A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
104 pág.
AULA 05

Pré-visualização | Página 19 de 30

em nosso ordenamento com status de emendas 
constitucionais caso sejam aprovados nas duas Casas do Congresso Nacional, em dois turnos, com 
maioria de 3/5 dos membros). 
Lá no ano de 2008, nossa Corte passou a entender que os tratados internacionais sobre direitos 
humanos, caso não passem pelo rito de votação de uma emenda constitucional, não terão o status de 
norma constitucional (de emenda constitucional), porém, possuirão o status de norma “supralegal”, isto 
é, estarão acima das leis, mas abaixo da Constituição. Por estarem acima das leis (por terem status de 
norma supralegal), tais tratados poderão paralisar a eficácia de leis que lhe sejam contrárias. Esse 
entendimento foi a partir do final de 2008. Veja o julgado: 
Prof. Nathalia Masson 
 Aula 05 
 
62 de 104| www.direcaoconcursos.com.br 
Direito Constitucional – Todos os Cargos – TCE/RJ 
 
“... Prevaleceu, no julgamento, por fim, a tese do status de supralegalidade da referida convenção, 
inicialmente defendida pelo Ministro Gilmar Mendes no julgamento do RE 466.343/SP, (...). Vencidos, 
no ponto, os Ministros Celso de Mello, Cezar Peluso, Ellen Gracie e Eros Grau, que a ela davam a 
qualificação constitucional, perfilhando o entendimento expendido pelo primeiro no voto que 
proferira nesse recurso. O Min. Marco Aurélio, relativamente a essa questão, se absteve de 
pronunciamento” (HC 87585/TO, Rel. Min. Marco Aurélio, 3.12.2008). 
Ora, como vimos que a prisão do depositário infiel ou do inadimplente de alimentos só seria 
possível através de uma previsão legal, esta lei que porventura esteja prevendo a prisão do depositário 
infiel ficaria sem efeitos, pois tornou-se inaplicável diante do pacto de São José, o qual tem status de 
norma supralegal (acima das leis). 
Resumindo: 
- Atualmente, é possível a prisão civil do depositário infiel? Não. Pois com base na tese da norma 
supralegal dos tratados internacionais de direitos humanos que não passaram pelo rito previsto no art. 
5º, § 3º da CF, como ocorreu com o Pacto de São José da Costa Rica, a legislação infraconstitucional que 
previa tal prisão e estava em posição de contrariedade com o Pacto ficou com a eficácia paralisada. Tal 
entendimento deu origem a súmula vinculante 25. 
- A Constituição segue prevendo a prisão civil do depositário infiel em seu texto? Sim, o texto 
constitucional não foi modificado pelo pacto (pois ele está abaixo da Constituição), porém, esta prisão é 
inaplicável já que não a lei que a efetive (todas as leis que tratavam do tema ficaram inaplicáveis em razão 
do Pacto, que está acima delas, e não autoriza a prisão civil do depositário infiel). 
Esquematizando: 
- Prisão civil por dívida: 
(i) Regra: não prisão 
(ii) Exceção: determinação de prisão do responsável por inadimplemento voluntário e inescusável de 
obrigação alimentícia. 
(iii) E o depositário infiel? Não pode mais ser preso. Súmula vinculante nº 25: É ilícita a prisão civil de 
depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito. 
 
 
 
 
Prof. Nathalia Masson 
 Aula 05 
 
63 de 104| www.direcaoconcursos.com.br 
Direito Constitucional – Todos os Cargos – TCE/RJ 
 
Questões para fixar 
[VUNESP - 2015 - PC-CE - Escrivão] Assinale a alternativa que contempla hipótese de exceção à regra de que 
a Constituição Federal não admite a prisão civil por dívidas: 
(A) Devedor de obrigação monetária por dívida de jogo. 
(B) Inadimplemento de dívida de fiador de contrato de locação. 
(C) Descumprimento de obrigação pecuniária de contrato de financiamento bancário. 
(D) Inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia. 
(E) Responsável civil por obrigação derivada de acidente automobilístico. 
Comentário: 
Em nosso ordenamento pátrio, somente é admitida a prisão na hipótese de inadimplemento voluntário e 
inescusável de obrigação alimentícia. A letra ‘d’ é nossa resposta. 
Gabarito: D 
[FCC - 2018 - TRT - 15ª Região (SP) - Analista Judiciário - Área Judiciária - Oficial de Justiça Avaliador Federal] 
A Constituição Federal VEDA, como regra geral, a prisão civil por dívida, 
A) proibindo, expressamente, a prisão do depositário infiel, qualquer que seja a natureza do depósito, ainda 
que permita a prisão civil do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação 
alimentícia. 
B) ressalvando, expressamente, a prisão civil do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável 
de obrigação alimentícia e a do depositário infiel, mas o Supremo Tribunal Federal firmou tese jurídica, em 
sede de julgamento de recurso extraordinário com repercussão geral reconhecida, no sentido de que todos 
os pactos internacionais em matéria de direitos humanos internalizados pelo País, inclusive os que proíbem 
a prisão civil por dívida, ingressam no direito brasileiro com hierarquia de norma constitucional e, por isso, a 
hipótese de prisão do depositário infiel é inaplicável segundo o direito vigente. 
C) ressalvando, expressamente, a prisão do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de 
obrigação alimentícia e a do depositário infiel, mas, de outro lado, o Supremo Tribunal Federal editou 
súmula vinculante segundo a qual é ilícita a prisão civil do depositário infiel, qualquer que seja a modalidade 
do depósito. 
D) ressalvando, expressamente, a prisão do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de 
obrigação alimentícia e a do depositário infiel, mas a jurisprudência vigente do Supremo Tribunal Federal 
entende que os pactos internacionais em matéria de direitos humanos internalizados pelo País, inclusive os 
que proíbem a prisão civil por dívida, ingressam no direito brasileiro com hierarquia de norma constitucional 
e, por isso, todas as hipóteses de prisão civil previstas na Constituição Federal são inaplicáveis segundo o 
direito vigente. 
E) ressalvando, expressamente, a prisão do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de 
obrigação alimentícia e a do depositário infiel, mas, segundo jurisprudência vigente do Supremo Tribunal 
Federal, é vedada a prisão civil do depositário infiel apenas quando o depósito for fruto de ordem judicial. 
Prof. Nathalia Masson 
 Aula 05 
 
64 de 104| www.direcaoconcursos.com.br 
Direito Constitucional – Todos os Cargos – TCE/RJ 
 
Comentário: 
A letra ‘c’ pode ser assinalada como resposta, nos termos do art. 5º, inciso LXVII, em associação com o teor 
da SV nº 25. 
Gabarito: C 
[FUNCAB - 2014 - PC-RO - Delegado de Polícia Civil - Adaptada] Com relação ao tema “direitos individuais 
e coletivos” na Constituição Federal de 1988, julgue a assertiva: 
É ilícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito. 
[IADES - 2017 - CREMEB - Advogado] Com relação aos direitos e às garantias individuais, julgue a assertiva: 
É lícita a prisão civil de depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito. 
Comentário: 
Por ser ilícita a prisão civil do depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito, o primeiro item 
é verdadeiro e o segundo é falso. 
Gabarito: Certo / Errado 
 
(31) Art. 5º, LXVIII – Habeas corpus 
Art. 5º, LXVIII - conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer 
violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder. 
 
Este inciso é estudado na aula referente ao tema “Remédios Constitucionais”. 
(32) Art. 5º, LXIX – Mandado de segurança 
Art. 5º, LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por 
habeas corpus ou habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade 
pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público 
 
Este inciso é estudado na aula referente ao tema “Remédios Constitucionais”. 
(33) Art. 5º, LXX – Mandado de segurança coletivo 
Art. 5º, LXX - o mandado de segurança coletivo

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.