Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Investimento-no-exterior

Pré-visualização | Página 1 de 2

Investimento no Exterior 
Nesta aula veremos o que é e como funciona o mercado internacional de capitais. Além dos
temas norteadores interativos disponibilizados nos tópicos abaixo, você terá acesso
exclusivo a entrevista realizada pelos renomados  Ricardo Rocha (INSPER) e Giuliano De
Marchi (J.P. Morgan Asset Management) sobre as características do mercado de
investimento no exterior.
Entrevista exclusiva
Veículos de investimento
Regulamentação vigente
Acessibilidade e transparência
Tributação
Operações de proteção cambial
Investimento no Exterior
Principais conceitos
Encerramento
Ricardo Rocha, da INSPER, bate um papo com Giuliano De Marchi, da J.P. Morgan Asset Management,
sobre as características do mercado de investimento no exterior.
Prepare o fone de ouvido e assista o vídeo com conteúdo exclusivo na aula! 
When
TEMA 1 de 8
Entrevista exclusiva
Iniciando pelos fundos de investimento, encontramos diferentes níveis permitidos de investimento no
exterior conforme o público a que se destina cada fundo:
TEMA 2 de 8
Veículos de investimento
Existem produtos disponíveis ao investidor
brasileiro para acessar os mercados internacionais.
Investidores pro�ssionais: até 100% do PL se constar “Investimento no Exterior”
no nome do fundo;
1
Investidores quali�cados: 67% até 100% do PL se constar “Investimento no
Exterior” no nome do fundo;
2
Investidores quali�cados: até 40% do PL;3
Outros veículos disponíveis:
Investidores em geral: até 20% do PL.4
Fundos de índice admitidos à negociação em mercado organizado
(ETF), registrados com base na Instrução CVM 359. Exemplo: ETFs de
S&P 500 negociados na B3 (IVVB11 e SPXI11).
1
BDR (Brazilian Depositary Receipt), certi�cados representativos de valores mobiliários de
emissão de companhia aberta, ou assemelhada, com sede no exterior e emitidos por
instituição depositária no Brasil.
2
Fundos de investimentos (ações ou multimercado) que investem em BDRs podem ser
destinados aos investidores em geral.
3
Operações estruturadas (COE).4
Obs.: os fundos classi�cados como “Renda Fixa – Dívida Externa”, de acordo
com a Instrução CVM 555, investem em ativos no exterior mas que
representam majoritariamente títulos da dívida externa brasileira emitidos e
negociados nos mercados internacionais (por exemplo, os Global Bonds). Caso
o investidor esteja interessado na diversi�cação internacional, deve-se
esclarecer que a principal exposição desses fundos continua sendo ao
mercado doméstico.
Fundos de investimento: Instrução CVM 555 - Seção II – Ativos
Financeiros no Exterior (Artigos 98 a 101) 
ETF: Instrução CVM 359
BDR: Instrução CVM 332
COE: Resolução BC 4.263
TEMA 3 de 8
Regulamentação vigente
Estipula que deve constar no regulamento do fundo a possibilidade de investimento no
exterior;
Descreve as regras para ativos e derivativos no exterior permitidos;
Determina as responsabilidades do administrador e do gestor de certi�carem-se de que os
agentes envolvidos no exterior sejam devidamente autorizados e regulados em seus países
de origem (Anexo 101);
De�ne os limites de alocação no exterior para fundos de acordo com o público-alvo;
Os tipos de ativos no exterior selecionados para o fundo devem respeitar o que está de�nido
no regulamento do fundo de acordo com sua classi�cação: renda �xa, ações, multimercado ou
cambial (Artigo 108).
Instrução Normativa Receita Federal 1.585 – Capítulo I (Tributação
das aplicações em fundos de investimento)
When we show up to t
Os fundos locais que investem no exterior obedecem às mesmas regras de IOF e imposto de
renda que os demais fundos, ou seja, de acordo com a classi�cação (ações: no resgate; demais:
come-cotas conforme a duração da carteira, de curto ou longo prazo).
TEMA 4 de 8
Acessibilidade e transparência
Regulação da CVM e 
Autorregulação da 
ANBIMA 
Disponível via 
plataformas 
de distribuição de 
produtos de 
investimentos 
When we show up to the present moment with all of our senses, we invite the world to �ll us with joy.
Exclusivamente na fonte de�nitiva, clique nos (+) abaixo:
TEMA 5 de 8
Tributação
Fundos de ações –
O imposto de renda que incide sobre os fundos de investimento de ações é
cobrado sobre o rendimento bruto do fundo no momento do resgate.
No caso de fundos de curto e longo prazos, mesmo que não se peça resgate, as aplicações estão sujeitas ao
recolhimento semestral de imposto de renda, conhecido como come-cotas, que ocorre no último dia útil dos
meses de maio e novembro. Para esse recolhimento, é utilizada a menor alíquota (20% para o curto prazo e
15% para o longo prazo), que no momento do resgate poderá ser ajustada de acordo com o período de
investimento.
Independentemente do prazo de aplicação, uma alíquota de IR de 15% incide
sobre o total da rentabilidade.
Fundos de curto prazo –
A alíquota de IR que incide sobre os fundos de investimento de curto prazo é de
22,5% sobre o ganho obtido em aplicações de até 180 dias e de 20% em
aplicações acima de 180 dias. Para �ns de tributação, são considerados fundos
de investimento de curto prazo aqueles cuja carteira de títulos tenha prazo
médio igual ou inferior a 365 dias.
Fundos de longo prazo –
A alíquota de IR que incide sobre os fundos de investimento de longo prazo é de
22,5% sobre o ganho obtido em aplicações de até 180 dias; de 20% em
aplicações de 181 a 360 dias; de 17,5% em aplicações de 361 a 720 dias; e de
15% em aplicações acima de 720 dias. Para �ns de tributação, são considerados
fundos de investimento de longo prazo aqueles cuja carteira de títulos tenha
prazo médio superior a 365 dias.
 Carnê-Leão 
É o recolhimento mensal obrigatório do imposto de renda das pessoas físicas referente aos rendimentos
auferidos nas operações realizadas no mês anterior ao do recolhimento. Deve-se adotar a tabela de
incidência mensal divulgada pela Receita Federal.
COE –
A tributação do COE é a mesma aplicada aos produtos de renda �xa, ou seja,
obedece à tabela regressiva do imposto de renda de acordo com o prazo do
investimento.
IOF –
COEs e fundos classi�cados como de curto ou longo prazos estão sujeitos a
cobrança de IOF, o imposto sobre operações �nanceiras. O IOF incide apenas
sobre os resgates realizados em um período inferior a 30 (trinta) dias da data da
aplicação dos recursos. A alíquota varia decrescentemente de acordo com o
número de dias que o dinheiro do investidor permaneceu aplicado, de 96% a 0%
sobre o total de rendimento do investimento. Os investimentos com prazo
superior a 30 (trinta) dias são isentos da cobrança de IOF.
B DR E T FB DR E T FB DR E T F
http://receita.economia.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica#calculo_mensal_IRPF
O ganho auferido decorrente de alienação segue a regra de imposto para ações; 
porém, os demais rendimentos sujeitam-se ao Carnê-Leão, sem a previsão de 
compensação de perdas, podendo ser reduzido do imposto devido no Brasil caso 
tenha sido pago no exterior em país que tenha rmado acordo, tratado ou 
convenção internacional prevendo compensação ou que haja reciprocidade de 
tratamento (Ato Declaratório SRF 25/2000 e Instrução Normativa SRF 
208/2002).
Os ETF de renda variável são tributados da mesma forma que as ações (15%
sobre os ganhos); contudo, não existe a isenção para vendas inferiores a R$ 20
mil. Já o imposto de renda sobre os ganhos nos ETF de renda �xa segue a tabela
regressiva de acordo com o prazo médio do ETF, ou seja, independe do prazo
investido.
When we show up to the present moment with all of our senses, we invite the world to �ll us with joy. The
pains of the past are behind us. The future has yet to unfold. But the now is full of beauty simply waiting for
our attention.
B DR E T F
Clique nos (+) abaixo:
TEMA 6 de 8
Operações de proteção cambial
As operações de proteção cambial, também chamadas
de hedge cambial, são aquelas que visam a proteger o
investimento contra a variação das diversas moedas
Página12