A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
document (1)

Pré-visualização | Página 1 de 7

SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL INTERNACIONAL E BRASILEIRO - 2009 
 
 
Gilson Andrade 
 
1 
SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL NACIONAL OU BRASILEIRO - SAC 
 
SUBUNIDADE N 2: Sistema de Aviação Civil Brasileiro 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Reconhecer a importância do Sistema de Aviação Civil 
 
 
O SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL NACIONAL OU BRASILEIRO – CRIAÇÃO; FINALIDADE 
O sistema de Aviação Civil nacional ou brasileiro foi esquematizado, formalizado e regulamentado pelo anterior 
Ministério da Aeronauta – M.Aer, atual Comando da Aeronáutica – COMAER, através do Decreto 65.144, de 12 de 
setembro de 1969, com a finalidade de organizar as atividades necessárias ao funcionamento e ao desenvolvimento da 
aviação civil nacional. 
 
HISTÓRICO DE CRIAÇÃO DA ANAC 
A Lei n 11.182, que criou a Agencia Nacional de Aviação Civil (ANAC), foi aprovada em 27 de setembro de 2005. A ANAC, 
no entanto, nasceu de fato em 20 de março de 2006. Sua diretoria colegiada, formada por cinco diretores, é nomeada 
pelo presidente da Republica e tem mandato de cinco anos. 
 
A ANAC tem sua origem nas competências do Departamento de Aviação Civil (DAC), que eram estabelecidas no art. 18 do 
Anexo I do Decreto n 5.195, de 26 de agosto de 2004, que dispunha “... ao Departamento de Aviação Civil compete 
planejar, gerenciar e controlar as atividades relacionadas com a aviação civil”. Portanto, em virtude dessa competência, o 
DAC qualificava-se como “autoridade aeronáutica”, exercendo, por via de consequência, as atividades relacionadas a essa 
função pelo Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei n 7.565, de 19 de dezembro de 1986). 
 
Com o advento da Lei n 11.182, de 2005, atividade de autoridade aeronáutica foi transferida, com todas as suas 
responsabilidades, para a ANAC, pelo disposto no § 2◦ do art. 8◦ desse dispositivo legal, confirmado pelo texto do art. 3 
do Anexo I ao Decreto n 5.731, de 20 de março de 2006. 
 
A criação da agencia reguladora seguiu uma tendência mundial. A ANAC mantém com o Ministério da Defesa uma relação 
de vinculação, ao passo que o antigo DAC era subordinado ao Comando da Aeronáutica. 
 
MISSÃO, VISÃO E VALORES 
 
MISSÃO 
Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o 
bem-estar da sociedade brasileira. 
 
VISÃO 
Ser uma autoridade modelo da aviação civil internacional, atingindo um dos cincos menores índices de acidentes do 
mundo, até 2014. 
 
VALORES 
 Ética; 
 Compromisso com o interesse público; 
 Transparência; 
 Valorização das pessoas; 
 Profissionalismo; 
 Imparcialidade. 
 
NATUREZA, SEDE, FINALIDADE E COMPETÊNCIA 
A Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC, autarquia sob-regime especial criada pela Lei n 11.182, de 27 de setembro de 
2005, e regulamentada pelo Decreto n 5.731, de 20 de março de 2006, com a independência administrativa, autonomia 
financeira, ausência de subordinação hierárquica e mandato fixo de seus dirigentes, tem sede e foro no Distrito Federal, é 
vinculada ao Ministério da Defesa e tem por finalidade regular e fiscalizar as atividades de aviação civil e de infraestrutura 
aeronáutica e aeroportuária. 
 
 
SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL INTERNACIONAL E BRASILEIRO - 2009 
 
 
Gilson Andrade 
 
2 
ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA ANAC 
A Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC tem a seguinte estrutura organizacional: 
 
I. DIRETORIA 
Constituída por um Diretor-Presidente e quatro Diretores, nomeados na forma do disposto no art. 12 da Lei n 11.182, de 
27 de setembro de 2005. 
 
II. ÓRGÃOS DE ASSITÊNCIA DIRETA E IMEDIATA À DIRETORIA DA ANAC 
Constituído do Gabinete, da Assessoria Parlamentar, da Assessoria de Comunicação Social, da Assessoria Técnica, da 
Ouvidoria, da Corregedoria e da Procuradoria. 
 
III. ÓRGÃOS ESPECÍFICOS – SUPERINTENDÊNCIAS DE AVIAÇÃO CIVIL 
a) Superintendência de Regulamentação Econômica e Acompanhamento de Mercado – SER 
b) Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária – SAI 
c) Superintendência de Segurança Operacional – SSO 
d) Superintendência de Aeronavegabilidade – SAR 
e) Superintendência de Relações Internacionais – SRI 
f) Superintendência de Capacitação e Desenvolvimento de Pessoas – SCD 
g) Superintendência de Administração e Finanças – SAF 
h) Superintendência Executiva e de Planejamento Institucional – SEI 
 
IV. UNIDADES REGIONAIS 
a) Unidade Regional Belém; 
b) Unidade Regional Manaus; 
c) Unidade Regional Porto Alegre; 
d) Unidade Regional Recife; 
e) Unidade Regional Rio de Janeiro; 
f) Unidade Regional São Paulo. 
 
V. ÓRGÃOS COLEGIADOS 
a) Conselho Consultivo; 
b) Plenário. 
 
COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES 
 
COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA DA ANAC 
 A Diretoria da ANAC compete, em regime de colegiado, analisar, discutir e decidir, em instância administrativa final, as 
matérias de competência da Agencia. 
Nota: As decisões da Diretoria serão tomadas pelo voto da maioria absoluta de seus membros, cabendo ao Direto-
Presidente, alem do voto ordinário, o voto de qualidade, e serão registrados em atas que ficarão disponíveis para 
conhecimento geral, juntamente com os documentos que as instruam. 
 
No art 9 do Regimento Interno da ANAC estão listadas, do inciso I ate o inciso XXVI as competências da Diretoria. Desta 
apostila, em função do objetivo do curso, são listadas apenas algumas: 
 
 II. Cumprir e fazer cumprir as normas relativas a aviação civil e a infraestrutura aeronáutica e aeroportuária; 
VI. Outorgar a prestação de serviços aéreos; 
VII. Conceder ou autorizar a exploração da infraestrutura aeronáutica e aeroportuária; 
VIII. Exercer o poder normativo da Agencia; 
XXVI. Comunicar aos órgãos e entidades do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência fato que configure ou possa 
configurar infração contra a ordem econômica, ou que comprometa a defesa e a promoção da concorrência. 
 
COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES COMUNS DAS SUPERINTENDÊNCIAS 
Compete as Superintendências planejar, organizar, executar, controlar, coordenar e avaliar os processos organizacionais e 
operacionais da ANAC do âmbito das competências. 
SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL INTERNACIONAL E BRASILEIRO - 2009 
 
 
Gilson Andrade 
 
3 
No art. 38 do Regimento Interno da ANAC estão listadas, do inciso I até o inciso VII as competências das 
superintendências. Nesta apostila, em função do objetivo do curso, são listadas apenas algumas: 
I. Cumprir e fazer cumprir as decisões da Diretoria da Agencia e implementar a política de aviação civil; 
 
II. Apurar, atuar e decidir em primeira instancia a aplicação de penalidades por infrações previstas na Lei n 
7.565, de 19 de dezembro de 1986 (Código Brasileiro de Aeronáutica) e normas complementares, nos 
contratos, termos ou demais atos de outorga de exploração de infraestrutura aeronáutica e aeroportuária e 
de serviços auxiliares, bem como de serviços aéreos; 
 
III. Aplicar medidas previstas na Lei n 7.656, de 19 de dezembro de 1986 (Código Brasileiro de Aeronáutica) e 
normas complementares, em caráter cautelar, para preservar o interesse publico, a segurança operacional e 
segurança da aviação civil contra atos de interferência ilícita; 
 
IV. Submeter os atos, contratos e processos administrativos, bem como os demais expedientes administrativos 
decorrentes do exercício da respectiva competência à Diretoria, quando sujeitos à deliberação privativa da 
mesma. 
 
COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DE CADA SUPERINTENDÊNCIA 
 
SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÔMICA E ACOMPANHAMENTO DE MERCADO – SER 
No art. 39 do Regime Interno da ANAC, estão listadas, do inciso I até o inciso XXXVII as competências da Superintendência 
de Regulamentação Econômica e Acompanhamento de Marcado – SER. Nesta apostila, em função do objetivo do curso, 
são listadas apenas algumas: 
 
I. Submeter a Diretoria: 
 
a) Projetos de atos normativo relativos à outorga, à exploração e à fiscalização de serviços aéreos públicos de 
transporte de passageiros, carga e mala postal, regular e não regular, domestico e internacional, e de serviços

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.