A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
aula 06 pesquisa em serviço social

Pré-visualização | Página 3 de 3

fundamental na 
pesquisa qualitativa, pois complementa informações obtidas por outras 
técnicas, ou desvela aspectos novos de um tema ou problema em estudo 
(Lüdke; André, 1986). A elaboração da análise documental ocupa lugar 
fundamental, pois esse método figura-se na análise de documentos advindos 
de pesquisas documentais considerados cientificamente autênticos. Ao mesmo 
tempo em que se trata de um método de pesquisa, é também de um método de 
análise dos resultados de pesquisa já existentes, tanto de fontes primárias (ou 
seja, que não receberam nenhum tratamento analítico) quanto de fonte 
secundária (isto é, contido em livros, teses, revistas, publicações), portanto 
materiais que já tenham recebido trato de fontes primárias (Oliveira, 2013). 
O ponto de partida da análise documental são os documentos 
disponíveis e de acesso sobre o tema em pesquisa, realizado por outro 
pesquisador. Trata-se, pois, segundo Pimentel (2001, p. 180), de “estudos 
baseados em documentos como material primordial, sejam revisões 
bibliográficas, sejam pesquisas historiográficas, extraem deles toda a análise, 
organizando-os e interpretando-os segundo os objetivos da investigação 
proposta”. 
Por exemplo, imaginemos que você, aluno, deseja fazer uma pesquisa 
sobre o acesso de pessoas com deficiência ao mercado de trabalho. Você 
poderá pesquisar em um banco de dados produzido pelo SINE, IBGE ou 
órgãos competentes sobre a inserção desse público no mundo do trabalho. 
Também poderá pesquisar em livros, revistas, artigos, sites especializados, 
entre outros, porém vai perceber que os dados que aparecem nas pesquisas 
em estudo têm a ver com o momento da pesquisa, e muitas vezes não levam 
em consideração pontos importantes como atitudes e práticas, contexto 
cultural, vivências, entre outros, pois buscam-se informações por aproximação 
dos sujeitos, e o fato de uma fonte não ser objetiva não significa que devemos 
desprezá-la. 
 
 
11 
Dessa forma, como nos afirma Oliveira (2013, p. 97), “a análise 
documental muito tem a contribuir com a pesquisa social, especialmente se 
considerarmos como um dos recursos possíveis, inserindo-o no conjunto de 
ferramentas metodológicas acessíveis para a apreensão dos fenômenos 
sociais”. 
Saiba mais 
Para saber mais sobre pesquisa documental, acesse o link a seguir; 
<http://pesquisadocumental.blogspot.com.br/p/o-conceito-de-pesquisa-
documental.html> 
NA PRÁTICA 
Nesta aula, minha proposta é que você coloque em prática o que 
estudamos até aqui e construa a sua proposta de pesquisa com base nos 
elementos que foram descritos. Você foi instrumentalizado e orientado para 
pensar sua pesquisa desde o nosso primeiro encontro, quando tratamos do 
que é ciência, como se faz ciência e conhecimento, passando pela construção 
do conhecimento, o que é pesquisa no serviço social, a discussão do cotidiano, 
a pesquisa na perspectiva interdisciplinar e a pesquisa como processo 
interventivo e investigativo para a profissão. Também falamos da ética na 
pesquisa, da classificação e dos instrumentos técnicos até chegar à construção 
do tema e do problema da pesquisa. 
Poderíamos dizer que esta aula seria o coração da pesquisa, aquele que 
pulsa e que dá vida ao que você está pesquisando; é o que nos move para 
chegar a um resultado dos nosso estudos. 
Enfim, chegamos ao momento de concretizar toda essa caminhada, e 
ela se dará a partir desta aula, quando você construirá seu projeto de pesquisa 
e fará seu trabalho final à luz das bases teóricas do serviço social estudadas 
nesses quatro anos de faculdade. 
FINALIZANDO 
Nesta aula pudemos tratar especialmente do projeto de pesquisa, o 
passo a passo desde a ideia inicial do que é um projeto, como podemos 
construir uma linha mestra da pesquisa. Descobrimos que, sem esse 
 
 
12 
direcionamento metodológico, fica mais difícil se chegar a um resultado do que 
se pretende. Também construímos a proposta do que é uma amostra de 
pesquisa e os sujeitos que farão parte do estudo proposto. Podemos estudar 
como se faz coleta de dados e quais os instrumentos e técnicas possíveis de 
serem utilizados e aplicados na proposta em andamento. 
Por fim, e não menos importante, discutimos a apresentação, 
interpretação e análise dos resultados de todo o trabalho construído no 
decorrer desta disciplina. Esta etapa da análise e interpretação dos resultados 
se constituirá no trabalho final, que será o relatório da pesquisa ou a 
apresentação do TCC – trabalho de conclusão de curso. 
 
 
 
13 
REFERÊNCIAS 
BARRETO, A. V. P.; HONORATO, C. F. Manual de sobrevivência na selva 
acadêmica. Rio de Janeiro: Objeto Direto, 1998. 
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa Social. 6. ed. 4. reimpr. São 
Paulo: Atlas, 2011. 
_____. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 
LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 
3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 1991. 
LUCIANO, F. L. Metodologia científica e de pesquisa. Criciúma: Ed. do 
Autor, 2001. 
LÜDKE, M.; ANDRE, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens 
qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 
MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22. 
ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2003 
OLIVEIRA, V. P. de. Análise documental. In: _____. Pesquisa social. Curitiba: 
Intersaberes, 2013. 
PIMENTEL, A. O método da análise documental: seu uso numa pesquisa 
historiográfica. Cadernos de Pesquisa n.114, São Paulo, nov., 2001 
RICHARDSON, R. J. (Org.). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. 11. 
reimpr. São Paulo: Atlas, 2010. 
SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. 9. ed. rev. São Paulo: Martins 
Fontes, 1999. 
TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: pesquisa 
qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2008.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.