Ciclo reprodutivo feminino
3 pág.

Ciclo reprodutivo feminino


DisciplinaEmbriologia10.510 materiais253.064 seguidores
Pré-visualização1 página
Ciclo reprodutivo feminino
O ciclo ovariano consiste em uma série de eventos nos ovários que ocorrem durante e após a maturação do oócito. O ciclo uterino (menstrual) é uma série concomitante de alterações no endométrio do útero para prepará-lo para a chegada de um óvulo fertilizado, que ali vai se desenvolver até o nascimento.
O termo geral ciclo reprodutivo feminino abrange os ciclos ovariano e uterino, as alterações hormonais que os regulam e as mudanças cíclicas relacionadas nas mamas e no colo do útero. 
Regulação hormonal do ciclo reprodutivo feminino
No meio do ciclo, o LH estimula a ovulação e, então, promove a formação do corpo lúteo, a razão para o nome hormônio luteinizante. Estimulado pela LH, o corpo lúteo produz e secreta estrogênios, progesterona, relaxina e inibina.
Os estrogênios secretados pelos folículos ovarianos têm várias funções importantes, dentre elas: Promover o desenvolvimento e manutenção das estruturas reprodutivas femininas, características sexuais secundárias e mamas. As características sexuais secundárias incluem a distribuição do tecido adiposo nas mamas, no abdome, no monte do púbis e nos quadris\u37e tom da voz\u37e uma pelve ampla\u37e e o padrão de crescimento de pelos no corpo.
A progesterona, secretada principalmente pelas células do corpo lúteo, coopera com os estrogênios para preparar e manter o endométrio para a implantação de um óvulo fertilizado e preparar as glândulas mamárias para a secreção de leite.
A pequena quantidade de relaxina produzida pelo corpo lúteo durante cada ciclo mensal relaxa o útero inibindo as contrações do miométrio.
No final da gestação, a relaxina também aumenta a flexibilidade da sínfise púbica e pode ajudar a dilatar o colo do útero, que facilitam a saída do bebê.
A inibina é secretada pelas células granulosas dos folículos em crescimento e pelo corpo lúteo após a ovulação. Ela inibe a secreção de FSH e, em menor grau, de LH.
Fase do ciclo reprodutivo feminino 
Para essa discussão, assume-se uma duração de 28 dias e divide-se o ciclo em quatro fases: a fase menstrual, a fase pré-ovulatória, a ovulação e a fase pós-ovulatória.
Fase menstrual 
A fase menstrual, também chamada de menstruação, perdura aproximadamente os 5 primeiros dias do ciclo.
EVENTOS NOS OVÁRIOS. Sob influência do FSH, vários folículos primordiais se desenvolvem em folículos primários e, então, em folículos secundários. Este processo de desenvolvimento pode levar vários meses para ocorrer. Portanto, um folículo que começa a se desenvolver no início de um dado ciclo menstrual pode não alcançar a maturidade e ovular até vários ciclos menstruais mais tarde.
EVENTOS NO UTERO. Esta eliminação ocorre porque os níveis decrescentes de progesterona e estrogênios estimulam a liberação de prostaglandinas que fazem com que as arteríolas espirais do útero se contraiam. Como resultado, as células que elas irrigam são privadas de oxigênio e começam a morrer. Por fim, todo o estrato funcional descama. Nesta altura, o endométrio está muito fino, com cerca de 2 a 5 mm, porque apenas o estrato basal permanece.
Fase préovulatória 
A fase pré-ovulatória é o período entre o fim da menstruação e a ovulação. 
EVENTOS NOS OVARIOS. Por volta do dia 6, um folículo secundário único em um dos dois ovários superou todos os outros para se tornar o folículo dominante. Os estrogênios e a inibina secretados pelo folículo dominante diminuem a secreção de FSH, o que faz com que os outros folículos menos bem desenvolvidos parem de crescer e sofram atresia.
Normalmente, um folículo secundário dominante único passa a ser o folículo maduro, que continua aumentando até que tenha mais de 20 mm de diâmetro e esteja pronto para a ovulação.
Em relação ao ciclo ovariano, as fases menstrual e préovulatória em conjunto são chamadas de fase folicular, porque os folículos ovarianos estão em crescimento e desenvolvimento. 
EVENTOS NO ÚTERO. Os estrogênios liberados para o sangue pelos folículos ovarianos em crescimento estimulam o reparo do endométrio\u37e as células do estrato basal sofrem mitose e produzem um novo estrato funcional.
Em relação ao ciclo uterino, a fase préovulatória também é denominada fase proliferativa, porque o endométrio está proliferando.
Ovulação A ovulação, a ruptura do folículo maduro e a liberação do oócito secundário para o interior da cavidade pélvica, geralmente ocorre no 14 o dia em um ciclo de 28 dias.
1. Uma alta concentração de estrogênios estimula a liberação mais frequente de GnRH pelo hipotálamo. Também estimula diretamente os gonadotropos na adenohipófise a secretar LH. 
2. O GnRH promove a liberação adicional de FSH e LH pela adenohipófise. 
3. O LH provoca a ruptura do folículo maduro e a expulsão de um oócito secundário aproximadamente 9 h após o pico de LH. O oócito ovulado e suas células da coroa radiada geralmente são deslocados para a tuba uterina.
O pequeno volume de sangue que, às vezes, extravasa para a cavidade pélvica do folículo rompido pode causar dor, conhecida como dor intermenstrual (do alemão mittelschmerz), no momento da ovulação.
Fase pósovulatória
 A fase pósovulatória do ciclo reprodutivo feminino é o período entre a ovulação e o início da menstruação seguinte.
EVENTOS NO OVARIO. Uma vez que um coágulo se forma pelo pequeno sangramento do folículo rompido, o folículo se torna o corpo rubro. Estimulado pelo LH, o corpo lúteo secreta progesterona, estrogênios, relaxina e inibina. As células lúteas também absorvem o coágulo de sangue. Em relação ao ciclo ovariano, esta fase é chamada de fase lútea.
Se o óvulo não foi fertilizado, o corpo lúteo tem uma vida útil de apenas 2 semanas. Em seguida, a sua atividade secretora declina, e ele se degenera em um corpo albicante. À medida que os níveis de progesterona, estrogênios e inibina diminuem, a liberação de GnRH, FSH e LH aumenta, em decorrência da perda da supressão por feedback negativo pelos hormônios ovarianos. O crescimento folicular é retomado e começa um novo ciclo ovariano.
Ele é \u201cresgatado\u201d da degeneração pela gonadotropina coriônica humana (hCG). Como o LH, o hCG estimula a atividade secretora do corpo lúteo. A determinação de hCG no sangue ou na urina materna é um indicador de gravidez e é o hormônio detectado pelos testes de gravidez de venda livre.
EVENTOS NO UTERO. Em decorrência da atividade secretora das glândulas uterinas, que começam a secretar glicogênio, este período é denominado fase secretora do ciclo uterino. Se a fertilização não ocorrer, os níveis de 26. 27. 28. 28.4 \u2022 \u2022 progesterona e estrogênios declinam, em decorrência da degeneração do corpo lúteo. A interrupção na progesterona e nos estrogênios provoca a menstruação.