A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
64 pág.
AnaliseDemonstracoesFinanceiras

Pré-visualização | Página 1 de 12

ANÁLISE DAS 
DEMONSTRAÇÕES 
FINANCEIRAS 
 
 
Professor: Robson Simões 
e-mail: professor.contabilidade@yahoo.com.br 
 
 
 
 
 
 
 
 
Análise das Demonstrações Financeiras 
 
Professor: Robson Simões Página 2 
 
 
SUMÁRIO 
Assunto Pag. 
1 - DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS) 
1.1 - Introdução 
1.2 - Balanço Patrimonial 
1.3 - DRE – Demonstração do Resultado Do Exercício 
1.4 - DLPA – Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados 
1.5 – Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido 
1.6 - Demonstração dos Fluxos De Caixa 
1.7 - Demonstração do Valor Adicionado 
1.8 – Notas Explicativas 
 
2 – ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (CONTÁBEIS) 
2.1 – Introdução 
2.2 – Motivos para a Análise Financeira 
2.3 – Estática Patrimonial 
2.4 – Dinâmica Patrimonial 
2.5 – Ajustes e Reclassificações Contábeis 
 
3 – ANÁLISE VERTICAL E HORIZONTAL 
3.1 - Análise Vertical 
3.2 – Análise Horizontal 
 
4 – ESTUDO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA 
4.1 – Introdução 
4.2 – Índices de Liquidez 
4.2.1 – ILC - Índice de Liquidez Corrente 
4.2.2 – ILS - Índice de Liquidez Seca 
4.2.3 – ILG - Índice de Liquidez Geral 
4.2.4 – ILI - Índice de Liquidez Imediata 
4.3 – Índices de Estrutura do Capital 
4.3.1 – Imobilização do Patrimônio Líquido 
4.3.2 – Imobilização dos Recursos a Longo Prazo e do PL 
4.3.3 – Particip. de Capital de Terceiros s/Recursos Próprios 
4.3.4 – Composição de Endividamento 
 
 
4 
4 
4 
11 
14 
17 
15 
15 
16 
 
16 
16 
17 
18 
18 
19 
 
25 
25 
29 
 
35 
35 
35 
35 
37 
38 
40 
44 
44 
44 
45 
46 
 
 
Análise das Demonstrações Financeiras 
 
Professor: Robson Simões Página 3 
 
4.4 - Índices de Atividade 
4.4.1 – Prazo Médio de Recebimento de Vendas 
4.4.2 – Prazo Médio de Pagamento de Compras 
4.4.3 – Prazo Médio de Renovação de Estoques 
4.4.4 – Ciclo Financeiro 
4.4.5 – Ciclo Operacional 
4.4.6 – Quociente de Posicionamento Relativo 
 
5 – ESTUDO DA SITUAÇÃO ECONÔMICA 
5.1 – Introdução 
5.2 – Índices de Lucratividade 
5.2.1 – IMB – Índice de Margem Bruta 
5.2.2 – IML – Índice de Margem Líquida 
5.2.3 – IMO – Índice de Margem Operacional 
 
5.3 – Índices de Rentabilidade 
5.3.1 – TRI (ou ROI) – Taxa de Retorno Sobre Investimento 
5.3.2 – TRPL (ou ROE) – Taxa de Retorno Sobre o P.L. 
 
6 - PLANO DE CONTAS 
 
BIBLIOGRAFIA 
47 
47 
47 
48 
48 
49 
50 
 
53 
53 
53 
53 
53 
54 
 
56 
56 
56 
 
59 
 
64 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Análise das Demonstrações Financeiras 
 
Professor: Robson Simões Página 4 
 
1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS) 
1.1 INTRODUÇÃO 
O Artigo 176 da Lei nº 6.404/76 estabelece que, ao final de cada Exercício 
Social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na Escrituração mercantil, 
as seguintes Demonstrações Financeiras, que deverão exprimir com clareza a 
situação do Patrimônio da empresa e as mutações ocorridas no Exercício: 
a) Balanço Patrimonial; 
b) Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados; 
c) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido 
d) Demonstração do Resultado do Exercício; 
e) Demonstração dos Fluxos de Caixa; 
f) Demonstração do Valor Adicionado; 
g) Notas Explicativas. 
Em substituição à Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados, as 
empresas podem elaborar a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido. 
A Demonstração do Valor Adicionado é obrigatória somente para as 
Sociedades Anônimas de Capital Aberto. Todas as Demonstrações Financeiras 
elaboradas pela empresa deverão ser transcritas no livro Diário. 
As Sociedades Anônimas de Capital Aberto (que têm autorização para 
negociar seus títulos no mercado de capitais) são obrigadas a publicar seus 
Resultados anualmente, nos jornais de maior circulação do país. Assim, as 
Demonstrações de cada Exercício devem ser publicadas com a indicação dos 
valores correspondentes às Demonstrações do Exercício anterior. 
As Demonstrações Financeiras devem ainda ser complementadas por Notas 
Explicativas e por outros quadros analíticos ou Demonstrações Contábeis 
necessários ao bom esclarecimento da Situação Patrimonial e do Resultado do 
Exercício. 
Nas Demonstrações, as contas semelhantes podem ser agrupadas e os 
pequenos saldos podem ser agregados, desde que sua natureza seja indicada e que 
não ultrapassem um décimo do valor do respectivo grupo de contas. Mas é vedada 
a utilização de designações genéricas, como Diversas Contas ou Contas-
correntes. 
 
1.2 BALANÇO PATRIMONIAL 
O Balanço Patrimonial é a Demonstração Financeira que evidencia, 
resumidamente, o Patrimônio da empresa, quantitativa e qualitativamente. 
Veja o que estabelece o artigo 178 da Lei nº 6.404/76. 
Análise das Demonstrações Financeiras 
 
Professor: Robson Simões Página 5 
 
“Art. 178. No balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos 
do patrimônio que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a 
análise da situação financeira da companhia. 
§1º No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de 
liquidez dos elementos nelas registrados, nos seguintes grupos: 
I – ativo circulante; 
II – ativo não circulante, composto por ativo realizável a longo prazo, 
investimentos, imobilizado e intangível. 
§2º No passivo, as contas serão classificadas nos seguintes grupos: 
I – passivo circulante; 
II – passivo não-circulante; e 
III – patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital, 
ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em tesouraria e 
prejuízos acumulados.” 
Veja a seguir um modelo do Balanço Patrimonial no qual apresentamos os 
grupos e os subgrupos em que se dividem o Ativo e o Passivo, bem como as Contas 
Redutoras (ou Retificadoras) mais comuns do Ativo e/ou do Passivo. A relação das 
demais contas você encontra no tópico 9 (Plano de Contas) de nossa apostila. 
 
CONTAS 
EXERCÍCIO 
ATUAL 
$ 
EXERCÍCIO 
ANTERIOR 
$ 
ATIVO 
ATIVO CIRCULANTE 
 
 
 
 
DISPONIBILIDADES 
 Caixa 
 Bancos conta Movimento 
 Aplicações de Liquidez Imediata 
 
 
 
 
 
 
CLIENTES 
 Duplicatas a Receber 
 (-) Provisão p/Créditos de Liq. Duvidosa 
 
 
 
 
OUTROS CRÉDITOS 
 Promissórias a Receber 
IMPOSTOS A RECUPERAR 
 ICMS a Recuperar 
INVEST. TEMP. A CURTO PRAZO 
 Ações de Outras Empresas 
Análise das Demonstrações Financeiras 
 
Professor: Robson Simões Página 6 
 
ESTOQUES 
 Estoque de Mercadorias 
DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE 
 Aluguéis Passivos a Vencer 
 Juros Passivos a Vencer 
 Prêmios de Seguros a Vencer 
 Propagandas e Publicidade a Vencer 
 
 
 
 
 
 
 
 
ATIVO NÃO-CIRCULANTE 
ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 
 Duplicatas a Receber 
 Promissórias a Receber 
 Créditos com Pessoas Ligadas 
 Outros Créditos 
 
 
 
 
 
 
 
 
INVESTIMENTOS 
 Participação na Empresa A 
IMOBILIZADO 
 Computadores 
 (-) Depreciação Acum. de Computadores 
 Imóveis 
 (-) Depreciação Acumulada de Imóveis 
 Instalações 
 (-) Depreciação Acumulada de 
Instalações 
 Móveis e Utensílios 
 (-) Deprec. Acum. de Móveis e Utensílios 
 Veículos 
 (-) Depreciação Acumulada de Veículos 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
INTANGÍVEL 
 Fundo de Comércio 
 (-) Amort. Acum. de Fundo de Comércio 
 Marcas e Patentes 
 (-) Amort. Acum. de Marcas e Patentes 
 
 
 
 
 
 
 
 
TOTAL DO ATIVO 
 
 
 
Análise das Demonstrações Financeiras 
 
Professor: Robson Simões Página 7 
 
 
CONTAS 
EXERCÍCIO 
ATUAL 
$ 
EXERCÍCIO 
ANTERIOR 
$ 
PASSIVO 
PASSIVO CIRCULANTE 
 
 
 
 
OBRIGAÇÕES A FORNECEDORES 
 Duplicatas a Pagar 
EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 
 Bancos conta Empréstimo 
OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS 
 Impostos e Taxas a Recolher 
 Provisão para Imposto de Renda 
 Provisão para Contribuição Social 
 
OBRIG. TRABALH. E PREVIDENC. 
 Salários a Pagar 
 Encargos Sociais