A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
920 pág.
Fundamentos da Homeopatia

Pré-visualização | Página 24 de 50

Esse argumento cristalizou um conflito permanente em medicina.(g) O paciente quer ter o máximo 
padrão de cuidados dos médicos com o mínimo custo para ele. Assim ele dá as boas vindas a 
39 
qualquer organização ou arranjo que obrigue o médico a ficar na linha . O médico, ao contrário, 
rejeita supervisão com o pretexto de que ele sozinho arca com a responsabilidade do resultado final. 
Mas é evidente que a liberdade aumentada do médico pode ser prejudicial para o paciente , 
retirando todos os obstáculos para o desejo instintivo de tratar o paciente com um mínimo de esforço 
intelectual e um máximo de retorno econômico .Era assim que o argumento dos “baixas “ por maior 
liberdade profissional era visto pelos “altas “—uma desculpa para fazer menos do que o melhor para 
os pacientes A única terapeutica científica era o rigoroso método de Hahneman 
Quando o Instituto, dominado pelos “baixas”, resolveu em 1882 , que “nenhum médico pode 
sustentar adequadamente a responsabilidade, ou cumprir seu dever profissional , a não ser que ele 
goze da liberdade absoluta de opinião médica e da não obstrução da ação médica –a liberdade do ato 
médico (nota do tradutor ) ...(112) o jornal líder dos “altas” comentou: 
(g)Este conflito foi exemplificado , por exemplo , numa disputa entre os lays trustees de um hospital homeopático em Philadelfia que 
obrigou ao uso dos padrões hahnemanianos e o corpo médico que desejava empregar paliativos . O resultado foi a demissão de 8 médicos . 
Eles argumentavam que tinham responsabilidade sobre os pacientes e assim tinham o direito de decidir sobre o tratamento a ser seguido 
Como pode um homem fazer parte de uma organização baseada em uma lei Divina ,que de início 
determina a desconsideração desta lei sempre que lhe der na veneta ou quando ele tiver dificuldades , 
que sua força de vontade e seu atual grau de conhecimento não sejam suficientes para superar ... A 
única resposta óbvia para esta última questão é encontrada na palavra tão encantadora para todos nós 
– “liberdade”. A nossa é às vezes chamada de “terra de liberdade”, e realmente é ... Mas o que é 
liberdade sem lei? Socialmente e civilizadamente tal “Liberdade” é licenciosidade e anarquia, 
Profissionalmente, tal “liberdade” é somente anarquia e confusão. “Liberdade” sem lei é satânico e 
não divino de todo... Resolver fazer como “eu quero “num assunto em que Deus já deixou uma lei 
que serve como guia e governo é no homem apenas presunção, tolice e pecado... Ao tratar os doentes 
não há liberdade para nenhum homem que não seja fazer o melhor possível para curar .Nenhuma 
resolução de nenhum grupo de homens quem quer que eles possam ser pode criar tal 
liberdade......estes membros não tem tal liberdade e nem o poder de cria-la para eles mesmos . A 
tentativa de fazê-lo, ou afirmar sua existencia é algo do que deve-se envergonhar. Eles deveriam com 
a mesma respeitabilidade tentar revogar ou substituir qualquer outra das leis de Deus...Esta resolução 
é uma traição contra Deus e os homens –contra a lei divina e toda experiencia inteligente de 
obediencia a esta lei na execução da tarefa clínica...É traição contra os interesses dos doentes que 
comprovadamente estão mais assegurados se houver uma prática estritamente de acordo com o 
requerido pela lei homeopática...(113) 
Para o protesto dos “baixas” de que a homeopatia pura de Hahneman era extremamente difícil, os 
“altas” replicaram que eles poderiam fazer isso, e tambem qualquer um que quisesse enfrentar o 
problema : 
Dez homens levantam-se e afirmam cada um, “Eu não vi”, e um deles afirma “Eu vi”, e qual dos 
onze seria aceito por uma corte como competente para dar tal declaração? Um sabe o que os outros 
dez não sabem. Os dez declararam que eles tentaram as altas potências e não obtiveram resultados 
positivos. O que eles demonstraram? Nada mais que sua própria ignorância em lidar com o uso dessas 
potências.(114) 
Por isto os “baixas “chamavam os “altas “ de se vangloriar ,imoderados e arrogantes : 
Os “altas “da sinagoga de Philadelfia , e quero dizer com isto o Pensilvania College of 
Homeopathy , são piores que o sapo da fábula . Se voces não acreditam em nossas altas potencias 
voces são hereges ;denunciamos voces como tal ;voces não são homeopatas ; Se eles não usam estas 
palavras exatamente eles escrevem e falam certamente com este espírito(115) 
Não é verdade que o grupo dos “baixas “ da escola homeopática ignoram as “leis imutáveis da 
natureza”, isto é, a lei dos similares. O respeitado autor dessa afirmação não aprendeu mais, nem é 
mais sábio, não têm qualificações melhores ou especiais para decidir questões que envolvem a 
terapeutica homeopática ,mais do que seus colegas os “baixas”. Os “altas “tendem a arrogar para si 
mesmos uma superioridade de resultados na prática e tambem de conhecimentos teóricos da 
homeopatia pura. Eles colocaram-se a si mesmos como censores e professores para quem os “baixas 
“deveriam se dirigir para instruções e exemplos(116) 
40 
Outros dos “baixas”, entretanto, estavam dispostos a admitir que eles mantinham-se sem praticar o 
Hahnemanianismo puro por suas próprias inadequações : 
Eu passei dos setenta , tenho praticado medicina por quarenta e quatro anos, e acho que tenho 
muito a aprender ... Eu acredito na lei dos similares, mas quando eu encontro casos onde eu não sou 
bom o suficiente para aplica-la, então eu uso os outros remédios ,os melhores para aquele caso que a 
minha experiência me ensinou (117). 
Embora todos nós estejamos prontos para endossar a teoria do remédio único como uma 
conseqüência lógica da lei da homeopatia, e considerar isso como o summum bonum da prática, ainda 
encontramos muita dificuldade em sua aplicação prática, tanto que a maioria de nós, eu presumo, 
fugimos da regra às vezes alternando, se não misturando, medicamentos.(118) 
Como indivíduo eu afirmo que eu tenho o dever de usar qualquer coisa que eu ache melhor, para o 
alívio e cura de meus pacientes . Eu acredito que a lei da homeopatia é universal, ainda que nós não 
tenhamos estudado de modo que possamos ser capazes em todos os aspectos de prescrever de forma 
homeopática; e se falhamos, não é para se culpar a lei de Hahneman mas sim a nossa própria falta de 
conhecimento. Nosso dever é medicar nossos pacientes, e se não sabemos da Materia Médica o 
suficiente, e se não estamos prontos para receitar um medicamento que alivie o paciente, eu 
reivindico o direito de usar o que salvará a vida do paciente, seja homeopático ou não.(119) 
Além do mais, os “altas” eram tão rigorosos com eles próprios quanto o eram com os “baixas” . 
No seu início o Instituto estabeleceu : 
Consideramos que a lei da Homeopatia é coextensiva às doenças e ter que recorrer a qualquer 
outro meio ,diferente do que propõe a lei ,similia similibus , é o resultado , em parte da incompletude 
da nossa matéria Médica mas principalmente o resultado da falta de conhecimento suficiente da parte 
do médico dos remédios já conhecidos pela nossa escola e não a insuficiencia da lei 
Homeopática.(120) 
Constantine Hering admitiu fracassos,(121) como fez o outro representante dos “altas, e eles 
insistiam que a culpa era, freqüentemente, devido à falta de competência dos médicos – e não à 
alguma inadequação da doutrina homeopática: 
Para um homem dizer que porque ele falhou com um paciente, então a lei da Homeopatia é falha , 
é presunção. Isso implica que ele sabe tudo sob a lei e tudo que já foi ensinado no passado ... sabe as 
indicações para todos os remédios que foram comprovados no passado, tão bem como os que serão 
comprovados no futuro, o que é impossível ...(122) 
Muito frequentemente a nossa preguiça é responsavel por nossas falhas ...(123) 
Não que eu tenha curado todos os casos que receberam meus cuidados, mas eu curei o suficiente 
para saber que, quando eu falhei, a falha não era causada pelo remédio único

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.