A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
44 pág.
Audição e fonação biologia Unip

Pré-visualização | Página 1 de 2

Som- audição
Profa Dra Fátima Adriana Mendes Siqueira- UNIP- Biologia 2020
O sistema sensorial e a nossa
sobrevivência
Assim como qualquer outro ser vivo, o ser humano
interage com o ambiente.
Esta interação ocorre através do sistema sensorial, pois
permite á recepção, análise e interpretação do estímulo
recebido, para que se possa efetuar uma resposta
adequada a situação.
Fazem parte do sistema sensorial, os sentidos: audição,
visão, olfato, paladar e tato.
Recebendo e emitindo sons
O homem ao longo da sua evolução, desenvolveu a
comunicação oral, que consiste na emissão e na
recepção de sons.
Quais são os órgãos envolvidos nesse tipo de
comunicação?
Como se processa o mecanismo da audição?
Qual a importância da audição para os seres
humanos?
A AUDIÇÃO
É o sentido pelo qual percebemos o som.
O som viaja em forma de ondas sonoras, que se
propagam em meio material, como por exemplo,
o ar.
Essas ondas se propagam até atingir aparelhos
detectores de som. No caso do ser humano são
as orelhas (órgãos do sentido).
Estrutura e Funcionamento da orelha
A orelha humana é dividida em 3 partes:
1) Orelha externa
2)Orelha média
3) Orelha interna
Ossículos ( martelo, bigorna e
Pavilhão
auditivo
Meato
acústico
Tímpano
ORELHA ORELHA
MÉDIA
EXTERNA
estribo)
vestíbulo
ORELHA
INTERNA
Canais
semicirculares
Nervo
vestibular
Caracol ou
cóclea
Tuba auditiva
1) ORELHA EXTERNA
A orelha externa é formada pelo pavilhão auditivo e pelo canal auditivo
(meato acústico).
O pavilhão auditivo é constituído por tecido cartilaginoso recoberto de
pele.
Funciona como uma caixa acústica, captando o som e encaminhando
para o canal auditivo.
O canal auditivo (meato acústico) estabelece a comunicação entre o
meio externo e a orelha média.
Tem aproximadamente 3 cm de comprimento.
É revestido internamente por pêlos e glândulas, que fabricam uma
substância gordurosa e amarelada, denominada cerume ou cera.
Tanto os pêlos como o cerume retêm a poeira e micróbios que
normalmente existem no ar e eventualmente entram no sistema
auditivo.
Protege a orelha da pressão do
ar.
Amplifica as vibrações que são
transmitidas para a membrana
timpânica.
2) ORELHA MÉDIA
É formada por:
Membrana timpânica
(tímpano): membrana fina
que separa a orelha
externa da orelha média. É
a região que recebe as
vibrações das ondas
sonoras, se movimentando.
Martelo, bigorna e
estribo: são três
ossos pequenos que
se articulam entre si,
sendo que o martelo
recebe as vibrações
do tímpano e
transfere para a
bigorna e o estribo.
Tuba auditiva: é um canal
que une a orelha à
faringe.
Permite a entrada de ar
na orelha média.
Controla a pressão do ar
atmosférico de modo que
seja igual dos dois lados
do tímpano.
3) ORELHA INTERNA OU LABIRINTO
É formada por:
Canais semicirculares: pequenos
tubos preenchidos por líquido e
localizam-se na paste posterior do
labirinto.
Eles estão orientados nas três
dimensões do espaço e sua
função está relacionada ao
equilíbrio.
não tem função auditiva, mas são
importantes na manutenção do
equilíbrio do corpo.
Cóclea (Caracol): localiza-se
na parte anterior ao labirinto
e é constituída por três
tubos: rampas timpânicas,
rampas média ou coclear e
rampa vestibular.
Estes tubos estão separados
por membranas e
preenchidas por líquidos
diferentes.
Cada membrana têm sua
função definida.
Membrana Basilar: separa a rampa vestibular da timpânica.
Na superfície da membrana basilar encontra-se o orgão
de Corti, no qual há células nervosas ciliares, que
produzem impulsos nervosos.
Os cílios presentes nessas células, ao
serem sensibilizados pela vibração do
líquido que se encontra no interior dos
tubos, são responsáveis pela produção
dos impulsos nervosos.
Vestíbulos: No interior do
vestíbulo existem células
nervosas relacionadas
com o nervo auditivo.
Nervos auditivos: São
formados pelos nervos
Vestibular e Coclear.
São eles que transmitem os
impulsos nervosos aos
centros auditivos do tronco
encefálico e atingem o
cérebro.
COMO É FORMADO O SOM
FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO
1) O pavilhão auditivo capta as ondas sonoras e estas
percorrem o canal auditivo chegando até o tímpano.
FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO
2) As ondas sonoras fazem com que ocorram vibrações na
membrana timpânica (para frente e para trás).
FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO
3,4,5 e 6) Os movimentos do tímpano estimulam a bigorna,
o martelo e o estribo. O estribo pressiona a janela oval, que
faz vibrar o líquido que preenche a orelha interna.
FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO
8) Pelas vibrações do líquido que se encontram no interior
dos tubos da cóclea, os cílios presentes nas células
nervosas, produzem impulsos nervosos.
FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO
9) Os impulsos gerados são transmitidos através dos
nervos auditivos para os centros auditivos do cérebro, nos
quais são interpretados em sensações sonoras.
MEMORIA AUDITIVA
É a capacidade de registrar sons.
Isso acontece porque o Sistema Nervoso Central (SNC)
consegue armazenar os sons recebidos.
Assim ao ouví-los novamente, podemos identificá-los.
A memória auditiva nos permite identificar e / ou reconhecer
diversos tipos de sons.
SURDEZ
É a redução na percepção dos
sons.
Pode causar desconfortos,
dificuldades para compreender as
palavras.
Essa dificuldade aumenta conforme o grau de surdez que
pode ser leve, moderado, severo e profundo.
Ocorre basicamente por problemas na orelha média e na
orelha interna.
Problemas na orelha média
A orelha média é responsável pela ampliação do som.
Pessoas que apresentam algum tipo de problemas nesta
região tem dificuldade em escutar sons suaves ou
baixos.
As deficiências podem ser causadas por:
-
-
Perfuração do tímpano
Infecções que afetam o tímpano e os ossos.
Podem ser tratadas com:
-
-
Aparelhos auditivos eletrônicos.
Cirurgia
Problemas na orelha interna
A orelha interna é responsável pela captação do som por
meio de células sensitivas e pelas transmissão dos
impulsos nervosos para o cérebro.
Quando o problema é na cóclea significa que os
sensores não funcionam direito.
Podem ser causadas por:
-
-
-
Exposição em níveis sonoros muito intensos.
Infecções como caxumba e meningite.
Nascimento ou envelhecimento.
O papel da orelha interna no equilíbrio
Quando movimentamos nossa cabeça, os líquidos que
envolvem o vestíbulo e os canais semicirculares se
movem também, estimulando as células sensitivas.
Os impulsos nervosos criados por esses movimentos
são levados para o cérebro.
Este órgão reconhece a localização espacial do corpo, o
movimento realizado por ele e a posição da cabeça.
Então, envia ordens para que os músculos atue,
mantendo o corpo em equilíbrio. O cerebelo, órgão que
controla os movimentos musculares, também participa
dessa ação.
Efeitos da variação da pressão atmosférica na
membrana timpânica
Em situações normais, as
pressões entre o meio
externo e o interior da
orelha média estão em
equilíbrio.
Porém, quando somos submetidos a variações de pressão
atmosférica, sentimos também uma variação de pressão
dentro do sistema auditivo, que causa uma sensação
desconfortável.
Subindo a serra:
- Pressão atmosférica
diminui em relação a
pressão interna da
orelha.
- A membrana timpânica
é empurrada para fora.
Descendo a serra:
-
-
Pressão atmosférica
aumenta em relação a
pressão interna da
orelha.
A membrana timpânica
é empurrada para
dentro.
Para equilibrar as pressões entre o meio externo e a
orelha média, utilizamos a tuba auditiva (Trompa de
Eustáquio).
Quando as tubas se abrem, as pressões se igualam.
A abertura das tubas é facilitada pela deglutição e
bocejos.
FONAÇÃO
É o ato ou processo de
produzir voz pela vibração
das pregas