAO 
A denotação é a propriedade que possui uma palavra de limitar-se a 
seu próprio conceito, de trazer apenas o seu significado primitivo, original. 
 
A conotação é a propriedade que possui uma palavra de ampliar-se 
no seu campo semântico, dentro de um contexto, podendo causar várias 
interpretações. 
 
Observe os exemplos 
Denotação 
As estrelas do céu. Vesti-me de verde. O fogo do isqueiro. 
 
Conotação 
As estrelas do cinema. 
O jardim vestiu-se de flores 
O fogo da paixão 
 
SENTIDO PRÓPRIO E SENTIDO FIGURADO 
 
As palavras podem ser empregadas no sentido próprio ou no sentido 
figurado: 
Construí um muro de pedra - sentido próprio 
Maria tem um coração de pedra \u2013 sentido figurado. 
A água pingava lentamente \u2013 sentido próprio. 
 
 
MORFOLOGIA 
 
As palavras, em Língua Portuguesa, podem ser decompostas em vários 
elementos chamados elementos mórficos ou elementos de estrutura das 
palavras. 
Exs.: 
cinzeiro = cinza + eiro 
endoidecer = en + doido + ecer 
predizer = pre + dizer 
 
Os principais elementos móficos são: 
RADICAL 
É o elemento mórfico em que está a ideia principal da palavra. 
Exs.: amarelecer = amarelo + ecer 
enterrar = en + terra + ar 
pronome = pro + nome 
 
PREFIXO 
É o elemento mórfico que vem antes do radical. 
Exs.: anti - heroi in - feliz 
 
SUFIXO 
É o elemento mórfico que vem depois do radical. 
Exs.: med - onho cear \u2013 ense 
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS 
 
As palavras estão em constante processo de evolução, o que torna a 
língua um fenômeno vivo que acompanha o homem. Por isso alguns vocá-
bulos caem em desuso (arcaísmos), enquanto outros nascem (neologis-
mos) e outros mudam de significado com o passar do tempo. 
Na Língua Portuguesa, em função da estruturação e origem das pala-
vras encontramos a seguinte divisão: 
\uf0b7 palavras primitivas - não derivam de outras (casa, flor) 
\uf0b7 palavras derivadas - derivam de outras (casebre, florzinha) 
\uf0b7 palavras simples - só possuem um radical (couve, flor) 
\uf0b7 palavras compostas - possuem mais de um radical (couve-flor, 
aguardente) 
 
Para a formação das palavras portuguesas, é necessário o conheci-
mento dos seguintes processos de formação: 
Composição - processo em que ocorre a junção de dois ou mais radi-
cais. São dois tipos de composição. 
\uf0b7 justaposição: quando não ocorre a alteração fonética (girassol, 
sexta-feira); 
\uf0b7 aglutinação: quando ocorre a alteração fonética, com perda de 
elementos (pernalta, de perna + alta). 
Derivação - processo em que a palavra primitiva (1º radical) sofre o 
acréscimo de afixos. São cinco tipos de derivação. 
\uf0b7 prefixal: acréscimo de prefixo à palavra primitiva (in-útil); 
\uf0b7 sufixal: acréscimo de sufixo à palavra primitiva (clara-mente); 
\uf0b7 parassintética ou parassíntese: acréscimo simultâneo de prefixo 
e sufixo, à palavra primitiva (em + lata + ado). Esse processo é responsável 
pela formação de verbos, de base substantiva ou adjetiva; 
\uf0b7 regressiva: redução da palavra primitiva. Nesse processo forma-se 
substantivos abstratos por derivação regressiva de formas verbais (ajuda / 
de ajudar); 
\uf0b7 imprópria: é a alteração da classe gramatical da palavra primitiva 
("o jantar" - de verbo para substantivo, "é um judas" - de substantivo próprio 
a comum). 
 
Além desses processos, a língua portuguesa também possui outros 
processos para formação de palavras, como: 
\uf0b7 Hibridismo: são palavras compostas, ou derivadas, constituídas 
por elementos originários de línguas diferentes (automóvel e monóculo, 
grego e latim / sociologia, bígamo, bicicleta, latim e grego / alcalóide, al-
coômetro, árabe e grego / caiporismo: tupi e grego / bananal - africano e 
latino / sambódromo - africano e grego / burocracia - francês e grego); 
\uf0b7 Onomatopeia: reprodução imitativa de sons (pingue-pingue, zun-
zum, miau); 
\uf0b7 Abreviação vocabular: redução da palavra até o limite de sua 
compreensão (metrô, moto, pneu, extra, dr., obs.) 
\uf0b7 Siglas: a formação de siglas utiliza as letras iniciais de uma se-
quência de palavras (Academia Brasileira de Letras - ABL). A partir de 
siglas, formam-se outras palavras também (aidético, petista) 
\uf0b7 Neologismo: nome dado ao processo de criação de novas pala-
vras, ou para palavras que adquirem um novo significado. pciconcursos 
 
 
FUNÇÕES DAS CLASSES DE PALAVRAS. FLEXÃO NOMINAL E 
VERBAL. PRONOMES: EMPREGO, FORMAS DE TRATAMENTO 
E COLOCAÇÃO. EMPREGO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS 
 
SUBSTANTIVOS 
 
Substantivo é a palavra variável em gênero, número e grau, que dá no-
me aos seres em geral. 
São, portanto, substantivos. 
a) os nomes de coisas, pessoas, animais e lugares: livro, cadeira, cachorra, 
Valéria, Talita, Humberto, Paris, Roma, Descalvado. 
b) os nomes de ações, estados ou qualidades, tomados como seres: traba-
lho, corrida, tristeza beleza altura. 
 
CLASSIFICAÇÃO DOS SUBSTANTIVOS 
a) COMUM - quando designa genericamente qualquer elemento da espécie: 
rio, cidade, pais, menino, aluno 
b) PRÓPRIO - quando designa especificamente um determinado elemento. 
Os substantivos próprios são sempre grafados com inicial maiúscula: To-
cantins, Porto Alegre, Brasil, Martini, Nair. 
APOSTILAS OPÇÃO A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos 
Língua Portuguesa A Opção Certa Para a Sua Realização 17 
c) CONCRETO - quando designa os seres de existência real ou não, pro-
priamente ditos, tais como: coisas, pessoas, animais, lugares, etc. Verifi-
que que é sempre possível visualizar em nossa mente o substantivo con-
creto, mesmo que ele não possua existência real: casa, cadeira, caneta, 
fada, bruxa, saci. 
d) ABSTRATO - quando designa as coisas que não existem por si, isto é, só 
existem em nossa consciência, como fruto de uma abstração, sendo, 
pois, impossível visualizá-lo como um ser. Os substantivos abstratos vão, 
portanto, designar ações, estados ou qualidades, tomados como seres: 
trabalho, corrida, estudo, altura, largura, beleza. 
Os substantivos abstratos, via de regra, são derivados de verbos ou adje-
tivos 
trabalhar - trabalho 
correr - corrida 
alto - altura 
belo - beleza 
 
FORMAÇÃO DOS SUBSTANTIVOS 
a) PRIMITIVO: quando não provém de outra palavra existente na língua 
portuguesa: flor, pedra, ferro, casa, jornal. 
b) DERIVADO: quando provem de outra palavra da língua portuguesa: 
florista, pedreiro, ferreiro, casebre, jornaleiro. 
c) SIMPLES: quando é formado por um só radical: água, pé, couve, ódio, 
tempo, sol. 
d) COMPOSTO: quando é formado por mais de um radical: água-de-
colônia, pé-de-moleque, couve-flor, amor-perfeito, girassol. 
 
COLETIVOS 
Coletivo é o substantivo que, mesmo sendo singular, designa um grupo 
de seres da mesma espécie. 
Veja alguns coletivos que merecem destaque: 
alavão - de ovelhas leiteiras 
alcateia - de lobos 
álbum - de fotografias, de selos 
antologia - de trechos literários escolhidos 
armada - de navios de guerra 
armento - de gado grande (búfalo, elefantes, etc) 
arquipélago - de ilhas 
assembleia - de parlamentares, de membros de associações 
atilho - de espigas de milho 
atlas - de cartas geográficas, de mapas 
banca - de examinadores 
bandeira - de garimpeiros, de exploradores de minérios 
bando - de aves, de pessoal em geral 
cabido - de cônegos 
cacho - de uvas, de bananas 
cáfila - de camelos 
cambada - de ladrões, de caranguejos, de chaves 
cancioneiro - de poemas, de canções 
caravana - de viajantes 
cardume - de peixes 
clero - de sacerdotes 
colmeia - de abelhas 
concílio - de bispos 
conclave - de cardeais em reunião para eleger o papa 
congregação - de professores, de religiosos 
congresso - de parlamentares, de cientistas