A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Biologia Celular - Aula 1

Pré-visualização | Página 1 de 3

INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 1 
 
Turma: 
Data: 
Nome: 
Professora Leilane Morais Lopes 
Aula 1 – Biologia Celular 
Biologia Celular é a parte da biologia responsável pelo estudo das células. 
Essa estrutura é importante e fundamental para qualquer ser vivo. Sendo sua base 
primordial. 
A biologia celular só passou a se tornar ciência com o advento da 
miscroscópia. Pois as celulas tem tamanhos muito diminutos, tendo de algumas com 
µm de tamanho, o que as torna impossível de verficiar a olho nú. Mesmo as maiores 
celulas do nosso corpo, não são capazes de serem observadas a olho nú (Fig 1). 
 
Fig 1 – Representação esquemática dos níves de vizualização e dos seus respectivos tamanhos. 
Então para entender como se iniciou o estudo das celulas e depois dos 
tecidos (que são formados a apartir de celulas especificas que se comunicam entre si, 
e assim realizam uma função também especifica), precisamos entender como foi o 
surgimento do microscópio e das primeiras indagações sobre a vida. 
Muito antes de se utilizar, ou mesmo pensar em utilizar lentes que 
possuiam capacidade de aumento, para visualizar os seres vivos, os humanos já 
estavam se utilizando da ótica para observar o mundo. 
 INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 2 
 
Em 500 a.C., Confúcio, na China já utilizava pedras cortadas como 
instrumento óptico. 
Já em 1000 d.C., Monges árabes, utilizavam lentes, como “pedra da 
leitura”, “lupa primitiva” para aumentar a vizualização de letras. 
Em 1270 d.C., Marco Polo observou que chineses idosos utilizando 
“óculos” para leitura. 
No final Séc. XIII em Veneza essas lentes já eram utilizadas em armação. 
Aqui já existiam os óculos! 
Foram a invesão e posterior utilização dessas lentes, que levaram a 
invenção do microscópio. Nosso amigo de todos os dias de laboratório foi inventado 
tendo como base um telescopio, que é uma especie de binoculo, mas que com apenas 
uma ocular. Em 1595 Hans Janssen e Zacharias Janssen (fabricantes de óculos) 
inventaram o primeiro microscópio, ele era bem rudimentar, mas já possui 2 lentes 
acopladas que eram capazes de realizar aumento, podendo assim observar pequenos 
animais ou objetos. 
Em 1665, Robert Hooke, utilizando um desses microscopios e no alge de 
seus 30 anos, ao observar um pedaço de curtiça, contata que ele é formado por várias 
lacunas como se fossem burracos, e se inspirando nos quartos dos monjes católicos 
(que eram pequenos e praticamente vázios) cunha o termo “célula”, se referindo a 
esses quartos (fig 2). 
 
Fig 2 – Imagem observada por Hooke ao miscrospio. Corte de celulas vegetais presentes na cortiça. 
Mas é claro que depois dessa descoberta, outras se seguiriam! 
Em 1674, Leeuvenhoek observou com a ajuda de um microscópio, 
elaborado por ele, celulas livres. Brown, 1831, descobriu o núcleo e assim cunhou o 
Conceito de célula - “Massa de protoplasma limitada por uma membrana celular e 
possuindo um núcleo.” 
Schleiden, 1838, descobriu as estrutura dos tecidos vegetais e Schwann, 
1839 as estrutura dos tecidos animais. Eles cunharam a Teoria Celular, que coloca 
que todos os seres vivos são constituidos por células. E não é que eles estavam 
certos!!! 
 INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 3 
 
Mas não foram descobertas todas as estruturas assim tão rapidamente, 
algumas estruturas só puderam ser visualizadas após muita evolução tecnologica nos 
microscópios. Em 1855, Virchow descobriu que as células podem surgir somente por 
divisão de uma célula pré-existente, sendo assim apenas uma celula pode dar origem 
a outras celulas. Eduard Strasburger, em 1880 fez os primeiros desenhos de células 
em divisão (célula ciliada de flor de Tradescantia, Fig 3). Flemming, em 1880 
descreveu o mecanismo da mitose, como ela se dava, os seus passos, desde a celula 
mãe, até as celulas filhas. Observando as células em divisão, Waldeyer, em 1890, 
observa o material genético super condensado e cunha o termo “cromossomo” ao 
observar a divisão precisa dos cromossomos. 
 
Fig 3 – Desenho esquemático feito por Eduard Strasburger em 1880. 
Em 1898, Camillo Golgi, descobre a organela celulas, vocês conseguem 
adivinhar qual organela ele descobriu? 
Pode responder aqui -> 
Se você respondeu o Complexo de Golgi, você acertou!! Mas essa tava 
molesinha! 
Com todas essas descobertas, foi postulada a Teoria Celular Moderna (é 
de 1900, as é moderna pela ciência!) 
“Todas as células são as unidades morfológicas e fisiológicas de todos os 
organismos vivos. As propriedades de um dado organismo dependem daquelas 
de cada uma de suas células. As atividades essenciais que caracterizam a vida 
ocorrem no interior das células. As células originam-se somente de outras 
células, das quais herdam suas características. A menor unidade da vida é a 
célula.” 
Muito do que se sabe atualmente sobre as organelas celulares só foram 
descobertas após o desenvolvimento dos microscópios eletrônicos. 
Então agora vamos falar um pouco dos microscopios! Nossos amigos de 
todos os dias! 
 INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 4 
 
Eu adoro eles! 
Microscopia 
O Objetivo da microscopia é a obtenção de imagens ampliadas de um 
objeto, que nos permitam distinguir detalhes não revelados a olho nu. Para isso são 
utilizados os microscópios. A maioria das fotografias de células é tirada usando um 
microscópio e essas fotografias também podem ser chamadas de microfotografias. 
Os microscópios são instrumentos que nos possibilitam a partir da óptica 
observar estruturas diminutas. Existem dois fatores que devem ser considerados 
quando falamos de microscópios – Definição e Resolução. 
Ampliação é a medida de quanto maior um microscópio (ou conjunto de 
lentes dentro do microscópio) consegue mostrar um objeto. Por exemplo, os 
microscópios óticos normalmente usados nas escolas e faculdades ampliam cerca de 
400 vezes o tamanho real. Então, algo que possua 1 mm de largura na vida real terá 
400 mm de largura na imagem microscópica. 
A resolução de um microscópio ou lente é a menor distância na qual dois 
pontos podem estar separados e ainda ser distinguidos como objetos distintos. Quanto 
menor for este valor, maior o poder de resolução do microscópio e melhor a clareza e 
detalhe da imagem. Se duas células bacterianas estiverem muito próximas em uma 
lâmina, elas podem parecer um único ponto borrado num microscópio com baixo 
poder de resolução, mas podem parecer distintas num microscópio com alto poder de 
resolução. 
Se um miscrocópio possuir apenas um dos 2 atributos muito elevado, a 
imagem resultante será ruim. Se a ampliação for maior que a resolução, teremos uma 
imagem borrada, mas bem grande. Se a resolução for maior que a ampliação teremos 
uma boa imagem, mas bem pequena. 
Atualmente existem 3 tipos de microscópios. Os ópticos, os eletrônicos e o 
confocal. 
Microscópio Óptico 
Nos microcópios opticos temos também os esteroscópicos, também 
conhecidos como Lupas. Eles se baseiam na utilização da luz direta sobre um 
conjunto de lentes para obter na ocular, uma resolução observável. Sua resolução e 
amplitude é pequena, possuindo um aumento de até 2000 vezes. O microscópio 
funciona ao iluminar o objeto com luz visível ou ainda luz ultravioleta, ela se difraga 
devido ao comprimento de onda da luz (fig 4). 
 INSTITUTO DE ENSINO JOSÉ RODRIGUES DA SILVA pag 5 
 
 
Fig 4 – Microscopio optico e suas partes. 
No microcopios eltrônicos temos uma maior resolução e amplitudo. Eles 
foram os responsáveis por conseguirmos observar as organelas celulares com maior 
definição, e até mesmo replicação de vírus. 
Microscopia Eletrônica