dolo
2 pág.

dolo


DisciplinaDireito Civil II14.457 materiais149.478 seguidores
Pré-visualização1 página
dolo 
e uma vontade consciente dirigida a realizar a conduta do tipo ou a aceitacao de sua realizacao
Elementos 
volitivo: vontade de praticar a conduta descrita na normal penal 
intelectivo: consciência da conduta e do resultado que poderá ocorrer 
Teorias 
T. da vontade: quando há vontade consciente de praticar a infração penal
T. da representação: o agente prevê o resultado como possível e opta por continuar a conduta. 
T. do consentimento ou assentimento: o agente prevê o resultado como possível e ainda assim continua na prática, assumindo o risco de produzi-lo. 
O Brasil adotou t. vontade e assentimento. 
Espécies 
dolo direto ou determinado: é a vontade de realizar a conduta e produzir diretamente o resultado (teoria da vontade); o agente diz eu quero.
 
dolo indireto ou indeterminado: o agente não quer diretamente o resultado, mas aceita a possibilidade de produzi-lo (dolo eventual), ou não se importa em produzir este ou aquele resultado (dolo alternativo: agente quer produzir qualquer resultado) 
dolo de dano: vontade de produzir uma lesão a um bem jurídico (art. 121, 155..)
dolo de perigo vontade de expor o bem jurídico a perigo de lesão. (art. 132, 133..)
dolo genérico vontade de realizar conduta sem um fim especial, deseja praticar o núcleo da ação típica (verbo do tipo).
dolo específico vontade de realizar uma conduta visando fim especial previsto no tipo (art. 159: vontade de sequestrar alguém + finalidade especial de exigir vantagem.)
dolo geral: (erro sucessivo ou aberratio causea) o agente, após realizar a conduta, supondo ter produzido o resultado, pratica exaurimento e nesse momento atinge a consumação. 
 
dolo de primeiro grau: vontade de produzir as consequências primárias do delito, o resultado típico inicialmente visado, ao passo que o de segundo grau abrange os efeitos colaterais da pratica delituosa, ou seja as consequências secundárias. 
 
\u2192 \u2192 \u2022