(Coleção Biblioteca Básica Brasileira) Afonso Arinos de Melo Franco - Rodrigues Alves_ Apogeu e Declínio do Presidencialismo 1-Secretaria Especial de Editoração e Publicações do Senado Federal
547 pág.

(Coleção Biblioteca Básica Brasileira) Afonso Arinos de Melo Franco - Rodrigues Alves_ Apogeu e Declínio do Presidencialismo 1-Secretaria Especial de Editoração e Publicações do Senado Federal


DisciplinaFilosofia da Educação14.799 materiais407.822 seguidores
Pré-visualização50 páginas
rei o meu de ver de no meá-lo; o se nhor saberá
como cum prir o seu.\u201d25
A par te mar can te da mis si va de Ber nar des é a se guin te:
\u201cAo mu i to Ill:. e Resp:. Con se lho de Após to los da B:.
P:.26 meu mu i to sa u dar.
110 Afon so Arinos
23 Conselho de Invisíveis, também chamado Sublime Apostolado. Foi chefiado
anteriormente por Francisco Otaviano, Ouro Preto e depois por Pedro Lessa.
24 Decreto criando o Conselho de Delegados do Sublime Apostolado da Burschenschaft
brasileira.
25 Fato narrado ao autor por Afonso Pena Júnior.
E cor di al men te agra de ço as con gra tu la ções com que,
por pro posta do Dr. Fre de ri co Ver gue i ro Ste i del, da B:.
P:., me dis tin guiu, ao en se jo de mi nha as cen são à Ma gis -
tratura Supre ma do País.27
As con di ções em que esta se ope rou pa ten te i am o ní vel
a que des ceu a po lí ti ca re pu bli ca na de nos sa ter ra e quan to o
Bra sil ne ces si ta do con cur so dos pa tri o tas para le van tar-se do
char co em que os maus bra si le i ros o vão se pul tan do.
Com pe ti rá essa obra me ri tó ria às ge ra ções mais mo ças,
de vez que de fe i tu o sa edu ca ção das ge ra ções atu a is não
permi te es pe rar de las a ação sal va do ra.\u201d
Artur Ber nar des, pro fun da men te pa tri o ta, in te li gên cia obs ti nada
e es pí ri to mes siâ ni co, le vou a tra di ção da Burs chens chaft até a ve lhi ce.
Pouco an tes de mor rer, sen do de pu ta do, uma das suas pre o cu pa ções (que 
transmi tia a al guns co le gas es co lhi dos) era a de fun dar uma so ci e da de
se cre ta em que en tras sem mo ços, com ele com pro me ti dos a de fen der a
Hiléia Ama zô ni ca e o pe tró leo bra si le i ro con tra a co bi ça in ter na ci o nal.
De um modo ge ral, a par ti ci pa ção da Burs chens chaft de Jú lio
Frank nos acon te ci men tos po lí ti cos na ci o na is pros se guiu até re cen -
temente, e é pro vá vel que ain da exis ta, em bo ra mu i to ate nu a da pela
diferen ça de mo ti va ções que hoje so li ci tam os es tu dan tes.
Mu i tos ho mens pú bli cos de atu a ção re cen te fo ram ele men tos de 
prol da Burs chens chaft. Em 1923 foi cha ve i ro Antô nio Gon ti jo de Car va lho.
O úl ti mo che fe da as so ci a ção se cre ta, pelo que sa be mos, foi José 
Car los de Ma ce do So a res. Re cen te men te hou ve ten ta ti vas de re ar ti cu la ção
da Burs chens chaft, pro va vel men te com pou co êxi to, por que \u2013 como já ob -
 Ro dri gues Alves: apo geu e de clí nio do pre si dencialismo 111
26 Ao muito Ilustre e Respeitável Conselho de Apóstolos da Burschenschaft Paulista.
27 Frederico Vergueiro Steidel, catedrático de Direito Comercial, era então chefe da
associação, sendo sucedido por Macedo Soares. Um cronista da Faculdade, Francisco
Pati, recorda-o na tribuna da Bucha em certa noite solene de 1921: \u201cMagro, de
estatura média, curvado para frente, fisionomia severa de asceta, soltava as
palavras como látegos. A vocação de Apóstolo estampava-se-lhe na face
macerada.\u201d O emprego da palavra \u201capóstolo\u201d por Pati é evidentemente
intencional. Lembre-se que seu livro não refere os aspectos secretos da associação.
serva mos \u2013 as mo ti va ções da ju ven tu de ci vil são hoje mu i to di fe ren tes
do que eram até meio sé cu lo atrás. Para con clu ir, re cor de mos al guns epi só -
di os re le van tes da his tó ria con tem po râ nea, li ga dos à or ga ni za ção de Jú lio
Frank.
A fun da ção do Par ti do De mo crá ti co de São Pa u lo, ten do
como fi gu ra de proa o Con se lhe i ro Antô nio Pra do e como ele men tos
atu an tes an ti gos ba cha réis do Lar go de S. Fran cis co, é obra da Burs chens -
chaft, em gran de par te. De po is de 1930, a re vo lu ção pa u lis ta de 1932 não 
lhe é es tra nha, à me di da que foi um mo vi men to ba cha re les co, ati va do
por mem bros da as so ci a ção e do par ti do, como Jú lio de Mes qui ta Fi lho, 
Hen ri que Ba i ma, os ir mão Vam pré e Pa u lo No gue i ra Fi lho.28
O su má rio le van ta men to que foi fe i to das ori gens, de sen vol -
vi men to e ação da Burs chens chaft pa u lis ta não pre ten deu mais que con tri -
bu ir para o es cla re ci men to de cer tos bas ti do res da oli gar quia do mi nan te
na Pri me i ra Re pú bli ca, des ven dan do par te das ra zões da es co lha dos
seus re pre sen tan tes nos três po de res cons ti tu ci o na is, ex pli cando o
aspec to mo ral se le ti vo que nela pre do mi nou e a jus ti fi ca ção par ci al da
uni da de bá si ca do gru po do mi nan te. Esses três fa to res de es ta bi li da de,
pres si o na dos por vá ri as cir cuns tân ci as, de sa gre gam-se pre ci sa men te
com a mor te de Ro dri gues Alves, que é a por ta que cer ra a Pri me i ra
Repú bli ca e abre os ca mi nhos tu mul tu o sos das que lhe se gui ram. Vences lau
Brás e Ro dri gues Alves eram \u201cbu che i ros\u201d. Epi tá cio Pes soa nada ti nha
com a so ci e da de.
O País de 7-11-1905 trans cre ve de O Pa ra í ba de 25-11-1870 a
se guin te nota as si na da por E. Leão Bonr ro el:
\u201cTeve an te on tem lu gar na casa do Sr. Do min gos Ro drigues
Alves um ba i le mag ní fi co dado por S. S.a em re go zi jo da
forma tu ra de seu fi lho, o nos so es ti ma do e ta len to so pa trí cio
Fran cis co de Pa u la Ro dri gues Alves. Tudo cor reu às mil ma ra vi -
lhas. O gran de con cur so de con vi vas, o pra zer de que to dos se
acha vam pos su í dos, a de co ra ção da sala, o pri mor e a de li ca de za
112 Afon so Arinos
28 Os radicais da Burschenschaft, depois do movimento de 1932, formaram uma
espécie de círculo concêntrico, de diâmetro menor, chamado dos \u201cencapuzados\u201d.
Este pequeno grupo, utilizando um grande jornal, O Estado de S. Paulo, atuou em
vários acontecimentos. Mas isto é outra história. 
dos ser vi ços, a pom pa e bom gos to das to i let tes, tudo en fim
concor reu para que aque la fes ta seja lem bra da com sa u da de.\u201d
A VOCAÇÃO POLÍTICA
Ao de i xar, em 1870, a Fa cul da de, aque la bri lhan te plêi a de de
ba cha réis de via es tar bem cons ci en te do lar go des ti no que a aguar da va
na vida pú bli ca. Qu a tro de en tre eles nun ca mais se per de ri am de vis ta
nos en con tros e de sen con tros do fu tu ro: Ro dri gues Alves, Rui Bar bo sa,
Afon so Pena e Bias For tes.29
No dia 5 de no vem bro, em que Ro dri gues Alves co lou grau, a
Opi nião Con ser va do ra, de João Men des, pu bli cou esta no tícia, que era também 
uma pro fe cia: 
\u201cCa rá ter sisudo, in te li gên cia cul ti va da, idéi as sãs são
elemen tos va li o sís si mos que o Sr. Ro dri gues Alves porá a
servi ço da pá tria, se qui ser de di car-se à car re i ra po lí ti ca.\u201d
O ba cha rel de Gu a ra tin gue tá, es tu dan te ex cep ci o nal des de a
in fân cia, cum priu am pla e ri go ro sa men te o va ti cí nio. Foi um po lí ti co.
De fato, o Di re i to cons ti tu iu para Ro dri gues Alves um ins tru -
men to para a ação po lí ti ca, ins tru men to im po si ti vo na épo ca em que
viveu e atu ou. Em toda uma lon ga vida de ad mi nis tra dor e go ver nan te,
pre siden te da Pro vín cia e do Esta do, de pu ta do pro vin ci al, ge ral e federal,
se na dor da Re pú bli ca, mi nis tro e pre si den te, sua ação é mar ca da
sempre, nas vir tu des e nos de fe i tos da per so na li da de, pela po lí ti ca. Com
ela e por ela vi veu, afir mou-se, ven ceu, en trou na his tó ria. Seus úl ti mos
mo men tos são do mi na dos pela pre o cu pa ção po lí ti ca. Qu a se ago ni zan te, 
de po is de con for ta do es pi ri tu al men te pela Igre ja, são de or dem po lí ti ca
as reco men da ções fi na is que faz aos fa mi li a res e pró xi mos, des pe dindo-se
 Ro dri gues Alves: apo geu e de clí nio do pre si dencialismo 113
29 Afonso Pena deve ter sido, nos bancos acadêmicos, dos colegas mais chegados a
Rodrigues Alves. Isto não impedia a cerimônia do tratamento entre eles. Veja-se
esta dedicatória, em um belo volume das poesias de Alfred de Musset: \u201cAo meu
distinto Colega e Amigo