Resumo Teoria da Relação Jurídica 1 UNICURITIBA
25 pág.

Resumo Teoria da Relação Jurídica 1 UNICURITIBA


DisciplinaTeoria Geral da Relação Jurídica I28 materiais193 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Teoria da Relação Jurídica 1
- Anotações - 
Direito
- Conjunto de regras coercitivas emanadas por um sentido de justiça voltado a permitir a convivência social.
Grande Dicotomia
- Tradicionalmente, o direito objetivo positivado subdivide-se em direito público e privado. Tal distinção, em verdade, não tem, na prática jurídica, sendo qualquer divisão compartimentalizada apenas uma visão útil para efeitos didáticos.
· Normas Interpretativas/ Critérios utilizados para diferenciar o direito público e privado:
1. Interesse
2. Interesse predominante/ do sujeito
3. Posição dos sujeitos/ subordinação
4. Identidade dos sujeitos
5. Qualidade dos sujeitos
Características (Público X Privado)
	 Público¹
	Privado
	Legalidade
	Liberdade
	Imperativa
	Supletiva²
	Específica
	Geral
	No Direito:
	Direito Penal
	Direito Comercial
	Direito Administrativo
	Direito do Consumidor
	Direito Tributário
	Direito Civil³
¹. Há soberania ou autoridade pública.
². Também aplicada a publica em algumas situações.
³. Regras básicas da vida.
Divisão do Código Civil
- Personalidade *
- Relações Jurídicas
- Obrigações
- Contratos 
- Propriedades
- Família
- Sucessões
Diretrizes e Bases principiológicas do Código Civil
A Lei 10.406, de 10 de Janeiro de 2002 \u2013 atual Código Civil \u2013 teve como função suceder à arcaica base do Código de 1916, criado para uma sociedade ainda com traços colônias, monárquicos e paternalistas, essencialmente agrária e rural numa época em que a população ainda era quase totalmente analfabeta. As mudanças sócias trazidas pelo decorrer dos anos exigiram uma nova codificação que teve como mentor o professor Miguel Reale. O Código Civil de 2.002 conta com 2.046 artigos e é sistematizado dentro da concepção germânica, contendo Parte Geral e Parte Especial. Inova em diversos pontos, tais como sua base principiológica assentada na Eticidade, Operabilidade e Solidariedade.
· Importantes datas históricas relacionadas:
. 1500 \u2013 Ordenação Afonsinas 
. 1603 \u2013 Ordenação Filipinas (mesmo sistema que vigorou em Portugal e durante o Brasil colônia/ baseado no Direito Romano)
. 1804 \u2013 Code Napoleon (liberal, patriarcal e liberalista)
. 1822 \u2013 Independência do Brasil
. 1827 \u2013 Primeiros cursos jurídicos brasileiros
. 1850 \u2013 Código Comercial (50% em vigor atualmente)
. 1858 \u2013 Consolidação das Leis Civis
. 1889 \u2013 Republica 
. 1916 \u2013 Código Civil Reale/ Bevilaqua
. 1975 \u2013 Comissão Miguel Reale
. 1988 \u2013 Constituição Federal
. 2002 \u2013 Código Civil atual
Direito Civil Constitucional
Tem origem em uma Europa pós-guerra, oportunidade na quais diversos países, após inestimáveis perdas de valores, decidiram promulgar Constituições que buscassem constantemente a democracia, solidariedade e a proteção da dignidade do cidadão.
Nega-se a função meramente interpretativa da Carta Magna, defende-se a unidade de um ordenamento civil \u2013 constitucional, bem como se almeja uma nova interpretação, isto é, interpretar o Código Civil a partir da Constituição, e não o contrário.
- Pietro Perlingieri cria uma metodologia civil para não haver divergências nas codificações dos pensamentos constitucionais. 
Fontes do Direito Civil
· Artigo 4º LINDB:
\u201cQuando a lei for omissa; o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais de direito.\u201d
 ^ PRIMAZIA ^
1. Lei
\u201cpensamento jurídico deliberado e consciente, formulado por órgãos especiais, que representam a vontade dominante numa sociedade\u201d.
Características
A. Generalidade (dirigida a um nº indeterminado de indivíduos)
B. Permanente (efeitos permanentes enquanto estiver vigente)
C. Sanção (consequências)
D. Autoridade Competente
E. Escrita
F. Obrigatória *
*Artigo 3º LINDB:
\u201cNinguém se escusa de cumprir a lei alegando que não a conhece\u201d
· Lato Sensu: 
Qualquer ato que descrever e regular uma determinada conduta, mesmo que esse não provenha do Poder Legislativo.
· Stricto Sensu:
Fruto de elaboração do Poder Legislativo.
OBS: DO TEXTO SE EXTRAI A NORMA
2. Usos e Costumes
Considerado uma norma aceita como obrigatória pela consciência do povo, sem que o Poder Público a tenha estabelecido.
3. Jurisprudência
Conjunto de decisões judiciais, significando o entendimento ou diretiva resultante de decisões reiteradas dos tribunais sobre um determinado assunto.
4. Doutrina
\u201cAcervo de soluções/ opiniões trazidas pelos trabalhos dos juristas\u201d.
· Significante X Significado (objeto X função do objeto)
5. Analogia
Aplicação de dispositivos legais relativos a casos análogos, ante a ausência de normas que regulem o caso concretamente.
6. Princípios Gerias do Direito
Postulados que procuram fundamentar todo o sistema jurídico, não tendo necessariamente uma correspondência positivada equivalente.
Normas Jurídicas (Regras X Princípios) 
	Regras
	Princípios
	Descritivas
	Finalísticas
	MENOR grau de GENERALIDADE
	MAIOR grau de GENERALIDADE
	Conteúdo valorativo IMPLÍCITO
	Conteúdo valorativo EXPLÍCITO
	Modo de aplicação: tudo ou nada
	Modo de aplicação: mandado de otimização¹
	Pretensão: Abrangente/ de Decidibilidade
	Pretensão: de Parcialidade/ Complementaridade 
¹. Decisão mais justa possível.
Princípios da Dignidade Humana
· Referencia comum:
Valor intrínseco a TODA pessoa.
\u201cO homem é um fim em si mesmo, não podendo ser tratado como objeto.\u201d \u2013 Kant
· Dificuldade:
Dimensão histórico-cultural-social. (o que é digno no BRA não é no USA)
Segundo Luis Roberto Banoso (STF):
1. Valor intrínseco a todo ser humano:
· Vida 
· Igualdade
- formal (perante a lei) 
- substancial (na lei) 
Ex: Gênero \u2013 iguais perante a lei, porém há leis especificas para alguns. 
· Integridade psicofísica 
2. Autonomia (própria/norma) de cada indivíduo.
3. Valor comunitário que legitima restrições legitima.
Segundo Maria Celina Bodin de Moraes (PUC/RJ):
1. Valor intrínseco a todo ser humano:
· Liberdade
· Igualdade
· Intimidade psicofísica 
· Solidariedade social
*Art. 1º, III da Constituição Federal:
\u201cA República Federativa do Brasil, formada pela indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamento:
III \u2013 A dignidade da pessoa humana\u201d
*Elemento referencial para interpretação e aplicação das normas jurídicas.
Relação Jurídica
1. Conceito:
\u201cRelação de vida social disciplinada pelo Direito, mediante a atribuição a uma pessoa (em sentido jurídico), de uma faculdade ou de um poder e a correspondente imposição à outra pessoa de um dever ou de uma sujeição.\u201d
2. Conteúdo/ elementos:
· Sujeitos
-Ativo: CREDOR da prestação/ obrigação principal ou beneficiário principal da relação.
-Passivo: titular do dever jurídico/ DEVEDOR da prestação principal.
· Objeto
-Imediato: prestação
-Mediato: objeto prestado
· Fato propulsor (vínculo entre os sujeitos)
· Proteção jurídica (garantia de que os poderes e deveres da relação serão efetivados)
3. Classificações:
· Patrimoniais X Extrapatrimoniais
(Publica X Privada)
· Absoluta X Relativa
(Universal/ para todos X Determinada há alguns)
· Principais X Acessórias
(Ex: Colar X Pingente do colar)
· Simples X Complexas
(Elementos singulares (1 sujeito, 1 objeto...) X Elementos plurais)
Sujeitos de Direito
Pessoas:
- Físicas
- Jurídicas
Entes despersonalizados/ Pessoa Formal (não possuem personalidade jurídica própria):
a. Nascituro
b. Embrião excendentário
c. Prole eventual
d. Espólio
e. Herança jacente
f. Massa falida
g. Condomínio
1. Pessoa Física:
Sujeito destinatário de direito e obrigações. Seu surgimento ocorre a partir do nascimento com vida (Art. 2º do CC/2.002). No instante em que principia o funcionamento do sistema cardiorrespiratório, o recém-nascido adquire personalidade jurídica, tornando-se sujeito de direito, mesmo que venha a falecer minutos depois.
 ^ TEORIA NATALISTA (STF) ^
- Segundo essa teoria, se o recém-nascido \u2013 cujo pai tenha morrido \u2013 falece logo após o parto, terá adquirido os bens de seu genitor, transferindo-os para a sua mãe.
Porém alguns autores sustentam a ideia de que o nascituro adquiriria personalidade