A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
116 pág.
Apostila de Química Analítica Qualitativa

Pré-visualização | Página 8 de 40

Aumento ou variação da concentração dos reagentes;
• Duração da reação
• O meio (tamponamento) – uma mudança no valor do pH do meio;
• Através de uma extração por um solvente imiscível com a água. Exemplo: Agitação da fase 
aquosa com líquido imiscível em água (benzeno);
• Adição de solventes orgânicos miscíveis com a água. Exemplo: a adição do álcool etílico 
(CH3CH2OH) nas reações de precipitações (a sensibilidade aumenta), este diminui a solubilidade 
15
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO – CAMPUS IPOJUCA
DISCIPLINA: LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA - 2009
PROFESSORES: SÁVIO PEREIRA E FLÁVIO FERREIRA
de substâncias inorgânicas. (Quando se eleva a sensibilidade de uma reação, eleva-se também 
a possibilidade de erro. Portanto, deve-se ter cuidado).
• A verificação da pureza dos reagentes deve ser feita como ensaio “branco”.
• É importante a limpeza do material a ser utilizado.
Especificidade de uma Reação. Por exemplo, nas identificações dos íons NH4+ por ação de uma base:
NH4Cl + NaOH  NaCl + H2O + NH3 Neste caso há o desprendimento de amônia, que é de fácil 
reconhecimento devido ao seu odor marcante.
Nota: Sabe-se que amoníaco (gás amônia) não se forma a não ser a partir de sais de amônio. Desta 
forma, a reação do íon NH4+ com bases é uma especificidade de íons.
Classificação das análises por via úmida: fracionada e sistemática
Análise fracionada - Também chamado ensaio químico direto. É praticada quando utilizamos uma 
reação ESPECÍFICA feita diretamente em porções retiradas da solução em estudo sem levar em 
consideração a presença de outros íons. APRESENTA POSSILBILIDAE DE INTERFERÊNCIA. Utiliza-
se quando há suspeita da presença de um determinado componente. Também não tem importância 
nenhuma a ordem de identificação dos íons isolados.
Análise sistemática - Quando não há reações seletivas muito seguras, nem se pode aumentar sua 
seletividade por meio de um processo qualquer, a identificação dos correspondentes íons pelo método 
fracionado é impossível. Nestes casos, convém elaborar uma sucessão de reações de identificação dos 
íons, isto é, estabelecer uma marcha sistemática de análise.
Esta consiste no seguinte: a identificação de cada íon só deve iniciar-se depois de terem sido 
identificados e eliminados da solução todos os outros íons que impedem sua identificação (ou seja, que 
reagem com o reagente usado). Sendo assim, deduz-se que, durante a análise sistemática, juntamente 
com as reações de identificação dos diferentes íons, deve-se recorrer também às reações de separação 
dos mesmos. Nas reações de separação aproveita-se, geralmente, a diferença entre as solubilidades 
dos compostos análogos dos íons a separar. Por vezes, também se recorre à diferença entre as 
volatilidades dos correspondentes compostos. Para que a separação seja completa, é necessário utilizar 
quantidades suficientes de reagente, criar condições ótimas para a precipitação, garantir uma calcinação 
com duração e temperatura suficientes, etc. Deve-se obrigatoriamente verificar-se que a separação é 
total por meio de um ensaio, sem o qual os resultados de análise podem ser falsos. As técnicas das 
verificações da separação completa dos íons serão vistas posteriormente.
Resumindo, a análise sistemática consiste na identificação de cada íon depois de terem sido 
identificados e ELIMINADOS da solução através de uma seqüência de reações, todos os outros íons que 
impedem a sua identificação.
A análise sistemática é uma seqüência de reações que combinam reações SELETIVAS e 
ESPECÍFICAS.
Para podermos ter um ensaio verdadeiramente ESPECÍFICO, devemos estabelecer certas restrições 
sobre as condições da realização: O componente suspeito deve estar no estado físico desejado. Ex: 
soluto no estado de oxidação desejado; Se em solução, o pH deve ser o desejado. A solução deve se 
16
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO – CAMPUS IPOJUCA
DISCIPLINA: LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA - 2009
PROFESSORES: SÁVIO PEREIRA E FLÁVIO FERREIRA
apresentar clara; Outras substâncias não devem estar presentes em quantidades ou concentrações 
muito grandes.
É comum ter de se analisar um íon na presença de outros. Em geral, íons presentes na solução podem 
diminuir a sensibilidade das reações específicas do íon em questão (mudança de cor), modificando os 
produtos da reação.
Muitas vezes tem-se que eliminar ou reduzir os(s) íons(s) interferentes para realizar a reação de 
caracterização.
Exemplo I – A identificação de íons Cd++ sob ação do ácido sulfídrico (H2S) com formação de CdS.
- Na presença de íons Cu++ haverá formação de CuS.
- No entanto, efetuando-se uma reação prévia com KCN, haverá uma complexação do cobre [Cu(CN)4]3- 
que passará a não reagir com H2S.
- Desta forma, se estará diminuindo a presença de cobre na solução a ser analisada e haverá somente a 
precipitação de CdS, permitindo concluir-se a presença de Cd++ na solução.
Exemplo II – Marcha sistemática da análise de uma reação dos íons Ca2+ e Ba2+ (IV grupo).
- A reação mais sensível para íon Ca2+ é a formação de precipitado de oxalato de cálcio CaC2O4 por ação 
dos sais (ex: oxalato de amônio) do ácido oxálico (H2C2O4). 
CaCl2 + (NH4)2C2O4  CaC2O4 + 2NH4Cl
ou
Ca++ + C2O42-  CaC2O4
A reação não específica para o Ca2+ porque o Ba2+ precipita de forma análoga.
Portanto, não se pode iniciar a análise sistemática analisando a presença de Ca2+.
Devemos verificar, primeiramente, se a solução contém íons Ba2+.
Isto pode ser feito por adição de cromato de cálcio CaCrO4 à solução.
Ba2+ + CrO42-  BaCrO4
Enquanto que o cromato de bário precipita, o cromato de cálcio, por ser solúvel em água, permanece em 
solução.
Após a filtração, o bário é retirado na forma de precipitado (ppt) e pode-se, com o filtrado, determinar ou 
identificar o cálcio por adição de sais do ácido oxálico, (NH4)2C2O4.
Análise Funcional e Sistemática
A análise funcional e sistemática de uma solução deve ser iniciada pelos ensaios preliminares, seguida 
de ensaios para ânions e separação e identificação dos cátions presentes. Essa identificação é feita com 
a adição de reagentes específicos (ácido clorídrico, gás sulfídrico, amônia, sulfeto de amônio ou 
carbonato de amônio) que promoverá a formação de precipitados e em seguida eles são analisados. Os 
grupos de cátions são classificados de acordo com a adição desses reagentes específicos. A 
classificação dos ânions, adotada por Arthur Vogel, envolve a identificação por produtos voláteis obtidos 
por tratamento com ácidos e os que dependem de reações em solução. Este procedimento é chamado 
de ensaio.
O estudo da análise sistemática será iniciado através do estudo de cátions e ânions no que consistem 
suas classificações e reações. Serão discutidos os procedimentos de como tratar os produtos de cada 
reação no que tange diferenciação entre os cátions e ânions: quais os reagentes que distingue um cátion 
17
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO – CAMPUS IPOJUCA
DISCIPLINA: LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA - 2009
PROFESSORES: SÁVIO PEREIRA E FLÁVIO FERREIRA
de um mesmo grupo e quais procedimentos e/ ou ensaios distinguem os ânions. Na classificação ainda 
dos ânions estão presentes as reações que compõe os ensaios confirmatórios para ânions.
Para entender os métodos de análise qualitativa e os princípios nos quais se fundamentam, serão 
estudados apenas os íons ou elementos mais comuns e representativos. Didaticamente, estas espécies 
são estudadas em grupos.
Pertencem ao mesmo grupo, aqueles elementos

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.