A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
156 pág.
Ergonomia, Saude e Seguranca do Trabalhado

Pré-visualização | Página 33 de 37

L. E. (Org.). Saúde mental no trabalho: desafios e soluções. 
São Paulo: VK, 2000.
GUIMARÁES, L. B. de M.; SATTLER, M. A.; AMARAL, F. G. Ambiente de trabalho. 
In: GUIMARÃES, L. B. de M. (Coord.). Ergonomia de processo. Porto Alegre: UFRGS, 
2000. v. I.
GUIMARÁES, L. B. de M. (Coord.). Ergonomia de processo. Porto Alegre: UFRGS, 
2000. v. II.
IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2. ed. São Paulo: Edgar Blücher, 2005.
KANAANE, R. Comportamento humano nas organizações: o homem rumo ao 
século XXI. São Paulo: Atlas, 1999.
KROEMER, K. H. E.; GRANDJEAN, E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao 
homem. 5. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2005. 
LEITE, M. P. O modelo sueco de organização do trabalho. In: BARRETO, F. L. O 
sofrimento psíquico e o processo de produção no setor de telefonia: tentativa 
de compreensão de uma atividade com caráter patogênico. Belo Horizonte, 2001. 
Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Faculdade de Engenharia de 
Produção, Universidade Federal de Minas Gerais.
LUCCA, S. R.; FÁVERO, M. Os acidentes de trabalho no Brasil: algumas implicações 
de ordem econômica, social e legal. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, n. 81, p. 
21-31, jan./mar. 1994.
MORAES, A. de; MONT´ALVÃO, C. Ergonomia: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: 2 
AB, 2000.
MOSCOVICI, F. Renascença organizacional. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e 
Científicos, 1996.
PINHEIRO, V. C.; ARRUDA, G. A. Segurança do Trabalho no Brasil. Informe de 
Previdência Social, v. 3, n. 10, out. 2001.
RIO, R. P.; PIRES, L. Ergonomia: fundamentos da prática ergonômica. São Paulo: LTr, 2001.
REBELATTO, J. R.; BOTOMÈ, S. P. Fisioterapia no Brasil: fundamentos para uma ação 
preventiva e perspectivas profissionais. 2. ed. São Paulo: Manole, 1999.
RIO, R. P. Ergonomia: fundamentos da prática ergonômica. Belo Horizonte. Health, 1999.
VIDAL, M. C. R. Ergonomia na empresa: útil, prática e aplicada. Rio de Janeiro: Virtual 
Científica, 2002.
SALIBA, T. M. Manual prático de higiene ocupacional e PPR: avaliação e controle 
dos riscos ambientais. São Paulo: LTr, 2005.
SANTOS, N. dos. (Org.). Antropotecnologia: a ergonomia dos sistemas de produção. 
Curitiba: Genesis, 1997.
Ergonomia, Saúde e Segurança do Trabalhadore-Tec Brasil 132
SENGE, P. M. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. 22. ed. 
Rio de Janeiro: BestSeller, 2006.
SHINGO, S. O sistema Toyota de produção: do ponto de vista da engenharia da 
produção. Porto Alegre: Bookman, 1996.
SOUNIS, E. Manual de higiene e medicina do trabalho. São Paulo: Ícone: 1991.
VIEIRA DE MELO, M. B. F. Equipamento de proteção individual. In Higiene e 
segurança do trabalho. MATTOS, U. A. de O.; MÁSCULO, F. S. (orgs.). Rio de Janeiro: 
Elsevie/Abepro, 2011.
WISNER, A. Por dentro do trabalho. São Paulo: FTD/Oboré, 1987.
WOMACK, J. P.; JONES, D. T.; ROOS, D. J. A máquina que mudou o mundo. Rio de 
Janeiro: Campus, 1992. 
ZOCCHIO, A. Prática de prevenção de acidentes: ABC da segurança de trabalho. 
São Paulo: Atlas, 2002.
Sites de pesquisa da internet
BRASIL. Ministério da Saúde. Disponível em: <http: //www.portal.saude.gov.br/
saude/>. Acesso em: 2 fev. 2012.
BRASIL. Ministério da Previdência Social. Regulamento da Previdência Social. 
Decreto nº 3.048, de 06 de maio de 1999. Aprova o Regulamento da Previdência Social, 
e dá outras providências. Disponível em: <http: //www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/
D3048.htm>. Acesso em: 2 fev. 2012. 
ACIDENTES e mortes por acidentes de trabalho no Brasil têm índices maiores que os 
das últimas guerras no mundo. Disponível em: <http://www.cecac.org.br/MATERIAS/
Acidentes_trabalho_06.htm>. Acesso em: 9 dez. 2011.
BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Ministério da Previdência Social. Ministério 
da Saúde. Política nacional de segurança e saúde do trabalhador. Brasília, 2004. 
Disponível em: <http://www.mte.gov.br/Empregador/SegSau/Conteudo/7307.pdf>. 
Acesso em: 9 dez. 2011.
BRASIL. Ministério da Previdência Social. Anuário Estatístico de Acidentes do 
Trabalho 2010. Disponível em: <http://www.previdencia.gov.br/pg_secundarias/
previdencia_social_13_07-A.asp>. Acesso em: 9 dez. 2011.
BRASIL. Ministério da Previdência Social. Regulamento da Previdência Social. 
Decreto n. 3.048, de 6 de maio de 1999. Aprova o Regulamento da Previdência Social, e 
dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/
D3048.htm>. Acesso em: 9 dez. 2011.
COSTELLA, M. F.; CREMONINI, R. A.; GUIMARÃES, L. B. Análise dos acidentes do 
trabalho ocorridos na atividade de construção civil no Rio Grande do Sul em 1996 e 
1997. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 1998, Niterói. 
Disponível em: <http://www.cpgec.ufrgs.br/norie/nr18/anacidentes.PDF>. Acesso em: 9 
dez. 2011.
e-Tec BrasilAtividades autoinstrutivas 133
BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Normas Regulamentadoras de 
Segurança e Saúde no Trabalho. Disponível em:<http//www.mtb.gov.br> Acesso 
em: 3 dez. 2011.
INTRODUÇÃO à Segurança do Trabalho em perguntas e respostas. Disponível em: 
<http://www.areaseg.com/seg/>. Acesso em: 03 dez. 2011.
SILVA, B. T. R da.; NÃAS, E. de A.; SILVEIRA, N.; MOURA, D. J. de. Insalubridade do 
trabalhador na produção animal: uma questão de educação e informação.
Disponível em: <http://www.segurancaetrabalho.com.br/download/prod-animal.pdf>. 
Acesso em: 3 dez. 2011.
Referências das figuras
Figura 1.1: Segurança no trabalho
Fonte: http://blog.maisestudo.com.br/o-que-faz-um-tecnico-em-seguranca-do-trabalho/
Figura 1.2: Segurança nas empresas
Fonte: http://www.primecursos.com.br/seguranca-do-trabalho/
Figura 2.1: EPI
Fonte: http://www.rocostabrasil.com.br/site/epi
Figura 2.2: EPC
Fonte: http://cidadesaopaulo.olx.com.br/pictures/equipamentos-de-protecao-coletiva-
epc-iid-180746250
Figura 3.1: Acidente de trabalho
Fonte: http://loungeempreendedor.blogspot.com.br/2011/07/dia-nacional-de-prevencao-
de-acidentes.html
Figura 3.2: Quase acidente
Fonte: http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal87/dicas_seguranca.aspx
Figura 8.1: Ergonomia
Fonte: http://teclog2.wordpress.com/2010/06/05/aulas-30-31-32-e-33-%E2%80%93-
gestao-de-sms/
Figura 9.1: Adquirir conhecimento
Fonte: http://www4.ibope.com.br/giroibope/15edicao/conhecimento.html
Figura 10.1: Proporções corporais típicas das etnias
Fonte: Iida, 2005, p. 102
Figura 10.2: Tipos básicos do corpo humano. 
Fonte: Iida, 2005, p.104
Figura 10.3: Postura
Fonte: http://www.indicoconsultoria.com.br/informes-especiais/lerdort/informe-lerdort.asp
Ergonomia, Saúde e Segurança do Trabalhadore-Tec Brasil 134
Figura 10.3: Áreas de alcance ótimo e máximo na mesa, para o trabalhador sentado. 
Fonte: Iida, 2005, p.146
Figura 13.1: Ruído
Fonte: http://anasoares1.wordpress.com/2011/01/31/tipos-de-som-ruido-fala-musica-e-
silencio/
Figura 15.1: Modelo de Layout de linha
Fonte: http://www.polytechmachinery.com/polytech/conteudo/linha-de-producao-de-
telhas-coloniais
Figura 18.1: Doença ocupacional
Fonte: http://www.hsp.com.br/?p=1639
Figura 12.1: Iluminação natural
Fonte: http://digomes.wordpress.com/category/espaco-eco-ambiente/
Tabela 12.1: Valores ótimos de iluminância para diferentes locais de trabalho
Fonte: GUIMARÃES, L. B. de M; SATTLER, M. A.; AMARAL, F. G. Ambiente de trabalho. In: 
GUIMARÂES, L.B. de M. (Coord.). Ergonomia de processo. Porto Alegre: UFRGS, 2000. v 
.I. p. 3-35.
Tabela 13.1: Tempo máximo de exposição permissível ao ruído contínuo ou intermitente
Fonte: Iida, 2005, p. 507
Figura 14.1: Vibração
Fonte: http://www.revistaduasrodas.com.br/tecnicas/detalhes.aspx?id=506
Figura 16.1: Organização
Fonte: http://imasters.com.br/artigo/12000/tendencias/compartilhar-e-trabalhar
Figura 17.1: Trabalho em turnos
Fonte: http://saudedofuturo.wordpress.com/2008/01/16/os-riscos-do-trabalho-noturno-
em-uma-sociedade-que-funciona-24-horas/