A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
66 pág.
AULA 06 - CONVENIOS

Pré-visualização | Página 4 de 24

dos 
denunciantes. 
c) ERRADA. Não há necessidade de se realizar licitação para celebrar convênios, justamente pelo fato de 
que, do ajuste, não resultam obrigações de natureza contratual. 
d) ERRADA. O erro do item não está muito evidente. Os conveniados, certamente, podem possuir objetivos 
institucionais diversos. Também podem visar à concretização de propósitos que lhes sejam favoráveis, 
considerando que o objeto do convênio é do interesse de todos os conveniados. Talvez o erro considerado 
pela banca é que os propósitos devem ser comuns, e não apenas favoráveis a cada conveniado 
individualmente (o item pode dar a entender o contrário). 
e) ERRADA. No convênio não pode haver remuneração de um partícipe ao outro. 
Gabarito: alternativa “b” 
4. FCC – DPE/AM 2013 
Ao contrário dos contratos administrativos, os convênios administrativos 
a) não dependem de exame e aprovação prévia por assessoria jurídica da Administração. 
b) não estão sujeitos à aplicação de normas da Lei Federal no 8.666/93. 
c) permitem a retirada voluntária de qualquer um dos partícipes, sem que se caracterize inadimplência. 
d) dependem de prévia licitação, quando houver mais de uma entidade habilitada a celebrar o ajuste. 
e) não permitem o repasse de recursos financeiros entre os partícipes, visto que cada qual deve arcar com 
as respectivas tarefas que foram objeto do ajuste. 
Comentários: 
Vamos analisar cada item: 
a) ERRADA. Segundo o art. 38, parágrafo único da Lei 8.666/93, “as minutas de editais de licitação, bem 
como as dos contratos, acordos, convênios ou ajustes devem ser previamente examinadas e aprovadas por 
assessoria jurídica da Administração”. 
b) ERRADA. Nos termos do art. 116 da Lei 8.666/93, as disposições dessa Lei aplicam-se, “no que couber, 
aos convênios, acordos, ajustes e outros instrumentos congêneres celebrados por órgãos e entidades da 
Administração”. 
c) CERTA, nos termos do art. 12 do Decreto 6.170/2007: 
Art. 12. O convênio poderá ser denunciado a qualquer tempo, ficando os partícipes responsáveis 
somente pelas obrigações e auferindo as vantagens do tempo em que participaram voluntariamente do 
acordo, não sendo admissível cláusula obrigatória de permanência ou sancionadora dos denunciantes. 
d) ERRADA. Não há necessidade de se realizar licitação para celebrar convênios. 
 
 
 
11 de 66| www.direcaoconcursos.com.br 
Prof. Erick Alves 
Aula 06 
Licitações, Contratos e Convênios para TCE-RJ 
e) ERRADA. Embora não possa haver remuneração, nos convênios ocorre sim o repasse de recursos 
financeiros entre os partícipes, para que a execução do objeto ocorra de forma centralizada, por um dos 
partícipes. 
Gabarito: alternativa “c” 
5. ESAF – ANAC 2016 
Denomina-se _____________________ o instrumento por meio do qual é ajustada a descentralização de 
crédito entre órgãos e/ou entidades integrantes dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União para 
execução de ações de interesse da unidade orçamentária descentralizadora e consecução do objeto previsto 
no programa de trabalho, respeitada fielmente a classificação funcional programática. 
Assinale a opção que preenche corretamente a lacuna acima. 
a) Convênio. 
b) Termo de Cooperação. 
c) Termo de Parceria. 
d) Termo de Execução Descentralizada. 
e) Contrato de Repasse. 
Comentário: 
A resposta está no art. 1º, §1º, III do Decreto 6.170/2007: 
III - termo de execução descentralizada - instrumento por meio do qual é ajustada a descentralização 
de crédito entre órgãos e/ou entidades integrantes dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da 
União, para execução de ações de interesse da unidade orçamentária descentralizadora e consecução 
do objeto previsto no programa de trabalho, respeitada fielmente a classificação funcional 
programática. 
Gabarito: alternativa “d” 
6. Cespe – TCDF 2014 
Denomina-se convênio o instrumento celebrado entre a administração do DF e entidades públicas ou 
privadas, com a finalidade de executar programas de interesse recíproco, em regime de cooperação mútua. 
Comentário: 
Para responder o item, é interessante conhecer a definição de convênio prevista no Decreto 6.170/2007: 
I - convênio - acordo, ajuste ou qualquer outro instrumento que discipline a transferência de recursos 
financeiros de dotações consignadas nos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União e tenha 
como partícipe, de um lado, órgão ou entidade da administração pública federal, direta ou 
indireta, e, de outro lado, órgão ou entidade da administração pública estadual, distrital ou 
municipal, direta ou indireta, ou ainda, entidades privadas sem fins lucrativos, visando a execução 
de programa de governo, envolvendo a realização de projeto, atividade, serviço, aquisição de bens ou 
evento de interesse recíproco, em regime de mútua cooperação; 
 
 
 
12 de 66| www.direcaoconcursos.com.br 
Prof. Erick Alves 
Aula 06 
Licitações, Contratos e Convênios para TCE-RJ 
O Decreto 6.170/2007 disciplina os convênios firmados pela administração pública federal; por isso, é natural 
que restrinja a participação no polo repassador dos recursos a “órgão ou entidade da administração pública 
federal, direta ou indireta”. Porém, é possível que Estados, DF e Municípios também firmem convênios nos 
quais figurem como a parte que irá repassar os recursos a terceiros. Na questão em comento, por exemplo, 
quem repassa os recursos é a administração do DF, o que é perfeitamente cabível. O aspecto crucial para se 
definir um convênio é a finalidade do ajuste, qual seja, a execução de programas de interesse recíproco, em 
regime de cooperação mútua. 
Gabarito: Certo 
7. Cespe – CADE 2014 
Contratos e convênios são objetos distintos: nos contratos, os interesses entre as partes são opostos; nos 
convênios, são convergentes. 
Comentário: O item está correto. Conforme ensina Carvalho Filho, “no contrato os interesses são opostos 
e diversos; no convênio, são paralelos e comuns. Nesse tipo de negócio jurídico, o elemento fundamental 
é a cooperação, e não o lucro, que é o almejado pelas partes no contrato. De fato, num contrato de obra, o 
interesse da Administração é a realização da obra, e o do particular, o recebimento do preço. Num convênio 
de assistência a menores, porém, esse objetivo tanto é do interesse da Administração como também do 
particular. Por isso, pode-se dizer que as vontades não se compõem, mas se adicionam”. 
Nos convênios, a cooperação mútua pode assumir várias formas, como repasse de verbas, uso de 
equipamentos, de recursos humanos e materiais, de imóveis, de know-how e outros. 
Gabarito: Certo 
8. Cespe – Anatel 2014 
Convênio pode ser corretamente conceituado como o instrumento por meio do qual é ajustada a 
transferência de crédito de órgão ou entidade da administração pública federal para outro órgão federal da 
mesma natureza ou para autarquia, fundação pública ou empresa estatal dependente. 
Comentário: O item está errado. Primeiro, porque o convênio não é utilizado para a transferência de crédito 
orçamentário, e sim de recursos financeiros. Segundo, porque é vedada a celebração de convênio entre 
órgãos e entidades da administração pública federal (Decreto 6.170/2007, art. 2º, III). Para esses casos – 
transferência de créditos orçamentários entre órgãos/entidades da administração pública federal – o 
instrumento adequado é o termo de execução descentralizada. 
Gabarito: Errado 
9. Cespe – CADE 2014 
Assim como as entidades dependentes ou órgãos dos estados, Distrito Federal ou municípios, a União está 
legalmente obrigada a celebrar convênio ou contrato de repasse ainda que as situações sejam 
caracterizadas como emergenciais. 
Comentário: 
O art. 1º, §7º da Portaria Interministerial 424/2016 estabelece, taxativamente, que “a União não está 
obrigada a celebrar convênios”. Aliás, não é por outro motivo que os convênios e instrumentos congêneres 
são chamados de transferências voluntárias, ou seja, a União transfere o recurso (que é seu) apenas se 
 
 
 
13

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.