A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
85 pág.
ADM 1

Pré-visualização | Página 1 de 24

DIREITO ADMINISTRATIVO 
 
1a Questão (Ref.:201501517231) 
Pontos: 0,1 / 0,1 
Acerca dos órgãos públicos, assinale a opção correta. 
 
 Alguns órgãos públicos têm capacidade processual, já que são titulares de direitos 
subjetivos próprios a serem defendidos. 
 
É correto, do ponto de vista da natureza jurídica do órgão, afirmar que "João propôs uma 
ação de rito ordinário contra a receita federal". 
 
A teoria que melhor explica a relação existente entre o servidor público e a pessoa 
jurídica do Estado é a teoria da representação, cuja característica principal consiste no 
princípio da imputação volitiva. Assim, a vontade do órgão público é imputada à pessoa 
jurídica a cuja estrutura pertence, já que aquele estaria agindo em seu nome. 
 
A organização da administração pública direta, no que se refere à estruturação dos 
órgãos e competência, é matéria reservada à lei. 
 
 
 
2a Questão (Ref.:201501513620) Pontos: 0,1 / 0,1 
O princípio básico que objetiva aferir a compatibilidade entre os meios e os fins, de modo a 
evitar restrições desnecessárias ou abusivas por parte da Administração Pública, com lesões aos 
direitos fundamentais, denomina-se: 
 
 razoabilldade; 
 
impessoalidade; 
 
imperatividade. 
 
coercibilidade; 
 
motivação; 
 
 
 
3a Questão (Ref.:201501991923) Pontos: 0,1 / 0,1 
¿1. Ação Direta de Inconstitucionalidade. 2. Parágrafo único do art. 1º do Decreto estadual n.° 
1.807, publicado no Diário Oficial do Estado de Alagoas de 26 de março de 2004. 3. 
Determinação de imediata exoneração de servidor público em estágio probatório, caso seja 
confirmada sua participação em paralisação do serviço a título de greve. 4. Alegada ofensa do 
direito de greve dos servidores públicos (art. 37, VII) e das garantias do contraditório e da 
ampla defesa (art. 5º, LV). 5. Inconstitucionalidade. 6. O Supremo Tribunal Federal, nos termos 
dos Mandados de Injunção n.ºs 670/ES, 708/DF e 712/PA, já manifestou o entendimento no 
sentido da eficácia imediata do direito constitucional de greve dos servidores públicos, a ser 
exercício por meio da aplicação da Lei n.º 7.783/89, até que sobrevenha lei específica para 
regulamentar a questão. 7. Decreto estadual que viola a Constituição Federal, por (a) considerar 
o exercício não abusivo do direito constitucional de greve como fato desabonador da conduta do 
servidor público e por (b) criar distinção de tratamento a servidores públicos estáveis e não 
estáveis em razão do exercício do direito de greve. 8. Ação julgada procedente.¿ BRASIL. 
Supremo Tribunal Federal. ADI 3235 / AL. Rel. Min. Gilmar Mendes. Julgamento em: 
04/02/2010, publicada no DJe n.º 246, de 11/03/2010. Disponível em: < 
http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/ >. Acesso em: 02 fev. 2015. A declaração de 
inconstitucionalidade do Decreto Estadual, objeto de análise na ementa acima transcrita, 
encontra fundamento constitucional no princípio da: 
 
 
Eficiência 
 
Publicidade. 
 
Moralidade 
 
Continuidade da Prestação do Serviço Público. 
 Impessoalidade. 
 
 
 
4a Questão (Ref.:201501519043) Pontos: 0,0 / 0,1 
(Adaptação/OAB) Prescreve o caput do artigo 37 da Constituição Federal que a Administração 
Pública Direta e Indireta de qualquer dos poderes da União, dos listados, do Distrito Federal e 
dos Municípios obedecerá aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade 
e eficiência. A respeito dos princípios da Administração Pública, assinale a alternativa incorreta. 
 
 Segundo a doutrina majoritária e decisão hodierna do STF, o rol de princípios previstos 
no artigo 37, caput. do texto constitucional é taxativo, ou seja, a Administração Pública, 
em razão da legalidade e taxatividade não poderá nortear-se por outros princípios que 
não os previamente estabelecidos no referido dispositivo. 
 
O princípio da legalidade significa estar a Administração Pública, em toda a sua atividade, 
adstrita aos mandamentos da lei, deles não podendo se afastar, sob pena de invalidação 
do ato. Assim, se a lei nada dispuser, não poderá a Administração agir, salvo em 
situações excepcionais. Ainda que se trate de ato discricionário, há de se observar o 
referido princípio. 
 
O princípio da eficiência foi inserido positivamente na Constituição Federal via emenda 
constitucional. 
 A Constituição Federal de 1988 no artigo 37, § l, dispõe sobre a forma de como deve ser 
feita a publicidade dos atos estatais estabelecendo que a publicidade dos atos, 
programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter 
educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, 
símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores 
públicos. 
 
O STF reiteradamente tem proclamado o dever de submissão da Administração Pública ao 
principio da moralidade. Corno exemplo, cita-se o julgado em que o Pretório Excelso 
entendeu pela vedação ao nepotismo na Administração, não se exigindo edição de lei 
formal a esse respeito, por decorrer diretamente de princípios constitucionais 
estabelecidos, sobretudo o da moralidade da Administração. 
 
 
 
5a Questão (Ref.:201501408358) Pontos: 0,1 / 0,1 
(OAB/CESPE) - No exercício do poder sancionar da administração pública. 
 
 
não se admite o exercício da discricionariedade administrativa 
 
incide o mesmo princípio da tipicidade estrita aplicável às sanções de natureza penal. 
 devem ser observados os princípios da ampla defesa prévia e da proporcionalidade na 
dosimetria da sanção. 
 
as sanções de interdição de estabelecimento, de demolição de obra irregular e de multa 
pecuniária são dotadas da prerrogativa de auto-executoriedade direta pela administração 
sancionadora. 
 
 
1a Questão (Ref.:201501408284) 
Pontos: 0,0 / 0,1 
(OAB) Sobre o poder de polícia é correto afirmar: 
 
 
É a faculdade de que a administração pública dispõe para restringir o uso e gozo de bens 
ilimitadamente. 
 É o fundamento para a autoridade da administração delegar a imposição de taxas, pois a 
autoridade estatal que o recebeu constitucionalmente poderá transferí-lo. 
 É o fundamento que impõe aos administrados a subordinação, em nome da ordem 
pública, aos regulamentos edilícios. 
 
Não tem limites na lei. 
 
 
 
2a Questão (Ref.:201501513806) Pontos: 0,0 / 0,1 
Dentre os atributos do ato administrativo, a imperatividade: 
 
 
garante ao Poder Público a execução de determinado ato administrativo, sem 
necessidade de intervenção do Poder Judiciário; 
 exige que os atos administrativos correspondam a figuras definidas previamente na lei 
como aptas a produzir determinados resultados; 
 
autoriza a Administração Pública a executar os atos que não respeitaram os requisitos 
necessários para sua formação válida, enquanto não decretada sua nulidade pelo 
Judiciário; 
 permite que determinado ato obrigacional expedido pela Administração Pública se 
imponha a terceiros, independentemente de sua concordância; 
 
é o resultado que a Administração quer alcançar com a prática de atos que conferem 
direitos solicitados pelos administrados. 
 
 
 
3a Questão (Ref.:201501513789) Pontos: 0,1 / 0,1 
Assinale a alternativa correta: Caso o agente público explicite a motivação de um ato 
administrativo discricionário (a destituição de servidor ocupante de cargo de confiança, por 
exemplo), os motivos: 
 
 passarão a ser determinantes no exame da validade e eficácia do ato pelo Poder 
Judiciário, vinculando a Administração aos motivos declarados no ato; 
 
vinculam o ato somente quanto à exposição dos fundamentos de fato; 
 
não vinculam o ato, seja em relação aos fundamentos de fato ou de direito. 
 
determinam a vinculação somente quanto aos fundamentos de direito; 
 
 
 
4a Questão (Ref.:201501513691) Pontos: 0,1 / 0,1 
(Adaptação OAB/FGV) Suponha que a Administração do Distrito Federal (DF) determinou que 
feirantes, ocupantes de área pública, deveriam ser transferidos para outro local que lhes fora