A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
104 pág.
AULA 05

Pré-visualização | Página 29 de 30

somente não será de competência do Tribunal do Júri se 
a Constituição Federal tiver determinado outro foro para o caso (se outro documento 
prever, a competência do júri prevalece). 
- Além da competência para processar os crimes dolosos contra a vida, também temos 
no júri: 
(i) a plenitude de defesa 
ii) a soberania dos veredictos 
(iii) o sigilo das votações 
Prof. Nathalia Masson 
 Aula 05 
 
100 de 104| www.direcaoconcursos.com.br 
Direito Constitucional – Todos os Cargos – TCE/RJ 
 
 
 
Legalidade penal 
e irretroatividade 
da lei penal - Art. 
5º, XXXIX e XL 
 
 
 
 
Práticas 
discriminatórias e 
crimes 
inafiançáveis - 
Art. 5º, XLI, XLII, 
XLIII e XLIV 
 
 
 
 
 
 
Intranscendência 
da pena - Art. 5º, 
XLV 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
- O princípio da legalidade exige que seja editada lei em sentido estrito, segundo os 
trâmites estabelecidos na Constituição para que seja feita a definição de um crime e 
para que seja cominada sua respectiva pena. 
- A ideia de anterioridade da lei penal valoriza o ideal de segurança jurídica e evita a 
‘surpresa’ na definição do crime ou da pena a ele correspondente. 
- O inciso XLI tem o sentido de determinar que a lei punirá qualquer discriminação 
atentatória dos direitos e liberdades fundamentais, enquanto o XLII a XLIV enunciam 
os crimes que, em razão de sua gravidade, não admitem fiança. São eles: Ra Ação He 
TTT (Racismos, Ação, Hediondos, Tráfico, Tortura, Terrorismo). 
- Os crimes dos incisos XLII e XLIV (racismo e Ação), além de inafiançáveis, são 
imprescritíveis 
- O racismo é crime será apenado com reclusão. 
- Já no inciso XLIII, temos a informação de que os crimes de tráfico, tortura e terrorismo 
(TTT), assim como os hediondos, além de serem inafiançáveis, são também 
insuscetíveis de graça e anistia. 
- Personalização da pena. Ninguém sofrerá os efeitos da condenação de outrem. 
- No que se refere à obrigação de reparar o dano e à decretação do perdimento de bens, 
a regra é distinta, pois os herdeiros, no limite do patrimônio por eles herdado, terão que 
arcar com essas obrigações 
Prof. Nathalia Masson 
 Aula 05 
 
101 de 104| www.direcaoconcursos.com.br 
Direito Constitucional – Todos os Cargos – TCE/RJ 
 
 
 
 
Individualização 
da pena - Art. 5º, 
XLVI 
 
 
 
 
 
 
Vedação de 
penas - Art. 5º, 
XLVII 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Devido processo 
legal - Art. 5º, LIV 
 
 
 
 
 
- Impor uma sanção condizente com a gravidade do fato e as características pessoais do 
infrator. 
- Penas que poderão ser aplicadas: 
(i) privação ou restrição de liberdade; 
(ii) perda de bens; 
(iii) multa; 
(iv) prestação social alternativa; e, por fim, 
(v) suspensão ou interdição de direitos. 
- Dignidade da pessoa humana como norte. 
- São vedadas as penas: 
(a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX; 
(b) de caráter perpétuo; 
(c) de trabalhos forçados; 
(d) de banimento; 
(e) cruéis. 
- Traduz-se na ideia de que um conjunto de garantais processuais, formais e materiais, 
deverão ser observadas para que esta norma constitucional seja satisfeita. 
- Os elementos dessa garantia constitucional seriam, segundo o STF: 
* direito ao processo (garantia de acesso ao Judiciário); 
* direito à citação e ao conhecimento prévio do teor da acusação; 
* direito a um julgamento público e célere, sem dilações indevidas; 
* direito ao contraditório e a ampla defesa (direito à autodefesa e à defesa técnica – 
advogado); 
* direito de não ser processado com fundamento em provas revestidas de ilicitude; 
* direito de igualdade entre as partes; 
* direito ao benefício da gratuidade; 
* direito à observância do princípio do juiz natural; 
* direito ao silêncio (privilégio contra a autoincriminação); 
* direito à prova; 
* direito de presença e de participação ativa nos atos de interrogatório judicial dos demais 
litisconsortes penais passivos, quando existentes. 
Prof. Nathalia Masson 
 Aula 05 
 
102 de 104| www.direcaoconcursos.com.br 
Direito Constitucional – Todos os Cargos – TCE/RJ 
 
 
 
Contraditório e 
ampla defesa - 
Art. 5º, LV 
 
 
 
 
 
Provas ilícitas - 
Art. 5º LVI 
 
 
 
Princípio da 
presunção de 
inocência ou da 
não culpabilidade 
- Art. 5º, LVII 
 
 
Identificação 
criminal - Art. 5º, 
LVIII 
 
 
 
Ação penal 
privada 
subsidiária da 
pública - Art. 5º, 
LIX 
 
 
- Consequência direta do devido processo legal. 
- Ampla defesa significa o direito de apresentar no curso do processo todos os meios lícitos 
que permitam ao sujeito provar seu ponto de vista. 
- O contraditório representa o direito constitucional que o sujeito possui de contradizer 
tudo aquilo que for apresentado no processo pela parte adversa. 
- Não são aplicados no âmbito dos inquéritos policiais. 
- Derivação do devido processo legal. 
- Completa inadimissibilidade. 
- Ilícita é a prova obtida por meio de afronta à direitos, às regras e princípios 
constitucionais. As provas que dela forem derivadas também serão. 
- Condão de tutelar a liberdade do indivíduo. 
- Apenas após o trânsito em julgado da sentença penal condenatória é que o indivíduo será 
considerado culpado. Antes disso, presume-se inocente. 
- O civilmente identificado não será submetido à identificação criminal. 
- Princípio não absoluto, pois a própria Constituição determina que, em certos casos, 
excepcionalmente, o civilmente identificado poderá ser levado à delegacia para que seja 
feita sua identificação criminal. 
- É função institucional do MP promover a ação penal, porém, se esta não for apresentada 
pelo MP no prazo legal, oportuniza-se ao particular a ação penal privada subsidiária da 
pública, ou seja, o próprio particular apresentará a ação penal perante o Poder Judiciário. 
Prof. Nathalia Masson 
 Aula 05 
 
103 de 104| www.direcaoconcursos.com.br 
Direito Constitucional – Todos os Cargos – TCE/RJ 
 
 
Publicidade dos 
atos processuais - 
Art. 5º, LX 
 
 
 
Prisão civil por 
dívida - Art. 5º, 
LXVII 
 
 
 
 
Assistência 
jurídica estatal - 
Art. 5º, LXIV 
 
 
 
Gratuidade - Art. 
5º, LXXVI 
 
 
 
 
Razoável duração 
do processo e 
celeridade - Art. 
5º, LXXVIII 
 
 
 
 
- A regra é a publicidade. 
- A exceção são os casos de defesa da intimidade ou interesse social. 
- A regra é a de que não cabe prisão civil por dívida. A exceção se encontra nos casos 
de inadimplemento voluntário e inescusável de prestação alimentícia. 
- No que se refere ao depositário infiel, o STF passou a entender, em 2008, que não 
será mais possível, acatando o disposto no Pacto de San Jose da Costa Rica. 
- Intuito: garantir o acesso à justiça. 
- Restrita àqueles que comprovem insuficiência de recursos. 
- Devida para os reconhecidamente pobres. 
- Abrange o registro de nascimento e certidão de óbito. 
- Incluído na CF pela EC nº 45/2004. 
- Assegura a todas as pessoas, tanto no âmbito judicial quando no âmbito 
administrativo, a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade 
de sua tramitação. 
- Desdobramento do direito ao acesso à Justiça. 
Prof. Nathalia Masson 
 Aula 05 
 
104 de 104| www.direcaoconcursos.com.br 
Direito Constitucional – Todos os Cargos – TCE/RJ 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
CANOTILHO, J. J. Gomes; SARLET, Ingo Wolfgang; STRECK, Lenio Luiz; MENDES, Gilmar Ferreira. 
Comentários a Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013. 
CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. 7. Ed. – Coimbra: Almedina, 
2013. 
DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do Estado. 24. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2003. 
KELSEN, Hans. Teoria geral do direito e do Estado. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005. 
LOEWENSTEIN, Karl. Teoría de la Constitución. Barcelona: Ed. Ariel, 1965. 
HAURIOU, André. Droit Constitutionnel et Intitutions Politiques.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.