Carl Rogers - Quando fala o coracao
118 pág.

Carl Rogers - Quando fala o coracao


DisciplinaPsicologia91.858 materiais607.312 seguidores
Pré-visualização23 páginas
^''i foi como uma experincia dc meditação, _ando mc _into como o cenbot, da conscjência. _, mesmo com a uele _enso extraordinrio de unidadc_! nunca a in__'dua_dade de cada pe_oa a_ presente roj táo claramente_ pre5eEvada.''ßu comprcendo _er es_e relato parte do proce5so mistico. Nossa5 .' _e Kpenências, e5_ claro, envolvem o _transcendente, o indescritjvel e o ,''' /espjntual. _'_tou compelido a acredit_ que eu_ como muitos outros, )_ão , _ 'tcrnos dado o vaIor real _ jmportâncja dessa _e,nsão mjstjca c / J_'' '' cspirit_IaI. __ ____ nisto, não sou djferente de al_s dos _nais avan çados pensado-reS da fis3ca ou da quimica. (_ara exem_lo, vcr Ca pra, l9ß2 ). Na medidaem que eles avançam nas, suas teorias, ima_nando uma ''reaI3dade'' qucná0 tem ncnhuma solide2, _c nada m_s do _e uma o_ila çáo deCner_a, ctes t4n_m começaram a falar cm termo5 do tra_scendentc_ do7o
__ e __ __ _ _ _ __/_ _ _ ____indcscriti__el_ do n_o-es_;J_'r_do - a _po de _enÔmeno me n0s ter___ub5ervado e _venciado n_ a_urdagcm _'en_ada na pe_ssoa.A abordquem centrada na pe__'oa _ e__tâo, pTimordiaJmente. umz_n_eira de ser que encon_a sua expressâo cm a_tudes e comportamen-to5 quc criam um cIima promutur dc cr_-cimento. _ uma f_o__ofia b__ica._c,m __ez de uma si_nplc,s t,cnic_ ou um simp_es mto_o. Quando es_ta_losufia _, _ivida, cla ajuda a pssoa a e_palldir o de5em'oIqimentu desu_ prprias c_pa_'idades. Quando v-jida_ taJn_m e,stimuJ_ mudanç__, cons_utivas nos oubos ao _'cdor. D poder ao individuo e_ _ando __força pcssoat 6en_da, nossa experiência tem mostrado _e tende a_T u_izada para trallsformaçáo pesso_ e social.Quand_ esta maneira de ser ccnbada na pcssoa _vida nap5icoterapia, i5to condu2 a um proc_so dc _uto-ex__luraçào e autodes-coberta por parte do cIientc c, eventualmeIltc_ mudanças ca_bu____na persona_dade e compurtamcnto do mesmo, na medida en_ que olerapeuta _ve estas condiçôcs na relação terapêu_ca e, se torna u_ncompanheiro p_ra u clicntc nesta jornada cm dire_ao ao ccntTo do"seIf". Este processo , acre,dito,iluminado no nlalej_ do c__o _eaprese_to ah_Ko:__N_ _ E O PR,OCF;,SSU DE MUDANÇAUcas_ion_a_ente, wna entrevista pode _usbar muito3 _pectos daprocesso terapu_co_ __omo isto ocorre na re_çãa mutante entrctcrapeuta e cliente. Tal entre_' ta foi uma das que tive com Jan. Foi _ademo_tração de uma sessão dc terapia de meia hor_ realizada nump__o__tc de um ''w-o-rkJi-o--p'' de-_Ópar_c_ipan_tes, em Johanesbw-o_ na _fric_a do SW._1ujtos individos se o_ereceram como voluntan' 'os c, no outro _adc m_)_á, puuco antes d2 entreqista, minha calega Ruth Sanfard _6_h __ D_a Jan que ela tinha sido selecionada como cliente.' ' -' ,_ Jan c eu nos sentamos um em hente ao ou_o_ de maneira _e a- audincia me_e uma qj5ão lateral da interaçáo. Ns ajustamos ee_pejmentamos os mi_'rofones. Entáo, eu _sse que gostna de __momento_- de silêncio para me organizar e poder mc cenbar. Acrescentcique. pos-s_i_-elmente. eIa tambm gostana da_cle tempa para fic_ ems__êncio. c cl_ então_ abanou 5ua cabeça canfjm_do que _m. U_ieiu tempo para es_quecer detalhes tcnico5_ para foc_ar minha mente em1 _
___ ___ r _ ___ 9 _ __ __ _ __F__;e''0'n'''Oest_'r prcscnte cum Ja__ e p_ra cs_' aberto a qualquer cuisa que ctapudc,ssc e,_pressar.Des__e ponto em di_te. o mat?ri_ fui retira_o da e_trc_sta_avada. O que foi retir_du da e__c,n_ta e, a yui a _r___ c,I_tadu , cont_m o_princ3pais tcm_ e pontos si_ifica_vos_. U maXena_ umitido cons_i_,tja d_;uma exptic_ac_o. aIm dc a___m tcma ou a busca dc a_m tcn_a que foiabc_ndnnado.U Ieitor vai _proveitar m_s, acrcdito cu_ se pjmcjro ler a cntrc___tacomo um todo, lendo as minhas af3r_nações e as de Jan e salta_do osCOmcnt_iOS _nser3dos a)o processo, que cstão intercalados de tem pos cmtcmpos, Uma se_eunda Ieitura, cntão, _ode s_ er feita abav_ dc se_cn_os,p_ando para Ievar em consideraçáo os comentrios de cada se_ento.-t l,_ cAAl: A_o,ames,',fom,,_sp,ep,rado, Nâos,,_oqu, _%e_,os_,,_,deabordar, pois ns não fa/am_ mais do gue dizer o/ um parao _tro. M_, qua/quer coisa que __ê guiser fa/ar, esf_reipron to para escu t-/a,' JAN: ren_o dois prob/emds. O primeiio de/es o medo de casdr eter fiI_os. _ o ourro o proce_o de en_ g/ _ e c _ m e _ _ t o, _ e m -sido muito difici/ o/_ar pdra o fVrfuro, poii isfo p,ra mimaterrorizador._ /_ CA A L: fsres são doii prob/em_ principaii para __ê, Não sei gua/ _o-cê _os taria de abordarprimeiro.JAN: Penso que oprob/ema imediarc o da idade, eprefiio começar- pore/e. Se _%êpuderaiudarnisro, ficareimuiroarara.- ; , ;. CAAL.' V_êpode me dizer um po4co mais sobre seu medo do en_e.J_ecimento_Assim gue _ocê f_ca mais _e/_a, o gue aconf_e.7_AN: Sinto 4ue estou n4ma situ_ao dep_nico. ren_o rrinra e cincoanos de i_ade e s dispon_o de mais cinco anos arj fazer oi'' guarenta. f muiro difrci/ de e Kp/icar, pois fico confusa et uero e_J_far ,-sso_ CA_l: _ medo bastanre para 9ue _o%, reaJmen_.., /sro red/mente _geraumpânico%n _%ê,_ ' JAN: Sim, e5_ afetando min_d confianca em mim como pessoa(CARL: Um _um.J f isto somen_ com ecou a acon t g c e r n o su/tim_ deIoito meses ou ,os uJtim% doi5 anos, _uando re_pe,tindmente Conc/Ui.- _ue diab%! _udo est me dtrapa.J_ando. Porgue me sinto dssim_..' '- ' ' CA_l: f __ê não tin_a este tipo de sentimenfo a_, fa/_ez, um ,nomeio atr_ (PausaJ Aconreceu a/guma coisa e__idl ,a gue/a_ ep_d, gUep OsSa ter iniCi_o esteprocesso_72
_(_ ___ cALA ___ __v__moc_ o_en_rdreequ_enateq_rusepe/an_ tJ_r___aodJedtea_ou_mn_oa_ca_elrl__sssmo a1tameJ_braeJ_mquseelrJJ_saeusmuaapmoænsJ_ __wrt /____ / ____'_ ____:ß0_1inh_s respost_ inJ'_iai_ tm doi_ propsitos. Qucro cstar ccrto dc_ _,quc ela esteja se 5entindo completamcntR, segw_' para se expre_ar. eas,sim recont___co scus _ntimentos e _aço_p tas não-especi_ca__ enáo-amcaçadora_s_. _E tam_,m p_te dos _cu_- props_itos re rear-_-a_-q-ue-r 'c-u_--_a -que apol_tc _ara urna direçãu especi(ica ou que imp_que emqu_quer jubamento ou cri__'a. _ direç_o que a entrR,_sta pode to_,_c5_t compIc,tamc_r_tc ao dispor deIa.Jan se moveu do ponto onde ela ''relatava'' seus probIemas_ at o ;,. ponto de con_cçar a ''_venciar'' o pânico que est sen_ndo. __a a__de ', claramente, de que a ajuda_ 5e houve alguma, _r de mim.r' , JAN. N;o de ,e e, o,,, me ,_o,da, ,ea/me,rg. Bem mJ-,_, m_J -- morreu com a Idade de cinqüenta e _ês, (CA_l: Um _um,e ela era muito no_a e sobretJdo uma mu/_er muiro in rp7i-genre, Mas, penso que ra/_z isso rRn_a a/94ma coisa a _er _/_com o que est acon_cen do. fu n _o 5e i. ,_ ' ' _ ._-7sibi/i_ade para __ê. lPausaJ _ o _mpo par_e estar ficandomais curto, em tgrmos de _i_a.JAN: Cerro!.,._qui, J_ j est usando a seeurança da relação para explorar suae_penência_ 5em cst_ consciente da sua impo__ncia, e sua mentenáo-conscientc a lcva a expIorar a morte de sua mãe._1inha re,sposta mostra que cstou começando a mc scn_r _ _'ontade !,,no mundo interno dela, e vou um pouco mais al,m de sua descrição. Orato dc eu J poder _n_ o mundo dela con_mado peIa %ua palavra''Certo! ..:' Se ela tivesse dito ''Não_ não jsto''t imediatgmcnte eudcix_ia a minha ima__em e tent_ia descobrir o si_'ficado que aafirmaçáo de,Ia continha para cla mesma. _u nâo invisto nada no fato deminhas respostas serem ou não corTetas ; a6sim, tento entender o _e estocorrendo._v _ JAN: ... _uando o/_o para a _ida de mint7a má, penso 9ue ela rin_amuiros ta/en tos, mas infg Iirmenre, mais para o fina/ de sua_ida, e/a se rornou uma mu/_er muiro amargurada. _ra comose o mundo I_e de_,,e um esri/o de _ida que e/a n_o re_e,Agora, eu no quero nunca _tar nessa situação e, neste m_menfo, nao estou _i_endo isso. ren_o tido uma _ida muitocomp/eta/ s _ezes muito excitante e ds _ezes muito rris_.
__t ________ ___ ___ __ __